A opacidade do sofrimento humano decorrente de desastres sob a perspectiva do jornalismo humanitário

  • Cilene Victor

Resumen

O Jornalismo Humanitário começa a erguer os seus primeiros alicerces no contexto da maior crise humanitária desde o final da Segunda Guerra Mundial. São milhões de vítimas da fome, dos conflitos armados, das guerras civis, da violência generalizada, dos desastres e das mudanças climáticas. Embora o sofrimento humano seja o retrato de milhões de pessoas em várias partes do mundo, agências humanitárias denunciam que esse sofrimento tem sido em silêncio, resultado da omissão e da indiferença dos meios de comunicação. Este ensaio, parcialmente escrito na primeira pessoa do singular, adota os preceitos e caminhos da compreensão para contar como vamos construir um jornalismo capaz de reduzir o sofrimento humano e, sobretudo, impedir que ele se dê em silêncio e na opacidade, marcada pelo “véu do esquecimento” e pela “rotina da normalidade”.

|Resumen
= 53 veces | PDF
= 34 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Cilene Victor

Doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP)
Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) e da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (Fapcom)

Citas

ACNUR – United Nations High Commissioner for Refugees. 2017. Global trends – Forced Displacement in 2016. UNHCR.

ARENDT, Hannah. 2008. A condição humana. 10a. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BAUMAN, Zygmunt. 2017. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BECK, Ulrich. 1999. World risk society. Cambridge: Polity Press.

GIDDENS, Anthony. 2010. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar.

IDMC – Internal Displacement Monitoring Centre. 2018. Global report on internal displacement 2018. Genebra: IDMC. Disponible en: <http://www.internal-displacement.org/global-report/grid2018/>. [consultado el 20 dec. 2018].

KEMPF, Willhelm. 2016. Dangers of Peace journalism. Conflict & Communication Online. Vol. 15, n. 2. Disponible en: <http://www.cco.regener-online.de/2016_2/pdf/kempf2016_engl.pdf>. [consultado el 20 dec. 2018].

KI-MOON, Ban. 2016. Agenda for humanity. United Nations. Disponible en: <https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/2282agendaforhumanity.pdf>. [consultado el 20 dec. 2018].

MARTÍNEZ ALIER, Joan. 2007. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto.

SCOTT, Martin; BUNCE, Mel; WRIGHT, Kate. 2018. The state of Humanitarian Journalism. Norwich, England: University of East Anglia. Disponible en: <http://humanitarian-journalism.net/wp-content/uploads/2018/10/7_Humanitarian-News-Report.pdf>. [consultado el 20 dec. 2018].

SCOTT, Martin. 2017. What makes news humanitarian? The dilemmas of reporting on suffering. In: Public Media Alliance. Maio de 2017. Disponible en: https://www.publicmediaalliance.org/what-makes-news-humanitarian/>. [consultado el 23 dec.2018]

SHINAR, Dov. 2009. Jornalismo de guerra e de paz no Oriente Médio. Líbero. São Paulo. V. 12, n. 24, p. 9-20.

UNISDR. 2015. Sendai framework for disaster risk reduction 2015-2030. Disponible en: <http://www.unisdr.org/we/inform/publications/43291>. [consultado el 20 dec. 2018].

UNISDR. 2010. Disaster through a different lens: behind every effect, there is a cause. Disponible en: <https://www.unisdr.org/files/20108_mediabook.pdf>. [consultado el 20 dec. 2018].

VEYRET, Yvette. 2007. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto.

VICTOR, Cilene. 2014. Diálogo nos cenários de riscos de desastres. En: KÜNSCH; AZEVEDO; BRITO; MANSI (Orgs.). 2014. Comunicação, diálogo e compreensão. Plêiade, p. 179-191.

YOUNG-BRUEHL, Elisabeth. 1997. Hannah Arendt: por amor ao mundo. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Publicado
2019-05-11
Cómo citar
Victor, C. (2019). A opacidade do sofrimento humano decorrente de desastres sob a perspectiva do jornalismo humanitário. Folios, Revista De La Facultad De Comunicaciones, (40), 97-109. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/folios/article/view/338479
Número
Sección
Artículos