Agir jornalístico em cenários de crise humanitária: narrativas compreensivas orientadas para a pa

  • Tayane Abib

Resumen

Para além do modelo noticioso hegemônico, dedico-me a pensar caminhos narrativos para a cobertura jornalística em cenários de crise humanitária. Proponho, assim, aproximar os campos de estudo da compreensão e da comunicação para a construção de uma cultura de paz, de modo a sublinhar possibilidades de uma prática de reportagem dialógica e sensível aos contextos de homens e mulheres implicados em tais realidades. Buscando elucidar a reflexão, atento-me às narrativas do jornalista português Paulo Moura e do espanhol Bru Rovira para identificar, em seus registros sobre o continente africano, essa dinâmica de atuação.
|Resumen
= 34 veces | PDF
= 36 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Tayane Abib
Mestre e doutoranda em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp)

Citas

BIONDI, Angie Gomes. 2013. Corpo sofredor: figuração e experiência no fotojornalismo. 220f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais.

BUBER, Martin. 1982. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva.

BUBER, Martin. 1949. Qué es el hombre?. México: Fondo de Cultura Económica.

CABRAL, Raquel; SALHANI, Jorge. 2017. Jornalismo para a paz: conceitos e reflexões. E-Compós, 20(3). Disponible en: <https://doi.org/10.30962/ec.v20i3.1371> [consultado el 18 dec. 2018].

CERTEAU, Michel. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

GALTUNG, Johan. 1998. Tras la violencia, 3R: reconstrucción, reconciliación, resolución. Afrontando los efectos visiones e invisibles de la guerra y la violencia. Bilbao: editorial Bakeas.

GALTUNG, Johan. 1969. Violence, peace, and peace research. Journal of Peace Research, v. 6, n. 3, p. 167-191.

KLAUTAU, Carolina Moura. 2018. Jornalismo, incerteza e complementaridade de opostos: um diálogo compreensivo. 268 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Faculdade Cásper Líbero.

KRAMER, Mark. 2005. Prefácio. In: MOURA, Paulo. Passaporte para o céu. Portugal: Dom Quixote.

KRISTEVA, Julia. 1994. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco.

KÜNSCH, Dimas. 2000. Maus pensamentos: os mistérios do mundo e a reportagem jornalística. São Paulo: Annablume; FAPESP.

KÜNSCH, Dimas. 2005. Comprehendo ergo sum: epistemologia complexo-compreensiva e reportagem jornalística. Communicare, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 43-54.

KÜNSCH, Dimas. 2010. Comunicação e pensamento compreensivo: um breve balanço. In: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Orgs.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

LÉVINAS, Emmanuel. 1997. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes.

LYNCH, Jake; McGOLDRICK, Annabel. 2000. Peace Journalism – What is it? How to do it?. Disponible en: <http://bit.ly/2kCWtdY>. [consultado el 20 jun. 2018].

LYNCH, Jake; McGOLDRICK, Annabel. 2007. Peace Journalism. In: WEBEL, Charles; GALTUNG, Johan. (Orgs.). Handbook of Peace and Conflict Studies. Nova York: Routledge, p. 248-264.

MAFFESOLI, Michel. 2010. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina.

MARCONDES FILHO, Ciro. 2002. O espelho e a máscara: o enigma da comunicação no caminho do meio. Ijuí-RS: Editora Unijuí.

MARTINO, Luís Mauro Sá. 2010. O desafio epistemológico de compreender o outro. In: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Org.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

MARTINS, Carla. 2012. Paulo Moura à JJ: O jornalismo livre é uma espécie de orquídea que nasceu no asfalto. Jornalismo & Jornalistas, Lisboa, n. 52, p. 26-32. Disponible en: <http://www.clubedejornalistas.pt/uploads/JJ52.pdf> [consultado el 17 dec. 2018].

MEDINA, Cremilda. 2006. O signo da relação: comunicação e pedagogia dos afetos. São Paulo: Paulus.

MOREIRA, João. 2017. Paulo Moura: um olhar humano sobre o mundo. Revista Bica, Viseu, PT, n. 1, p. 116-124. Disponible en: <https://issuu.com/revistabica/docs/bica_1> [consultado el 17 dec. 2018].

MORIN, Edgar. 2002. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed.. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco.

MORIN, Edgar; WULF, Christoph. 2003. Planeta: a aventura desconhecida. São Paulo: Editora da Unesp.

MOURA, Paulo. 2005. Passaporte para o céu. Portugal: Dom Quixote, 2005.

RESTREPO, Luis Carlos. 1998. O direito à ternura. Petrópolis, RJ: Vozes.

ROVIRA, Bru. 2006. Áfricas: cosas que pasan no tan lejos. 2. ed. Barcelona: RBA Libros.

SALINAS, Alex. 2014. Periodismo y comunicación para la paz. Indicadores y marco regulatório. Revista Comunicación y Ciudadanía Digital – COMMONS, v. 3, n. 1, p. 57-92.

SODRÉ, Muniz. 2009. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes.

SONTAG, Susan. 2003. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras.

TUCHMAN, Gaye. 1972. A objectividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objectividade dos jornalistas. American Journal of Sociology, Chicago, v. 77, n. 2.

VARGAS, Raúl Hernando Osorio. 2017. El reportaje como metodología del periodismo: una polifonía de saberes. Medellín: Editorial Universidad de Antioquia.

VENTURA, Mauro; ABIB, Tayane. 2015. A notícia como desacontecimento: possibilidades de inovação a partir das narrativas de Eliane Brum. Revista Comunicação Midiática (Online), Bauru/SP, V. 10, N. 3, p.135-150.

VICTOR, Cilene. 2016. Crise humanitária e refugiados da guerra e do clima: dos protocolos internacionais às narrativas jornalísticas. Líbero. São Paulo, v. 19, n. 37-A, p. 45-54. Disponible en: <https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2017/04/CasperLibero_ed37-A_CileneVictor.pdf> [consultado el 05 jul. 2018].

UNHCR. United Nations High Comissioner for Refugees. 2018. Global Trends – Forced Displacement in 2017. UNHCR. Disponible en: < http://www.unhcr.org/en-us/statistics/unhcrstats/5b27be547/unhcr-global-trends-2017.html> [consultado el 12 nov. 2018].

Publicado
2019-05-11
Número
Sección
Artículos