A multitemporalidade da biblioteca

Autores/as

  • Jonathas Luiz Carvalho Silva Universidad Federal de Ceará

Palabras clave:

Biblioteca, multitemporalidade, história, história vezes passado-presente-futuro

Resumen


Aborda a complexidade histórica da biblioteca. Apresenta como problema a seguinte pergunta: como se apresenta a temporalidade da biblioteca a partir de um diálogo com conceitos de história? O objetivo deste trabalho é discutir sobre as concepções multitemporais da biblioteca e suas relações no âmbito de diferentes conceitos e percepções de história, como Paul Veyne, Edgar Morin e Eric Hobsbawm. Em termos metodológicos, o estudo se constitui de uma revisão bibliográfica, buscando estabelecer um diálogo entre as áreas do conhecimento, especialmente a biblioteconomia e a história e as literaturas das áreas supramencionadas de cunho nacional e global. Podemos concluir que a biblioteca é multitemporal porque se estabelece em diversos contextos históricos de cunho narrativo, assim como diálogos a partir do presente e a concepção integrada entre tempos passado, presente e futuro. Consideramos, por fim, que a biblioteca é multitemporal porque suas transformações históricas são plurais e se consolidam a partir de diálogos e integrações diversas.

 

|Resumen
= 23 veces | PDF
= 24 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Jonathas Luiz Carvalho Silva, Universidad Federal de Ceará

Doctorado en Ciencias de la Información en curso. Universidad Federal de Bahía (UFBA). Catedrático de Epistemología e investigación en Bibliotecología y Ciencias de la Información. Universidad Federal de Ceará - Campus Cariri. Juazeiro do Norte - Brasil

Citas

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. 1997. Sociedade e Biblioteconomia. São Paulo: Pólis, APB, 1997.

JACOB, Christian. 2000. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ,

p. 9-17.

BATTLES, Matthew. 2003. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2003.

BELO, André. 2002. História & livro e cultura. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 113 p.

BURKE, Peter. 2003. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CARVALHO SILVA, Jonathas Luiz, SILVA, Roosewelt Lins. 2010. Biblioteca, luta de classes e o posicionamento da Biblioteconomia brasileira: algumas considerações. Em Questã [em línea]. Julho – dezembro 2010, vol. 16, n. 2. [fecha de consulta: 23 noviembre 2012] Disponível em: http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/ view/16023.

CASTRO, César Augusto. 2006. Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre “O

Nome da Rosa”. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. 4(esp.):01-20, 2006.

COSTA, Maria Neusa de Morais. 1984. Biblioteca Pública como centro de informação utilitária: uma experiência no município de Santa Rita. Revista da Escola de Biblioteconomia. 13(2): 179-195, 1984.

DARNTON, Robert. 2010. A questão dos livros: presente, passado e futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ESCARPIT, Robert. 1976. A revolução do livro. Rio de Janeiro: FGV, 1976. 156p.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. 1994. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994. 154p.

Descargas

Publicado

2013-10-19

Cómo citar

Carvalho Silva, J. L. (2013). A multitemporalidade da biblioteca. Revista Interamericana De Bibliotecología, 36(1), 25–34. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/RIB/article/view/17084

Número

Sección

Investigaciones