“Mandingueiros” negros en el mundo atlántico moderno

  • Daniela Buono Calainho Universidad Estatal de Rio de Janeiro
Palabras clave: inquisición, africanos, amuletos

Resumen

En este artículo se pretende analizar una dimensión importante en el contexto de las relaciones globales del mundo moderno: el movimiento de las creencias y prácticas mágico-religiosas promovidas por africanos y afro-descendientes, sean esclavos o libres, de África, Portugal y Brasil. Del conjunto de estas creencias, privilegiamos el uso de amuletos protectores, o bolsas de mandinga, para demostrar el alcance de esta circulación. La documentación que utilizamos en la investigación son los procesos que sufren los africanos y los descendientes de africanos acusados de brujería y pactos demoníacos por el tribunal inquisitorial portugués.

|Resumen
= 380 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 278 veces| HTML (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 43 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Daniela Buono Calainho, Universidad Estatal de Rio de Janeiro
Doctora en Historia por Universidad Federal Fluminense. Catedrático de la Universidad Estatal de Rio de Janeiro.

Citas

FONTES MANUSCRITAS

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa (ANTT)

Inquisição de Lisboa

Inquisição de Coimbra

IMPRESSAS

Brásio, António. Comp. Monumenta missionaria africana. Segunda série. Vol. IV. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1968.

INTERNET

www.slavevoyages.org

BIBLIOGRAFIA

Bastide, Roger. As Américas negras: as civilizações africanas no Novo Mundo. São Paulo: Difel, 1974.

Bastide, Roger. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1989.

Bailyn, Bernard. Atlantic History: Concepts and Contours. Cambridge: Harvard University Press, 2005.

Bailyn, Bernard. “The Idea of Atlantic History”. Itinerario 20.1 (1996): 19-44.

Bethencourt, Francisco e Kirti Chaudhuri. Dirs. História da expansão portuguesa. Vols. 1-3. Lisboa: Círculo de Leitores, 1998.

Bethencourt, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália, séculos XV-XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Bethencourt, Francisco. O imaginário da magia: feiticeiras, saludadores e nigromantes no século XVI. Lisboa: Centro de Estudos de História e Cultura Portuguesa, 1987.

Braudel, Fernand. O Mediterrâneo e o mundo mediterrânico na época de Filipe II. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1983.

Braudel, Fernand. O Espaço e a História no Mediterrâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Boxer, Charles R. O Império Marítimo Português, 1415-1825. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Boxer, Charles R. Salvador de Sá e a luta pelo Brasil e Angola, 1602-1686. São Paulo: Editora Nacional / Editora da Universidade de São Paulo, 1973.

Calainho, Daniela Buono. Metrópole das mandingas: religiosidade negra e Inquisição portuguesa no Antigo Regime. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

Chaunu, Pierre. Séville et l’Atlantique (1504-1650). Paris: Éditions de l’Institut des Hautes Études de l’Amérique Latine, 1959.

Chevalier, Jean e Alain Gheerbrant. Dicionário de símbolos. Mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

Costa, Thaís Tanure de Oliveira. “‘Nas terras remotas o diabo anda solto’: Degredo, Inquisição e escravidão no mundo atlântico português (séculos XVI a XVIII)”. Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

Curtin, Philip D. The Atlantic Slave Trade: A Census. Madison: University of Wisconsin Press, 1969.

Curtin, Philip D. The Tropical Atlantic in the Age of Slave Trade. Washington: American Historical Association, 1991.

Deschamps, Hubert. Las religiones del África negra. Buenos Aires: Editorial Universitaria de Buenos Aires, 1962.

Elliot, John. Do the Americas Have a Common History? An Address. Providence: John Carter Brown University, 1998.

Fage, J. D. História da África. Lisboa: Edições 70, 1995.

Ginzburg, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Ginzburg, Carlo. História noturna. Decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Godechot, Jacques. Histoire de l’Atlantique. Paris: Bordas, 1947.

Greene, Jack P. e Philip D. Morgan. Atlantic History: a critical appraisal. New York: Oxford University Press, 2009.

Gruzinski, Serge. As quatro partes do mundo. História de uma mundialização. Belo Horizonte / São Paulo: Editora UFMG / Edusp, 2014.

Ki-Zerbo, Joseph. História da África negra. Lisboa: Publicações Europa-América, 1972.

Lahon, Didier. “Esclavage et Confréries noires au Portugal durant l’Ancien Régime (1441-1830)”. Tese de doutorado em Antropologia Social e História, École des Hautes Études en Sciences Sociales, 2001.

MacGaffey, Wyatt. “Dialogues of the deaf: Europeans on the Atlantic Coast of Africa”, Implicit Understandings: Observing, Reporting, and Reflecting on the Encounters between Europeans and Other Peoples in the Early Modern Era. Ed. Stuart B. Schwartz. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

Marcocci, Giuseppe e José Pedro Paiva. História da Inquisição Portuguesa, 1536-1821. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2013.

Marcussi, Alexandre A. “Utopias centro-africanas: ressignificações da ancestralidade nos calundus da América portuguesa nos séculos XVII e XVIII”. Revista Brasileira de História 39.79 (2018): 19-40.

Mauro, Frédéric. Le Portugal et l’Atlantique au XVIIe siècle, 1570-1670. Paris: École Pratique des Hautes Études, 1960.

M’Bokolo, Elikia. África negra. História e civilizações. Tomo I. Salvador / São Paulo: EDUFBA / Casa das Áfricas, 2009.

Mintz, Sidney W. e Richard Price. O Nascimento da cultura afro-americana: uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro: Pallas / Universidade Candido Mendes, 2003.

Mott, Luiz. “O calundu angola de Luzia Pinta: Sabará, 1739”. Revista do Instituto de Arte e Cultura 1 (1994): 73-82.

Mott, Luiz. “Quatro mandingueiros de Jacobina na Inquisição de Lisboa”. Afro-Ásia 16 (1995): 148-160.

Mota, Thiago Henrique. “História Atlântica da islamização na África Ocidental. Senegâmbia, séculos XVI e XVII”. Tese de doutorado em História, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

Paiva, José Pedro. Bruxaria e superstição num país sem “caça às bruxas” (1600-1774). Lisboa: Editorial Notícias, 1997.

Parés, Luis Nicolau. A Formação do Candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

Ramos, Arthur. O negro brasileiro. Vol. 1. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1940.

Reis, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos malês, 1835. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Rodrigues, Nina. Os africanos no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

Russell-Wood, A. J. R. “Governantes e agentes”. História da expansão portuguesa. Vol. 3. Dirs. Francisco Bethencourt e Kirti Chaudhuri. Lisboa: Círculo de Leitores, 1998.

Russell-Wood, A. J. R. Um mundo em movimento: os portugueses na África, Ásia e América (1415-1808). Algés: Difel, 1998.

Russell-Wood, A. J. R. “Sulcando os mares: um historiador do império português enfrenta a ‘Atlantic History’”. História 28.1 (2009): 17-70.

Santos, Vanicléia Silva. “As bolsas de mandinga no espaço Atlântico: Século XVIII”. Tese de doutorado em História, Universidade de São Paulo, 2008.

Saunders, A. C de C. M. História social dos escravos e libertos negros em Portugal (1441-1555). Lisboa: Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 1994.

Souza, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

Souza, Laura de Mello e. Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Souza, Laura de Mello e. “Revisitando o calundu”. Ensaios sobre a intolerância: Inquisição, Marranismo e Anti-Semitismo. Orgs. Lina Gorenstein e Maria Luzia Tucci Carneiro. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2002.

Subrahmanyam, Sanjay. O Império asiático português 1500-1700. Uma História política e econômica. Linda-a-Velha: Difel, 1995.

Sweet, James H. Recriar a África: cultura, parentesco e religião no mundo afro-português (1441-1770). Lisboa: Edições 70, 2007.

Thomas, Keith. Religião e o declínio da magia: crenças populares na Inglaterra, séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Thomaz, Luís Filipe F. R. De Ceuta a Timor. Lisboa: Difel, 1994.

Thornton, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

Thornton, John. “The Development of an African Catholic Church in the Kingdom of Kongo, 1491-1750”. The Journal of African History 25.2 (1984): 147-167.

Trimingham, J. Spencer. A History of Islam in West Africa. London: Oxford University Press, 1970.

Venâncio, Renato Pinto. Cativos do Reino: a circulação de escravos entre Portugal e Brasil, séculos 18 e 19. São Paulo: Alameda, 2012.

Publicado
2020-07-03
Cómo citar
Buono Calainho D. (2020). “Mandingueiros” negros en el mundo atlántico moderno. Trashumante. Revista Americana De Historia Social, (16), 10-32. https://doi.org/10.17533/udea.trahs.n16a02