La ilusión biográfica acerca de Machado de Assis y el problema agrario en el Brasil del siglo XIX

Autores/as

  • Pedro Parga Rodrigues Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.trahs.n19a09

Palabras clave:

Junta Directiva de la Agricultura, Machado de Assis, propiedad, imperio brasileño

Resumen


Este artículo presenta diferentes aproximaciones del escritor Machado de Assis al problema agrario en el Brasil del siglo XIX. Usaremos los documentos firmados por él en el Ministerio de la Agricultura, Comercio y Obras Públicas, así como los escritos literarios de este autor. Apelaremos a los procedimientos asociados al problema agrario firmados por Machado de Assis en las últimas dos décadas del Imperio. Además, se intentará deshacer la “ilusión biográfica” sobre la trayectoria de este escritor; demostrando cómo, en algunos procedimientos, Machado de Assis se aproximó a intereses señoriales, mientras, en otros, estaba en contra de los mismos.

|Resumen
= 65 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 253 veces| | HTML (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 43 veces| | VISOR (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 43 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Pedro Parga Rodrigues, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doctor en Historia por la Universidade Federal Fluminense. Actualmente realiza estudios posdoctorales en la Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro y participa en el Núcleo de Pesquisa Propriedade e suas múltiplas dimensões.

Citas

Fontes

Manuscritas

Arquivo Nacional, Rio de Janeiro (AN)

Seção de Guarda Codes

Fundação Casa Rui Barbosa, Rio de Janeiro (FCRB)

Coleção Machado de Assis

Impressas

Annaes do Parlamento Brazileiro. Rio de Janeiro: Typoggraphia de Hippolyto J. Pinto, 1876

Werneck, Luís Peixoto de Lacerda. Idéas sobre colonisação precedidas de uma succinta exposição dos princípios geraes que regem a população. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert, 1855.

Periódicos

O Cruzeiro (Rio de Janeiro) 1878.

Bibliografia

Alonso, Angela. Flores, votos e balas. O movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Leras, 2015.

Bourdieu, Pierre. “A ilusão biográfica”. Usos e abusos da história oral. Coords. Janaína Amado e Marieta de Moraes Ferreira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

Carvalho, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro das sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

Chalhoub, Sidney. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Chartier, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

Chartier, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Christillino, Cristiano Luís. “Litígios ao sul do Império: a Lei de Terras e a consolidação política da Coroa no Rio Grande do Sul (1850-1880)”. Tese de doutorado em História, Universidade Federal Fluminense, 2010.

Darossi, Flávia Paula. “A Lei de Terras em Santa Catarina e a política fundiária Imperial: a força do poder local pela Câmara Municipal de Lages e a Sociedade Lageana para Exportar Erva-Mate”. História, Histórias 6.12 (2018): 136-154. Doi: https://doi.org/10.26512/hh.v6i12.19263.

Duarte, Eduardo de Assis. Machado de Assis afrodescendente. Belo Horizonte: Pallas, 2009.

Duarte, Eduardo de Assis. “A capoeira literária de Machado de Assis”. Machado de Assis em Linha 2.3 (2009): 27-38.

Foucault, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2013.

Ginzburg, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Gledson, John. Por um novo Machado de Assis. Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Gledson, John e Lúcia Granja. Coords. Notas Semanais. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

Gramsci, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

Guimarães, Hélio de Seixas. Machado de Assis, o escritor que nos lê. As figuras machadianas através da crítica e das polêmicas. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

Guimarães, Hélio de Seixas. “O Machado terra-a-terra de John Gledson”. Novos Estudos - CEBRAP 77 (2007): 261-271.

Guimarães, Hélio de Seixas. Os leitores de Machado de Assis. O romance machadiano e o público de literatura no século 19. São Paulo: Nankin y Edusp, 2012.

Le Goff, Jacques. “Une enquête sur le rire”. Annales. Histoire, Sciences Sociales 52.3 (1997): 449-455.

Maia, Cláudio Lopes. “Os donos da terra: a disputa pela propriedade e pelo destino da fronteira - a luta dos posseiros em Trombas e Formoso 1950-1960”. Tese de doutorado em História, Universidade Federal de Goiás, 2008.

Marquese, Rafael de Bivar. “As desventuras de um conceito: capitalismo histórico e a historiografia sobre a escravidão brasileira”. Revista de História 169 (2013): 223-253.

Mattos, Marcelo Badaró. E. P. Thompson e a tradição de crítica ativa do materialismo histórico. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2012.

Mendonça, Joseli Maria Nunes. Entre a mão e os anéis. A lei dos sexagenários e os caminhos da abolição no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

Miskolci, Richard. “Machado de Assis, o outsider estabelecido”. Sociologias 8.15 (2006): 352-377.

Motta, Márcia Maria Menendes. Nas fronteiras do poder: conflito e direito à terra no Brasil do século XIX. Niterói: Arquivo público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

Pena, Eduardo Spiller. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a lei de 1871. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

Pereira, Marcelo Pen. “Estratégias do Falso. Realidade possível em Henry James e Machado de Assis”. Tese de doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada, Universidade de São Paulo, 2007.

Prado, Solange Faria. “O poder e a luta pela propriedade da terra no Vale do rio Iconha / Piúma: o caso Thomaz Dutton Junior (1870-1906)”. Tese de doutorado em História, Universidade Federal do Espírito Santo, 2018.

Ramos, Ana Flávia Cernic. As máscaras de Lélio: política e humor nas crônicas de Machado de Assis (1883-1886). Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

Rocha, Gilda. Imigração estrangeira no Espírito Santo, 1847-1896. Vitória: [s.n.], 2000.

Rodrigues, Pedro Parga. “A experimentação literária de Machado de Assis e o tema da propriedade da terra no XIX”. Revista Cantareira 28 (2018): 101-112.

Rodrigues, Pedro Parga. “A Lei de Terras de 1850 e os Relatórios do Ministério da Agricultura entre 1873-1889”. Revista Maracanan 17 (2017): 103-117. Doi: https://doi.org/10.12957/revmar.2017.27435.

Salles, Ricardo Henrique. “O Império do Brasil no contexto do século XIX. Escravidão nacional, classe senhorial e intelectuais na formação do Estado”. Almanack 4 (2012): 5-45. Doi: https://doi.org/10.1590/2236-463320120401.

Santiago, Silviano. Uma literatura nos trópicos. Ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

Secreto, María Verónica. “Novas perspectivas na história da escravidão”. Tempo 22.41 (2016): 442-450.

Silva, Márcio Antônio Both da. “Lei de Terras de 1850: lições sobre os efeitos e os resultados de não se condenar ‘uma quinta parte da atual população agrícola’”. Revista Brasileira de História 35.70 (2015): 87-107. Doi: https://doi.org/10.1590/1806-93472015v35n70014.

Silveira, Daniela Magalhães da. Fábrica de contos: ciência e literatura em Machado de Assis. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

Tatim, Janaína e Antônio Marcos V. Sanseverino. “A experimentação de Machado de Assis e a sedimen­tação dos gêneros literários”. Todas as Musas 4.2 (2013): 183-199.

Publicado

2022-01-28

Cómo citar

Parga Rodrigues, P. (2022). La ilusión biográfica acerca de Machado de Assis y el problema agrario en el Brasil del siglo XIX. Trashumante. Revista Americana De Historia Social, (19), 186–207. https://doi.org/10.17533/udea.trahs.n19a09

Número

Sección

Investigación

Artículos similares

1 2 > >> 

También puede Iniciar una búsqueda de similitud avanzada para este artículo.