Historia y epistemología de la ciencia de la información: enfoque social

  • Hamilton Rodrigues Tabosa Universidade Federal do Ceará
  • Derek Warwick da Silva Tavares Universidade Federal da Paraíba
  • Jefferson Veras Nunes Universidade Federal do Ceará
Palabras clave: Ciencia de la Información - Epistemología, Representaciones sociales, Psicología Social

Resumen

El propósito de este artículo es reflexionar basada principalmente en Vygotsky y Moscovici, en el desarrollo de las teorías sobre la relación entre los estudios en los enfoques cognitivos y sociales que sucedió en los años sesenta en Europa, para entender el momento histórico en el que comenzó su enfoque social de la Ciencia de la Información (CI) mientras se institucionalizó con una fuerte tendencia a la influencia de Estados Unidos en su composición epistemológico. Eleva reflexiones que parten de las representaciones sociales que vienen de la Sociología y la Psicología Social trataremos de hacer realidad las influencias y / oequivalencia en relación con la aparición de enfoque social de la CI. También brevemente la opinión del Latour de la idea de la purificación y la ciencia moderna con el fin de entender cómo CI cae dentro de ese marco teórico. Como resultado, se dio cuenta y se discutió en retrasar la aparición o la adopción de carácter social en el campo teórico y metodológico de la IC, no una ciencia moderna, abierta a las solucio-nes interdisciplinarias (fuertemente ligados a la Sociología) por parte de su problemas de investigación y un miembro de una red de relaciones socio-técnicos horizontales.

|Resumen
= 45 veces | PDF
= 28 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Hamilton Rodrigues Tabosa, Universidade Federal do Ceará

Doctorado en Ciencias de la Información. Universidad Federal de Paraiba. Máster en Evaluación de Políticas Públicas y Licenciado en Biblioteconomía. Universidad Federal de Ceará. Profesor adjunto del Departamento de Ciencias de la Información. Universidad Federal de Ceará - Brasil.

Derek Warwick da Silva Tavares, Universidade Federal da Paraíba

Estudiante de doctorado en Ciencias de la Información en la Universidad Federal de Paraiba. Máster en Ciencias de la Información. Licenciada en Archivología y Licenciada en Historia. Universidad Federal de Paraíba - Brasil.

Jefferson Veras Nunes, Universidade Federal do Ceará

Doctorado en Ciencias de la Información. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Máster en Sociología y Licenciada en Biblioteconomía por la Universidad Federal de Ceará. Profesor de la Universidad Federal de Ceará - Brasil.

Citas

Almeida Júnior, O. F. (2009). Mediação da in-formação e múltiplas linguagens. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 2, p. 89-103.

Almeida, M. A. (2008). Mediações da cultura e da informação: perspectivas sociais, políticas e epistemológicas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 1, p. 01-24.

Araújo, C. A. A. (2009). Correntes teóricas da ciência da informação. Ciência da Informação, v. 38, n. 3, p. 192-204, set./dez.

Araújo, C. A. A. (2010). O conceito de informação na Ciência da Informação. Informação & Socie-dade: Estudos, João Pessoa, v. 20, n. 3, p. 95-105.

Araújo, C. A. A. (2012). Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 22, n. 1, p. 145-159.

Araújo, C. A. A. (2013). O sujeito informacional no cruzamento da Ciência da Informação com as Ciências Humanas e Sociais. In: Encontro Nacio-nal de Pesquisa em Ciência da Informação, 2013, Santa Catarina. Anais... Santa Catarina: Asso-ciação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação.

Araújo, C. A. A. (2014). O que é Ciência da Infor-mação? Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 1, p 01-30.

Barreto, A. A. (2002). A condição da informação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 67-74.

Blair, D. C. (1990). Language and representation in information retrieval. Amsterdam: Elsevier.

Borko, H. (1968). Information Science: what is it? American Documentation, v. 19, n. 1, jan.

Bush, V. (1945). As we may think. The Atlantic Monthly, v. 176, n. 1, p. 101-108.

Capurro, R. (2003). Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizon-te: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Gra-duação em Ciência da Informação.

Carvalho Silva, J. L. & Farias, M. G. G. (2013). Reflexões teóricas sobre a construção paradig-mática da Ciência da Informação: considerações acerca do(s) paradigma(s) cognitivo(s) e social, Biblios, n. 51, p. 42-56.

Cronin, B. (2008). The sociological turn in infor-mation science. Journal of Information Science, v. 34, 2008. Disponível em: <http://jis.sagepub.com/content/34/4/465>. Acesso em: 06 ago. 2014.

Delari Jr., A. (2000). Consciência e linguagem em Vy-gotsky: aproximações ao debate sobre a subjeti-vidade. 2000. 224 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Campinas, Campi-nas.

Doise, W. (2002). Da Psicologia Social à Psicolo-gia Societal. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 18, n. 1, p. 27-35, jan.-abr.

Durkheim, E. (2000). As formas elementares de vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes.

Escosteguy, A. C. (2010). Estudos Culturais: uma introdução. In: Silva, Tomaz Tadeu da (Org.). O que é, afinal, Estudos Culturais? Autêntica: Belo Horizonte.

Frohmann, B. (2008). O caráter social, material e público da informação. In: Fujita, M. S. L.; Mar-teleto, R. M.; Lara, M. L. G. A dimensão epistemoló-gica da Ciência da Informação... São Paulo: Cultura Acadêmica; Fundepe, p. 19-34.

Gimeno Sacristán, J. & Pérez Gómez, A. I. (1998). Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas.

González de Goméz, M. N. (2012). As ciências sociais e as questões da informação. Morpheus, v. 9, n. 14, p. 18-37.

González de Goméz, M. N. (2009). A reinvenção contemporânea da informação: entre o material e o imaterial. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 2, n. 1, p. 01-24, 2009.

Hall, S. (1980). Cultural Studies: two paradigms. Media, culture and society, v. 2, n. 1, p. 57-72.

Hoggart, R. (1957). The uses of literacy: aspects of working-class life with special reference to pu-blications and entertainments. London: Chatto and Windus.

Jacob, E. K. & Shaw, D. (1998). Sociocognitive perspectives on representation. Annual Review of Information Science and Technology (ARIST), v. 33, p. 131-185.

Johnson, R. (2010). O que é, afinal, Estudos Cultu-rais? Autêntica: Belo Horizonte.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Molon, S. I. (1995). A questão da subjetividade e da constituição do sujeito nas reflexões de Vygotsky.Dissertação (Mestrado)-Pontifícia Universida-de Católica de São Paulo, 1995. Disponível em: <http://migre.me/kt8n0>. Acesso em: 15 jul. 2014.

Moscovici, S. (1976). La psychanalyse, son image et son public. Paris: PUF.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psica-nálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Moscovici, S. (1981). On social representations. In: Forgas, J. P. (Org.). Social cognition: perspective on everyday undertanding. London: Academic Press.

Nóbrega, S. M. (2001). Sobre a teoria das repre-sentações sociais. In: Moreira, A. S. P. (Org.). Re-presentações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Editora Universitária-UFPB. p. 55-87.

Oliveira, M. S. B. S. (2012). O conceito de repre-sentações coletivas: uma trajetória... Debates do NER, ano 13, n. 22, p. 67-94, jul./dez. Disponí-vel em: <http://seer.ufrgs.br/debatesdoner/arti-cle/viewFile/30352/23579>. Acesso em: 25 maio 2014.

Oliveira, F. & Werba, G. (2001). Representações sociais. In: Stray, N. et al. Psicologia social contem-porânea: livro-texto. Petrópolis: Vozes. p. 104-117.

Ortega, C. D. (2007). A documentação como origem e base fértil para a fundamentação da Ciência da Informação. In: ENCONTRO NA-CIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA IN-FORMAÇÃO, 8., Salvador, BA. Anais... Salva-dor: [s.n.].

Pinheiro Filho, F. (2004). A noção de represen-tação em Durkheim. Luanova, n. 61. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ln/n61/a08n61.pdf>. Acesso em: 23 maio 2014.

Pinheiro, L. V. R. & Loureiro, J. M. M. (1995). Traçados e limites da Ciência da Informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n.1, p. 42-53.

Savolainen, R. (2007). Information behavior and information practice: reviewing the “umbrella concepts” of information-seeking studies. Li-brary Quarterly, v. 77, n. 2, p. 109-132.

Shannon, C. & Weaver, W. (1949). The mathema-tical theory of communication. [S.l.]: Urbana.

Tabosa, H. R. & Freire, G. H. A. (2013). Contri-buições de Wilson e Wersig para a intelecção metodológica na Ciência da Informação. Da-taGramaZero: Revista de Informação, v. 14, n. 5, out. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out13/Art_03.htm>. Acesso em: 12 jul. 2014.

Thompson, E. P. (1963). The making of the English working class. London: Penguin Books.

Turner, G. (1990).British Cultural Studies: an intro-duction. Boston: Unwin Hyman.

Xavier, R. (2002). Representação social e ideolo-gia: conceitos intercambiáveis? Psicologia & Socie-dade, v. 14, n. 2, p. 18-47, jul./dez.

Wersig, G. (1993). Information science: the study of postmodern knowledge usage. Informa-tion Processing & Management, v. 29, n. 2, p. 229-239.

Williams, R. (1958). Culture and Society, 1780–1950. New York: Anchor Books.

Publicado
2016-09-01
Cómo citar
Rodrigues Tabosa H., da Silva Tavares D. W., & Veras Nunes J. (2016). Historia y epistemología de la ciencia de la información: enfoque social . Revista Interamericana De Bibliotecología, 39(3), 289-300. https://doi.org/10.17533/udea.rib.v39n3a06
Sección
Investigaciones