Image versus text: is it possible to make words worth as much or more than images?

Authors

  • Monica Martínez

Keywords:

Image, Journalistic narratives, Literary journalism

Abstract

The aim of this article is to reflect on whether journalistic disciplines
such as literary journalism could bridge the gap between the dense
content of images and the superficiality of contemporary journalistic
narratives. From the point of view of method, it is a theoretical work
that relies on central notions as literary journalism, exogenous and
endogenous images, iconofagia, mediosphera, creative mythology and
archetypes. The production method used by Brazilian documentary
filmmaker Eduardo Coutinho, the Brazilian reportage “São Gabriel
e seus Demônios” by Public Agency, winner of the Gabriel García
Marques Award in 2016, and the over one million one million people
audience report and then book launched by Chico Felitti, illustrate
successful practices. One of the conclusions is that more comprehensive,
systemic and ecological epistemologies are needed not only to realize
journalistic processes and products, but also to analyze them in all their
complexity.

|Abstract
= 52 veces | PDF (ESPAÑOL (ESPAÑA))
= 0 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Monica Martínez

Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso), onde conduz pesquisas na Linha Análise de Processos e Produtos Midiáticos e é
líder do Grupo de Pesquisa Jornalismo Literário e Narrativas de Transformação Pessoal e Social
(JORLIT). É professora visitante da École des Hautes Études en Sciences de l´Information et de la
Communication (Celsa) da Sorbonne Université (França). Ex-presidente da SBPJor, a Associação
Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (2017-2019), entidade onde é chair do International
Relations Commitee. É chair do Global Engagement Committee da IALJS (International Association for Literary Journalism Studies). Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, tem
pós-doutorado pela UMESP e estágio de pesquisa pós-doutoral junto à Universidade do Texas em
Austin (EUA). Tem mestrado em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, especialização em
Psicologia Junguiana pelo Ijep e graduação em Comunicação (Jornalismo) pela UMESP. Pesquisa
narrativas jornalísticas, em particular as biográficas, e Jornalismo Literário, Cobertura de mulheres jornalistas em conflitos e guerra, Estudos de Gênero e Psicologia Junguiana. Atua como
psicanalista junguiana no país e exterior

References

Baitello Júnior, N. A era da iconofagia: reflexões sobre imagem, comunicação, mídia e

cultura. São Paulo: Paulus, 2014.

Bak, J. S. “The paper cannot live by poems alone”: World War trench journals as (Proto-)

Literary Journalism. In: GRIFFITHS, A.; PRIETO, S.; ZEHLE, S. (Eds.). Literary

journalism and World War I Marginal Voices. Nancy: PUN/Éditions Universitaires

de Lorraine, 2016. p. 21–48.

Bak, J. S. Tennessee Williams, Painter: Self-Portraits of the Playwright as a Young,

Middle-aged and Aging Man. Disponible en: <https://blog.oup.com>.

Barthes, R. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: Greimas, A. J.; Bremond, C.;

Barthes, R. (Eds.). Análise estrutural da narrativa: pesquisas semiológicas. 4. ed.

Petrópolis, RJ: Vozes, 1976. p. 19–60.

Belting, H. Antropologia de las imagens. Madri: Katz, 2007.

Campbell, J. O herói de mil faces. 10. ed. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.

Campbell, J. The Hero with a Thousand Faces. 3. ed. Novato, California: New World

Library, 2008.

Campbell, J. As máscaras de Deus: mitologia criativa. São Paulo: Palas Athena, 2010.

Castro, G. DE. Jornalismo literário: uma introdução. Brasília: Casa das Musas, 2010.

Contrera, M. S. Jornalismo e mídia: paranoia e crise das competências simbólicas.

In: Guimaraes, L.; Pelegrini, M.; Silva, M. R. (Eds.). O espírito do nosso tempo:

Annablume/Cisc, ensaios de semiótica da cultura e da mídia. São Paulo: São Paulo:

Annablume/Cisc, 2004.

Contrera, M. S. Mediosfera: meios, imaginário e desencantamento do mundo. São Paulo:

Annablume, 2010.

Contrera, M. S. Imagens endógenas e imaginação simbólica. Famecos, v. 1, n. 23, p.

–21363, 2015.

Costa, L. A. DA. Gêneros jornalísticos. In: Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo

do Campo: Umesp, 2015. p. 43–83.

Cunha, E. DA. Os sertões: campanha de Canudos. 27. ed. Brasília: Editora Universidade

de Brasília, 1963.

Durand, G. As estruturas antropológicas do imaginário. 4. ed. São Paulo: Martins

Fontes, 2012.

Felitti, C. “Fofão da Augusta? Quem me chama assim não me conhece”. Buzzfeed, out.

Felitti, C. Ricardo e Vânia. São Paulo: Todavia, 2019.

FIDELIS, K. D. Jornalismo long form: uma análise sobre a narrativa do site BBC Brasil

sobre os BRICS. [s.l.] Universidade de Sorocaba, 2017.

Flusser, V. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Hucitec, 1985.

Hartsock, J. C. A history of American Literary Journalism: the emergence of a modern

narrative form. Amherst: University of Massachusetts Press, 2000.

Hartsock, J. C. Literary journalism and the aesthetics of experience. Amherst, Boston:

University of Massachusetts Press, 2016.

Jung, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012a.

Jung, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC 9/1). 8. ed. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2012b.

Keeble, R.; Wheeler, S. The journalistic imagination: literary journalists from Defoe to

Capote and Carter. London/New York: Routledge, 2007.

Kramer, M. Breakable Rules for Literary Journalists. In: Sims, N.; Kramer, M. (Eds.).

Literary journalism: a new collection of the best American nonfiction. New York:

Ballantine Books, 1995. p. 21–34.

Lima, E. P. A importância da descrição. Disponível em: <http://www.edvaldopereiralima.

com.br/index.php/jornalismo-literario/pos-graduacao/memoria-portal-abjl/147-aimportancia-da-descricao>. Acesso em: 2 fev. 2017.

Lima, E. P. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da

literatura. 4. ed. São Paul: Manole, 2009.

Lima, E. P. Jornalismo literário. Disponível em: <http://www.edvaldopereiralima.com.

br/index.php/jornalismo-literario/conceitos>. Acesso em: 4 jul. 2016.

Lins, C. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de

Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

Longhi, R. R.; Winques, K. The place of longform in online journalism: quality versus

quantity and a few considerations regarding consumption. Brazilian Journalism

Research, v. 11, n. 1, p. 104–121, 2015.

Maffesoli, M. O imaginário é uma re a li da de. Famecos, v. 15, n. 2, p. 74–82, 2001.

Maffesoli, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa.

Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

Marchetto, A. B.; Neves, I. O. Dando nomes: a importância da Humanização no

trabalho de Chico Felitti. 17o

Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo.

Anais...Goiânia: SBPJor, 2019Disponível em: <http://sbpjor.org.br/congresso/index.

php/sbpjor/sbpjor2019/schedConf/presentations>

Martinez, M. Jornada do Herói: estrutura narrativa mítica na construção de histórias

em jornalismo. 1. ed. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008.

Martinez, M. O jornalismo literário e a mídia sonora: estudo sobre o programa Conte Sua

História de São Paulo, da Rádio CBN. Líbero, v. 15, n. 29, p. 111–124, 2012.

Martinez, M. Imagens que (nos) devoram: reflexões sobre tigres, jornalismo cidadão e

coberturas jornalísticas. 24o. Encontro Nacional da Associação dos Programas de

Pós-Graduação em Comunicação. Anais...Brasília: Compós, 2014

Martinez, M. Jornalismo literário: tradição e inovação. Florianópolis: Insular, 2016.

Martinez, M.; LAGO, C.; LAGO, M. C. S. Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo

no Brasil: uma tênue relação. Famecos, 2016.

Martinez, M.; Silva, P. C. DA. Fenomenologia: o uso do método em Comunicação.

E-Compós, v. 17, n. 2, p. 1–15, 2014.

Melo, J. M. DE; Assis, F. DE. Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo:

Umesp, 2010.

Menezes, J. E. DE O.; Martinez, M. Jornalismo e tempo profundo: o trabalho de Nelson

Araújo (Globo Rural). In: Silva, G. et al. (Eds.). Jornalismo contemporâneo:

figurações, impasses e perspectivas. Brasília: Compós, 2011. p. 181–202.

Mick, J.; Lima, S. (EDS.). Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas,

políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular, 2013.

Morin, E. O método IV. As ideias: a sua natureza, vida, habitat e organização. Lisboa:

Publicações Europa, 1992.

Paulino, R. A. F.; Nonato, C.; Grohmann, R. As mudanças no mundo do trabalho do

jornalista. São Paulo: Salta/Atlas, 2013.

Propp, V. As raízes históricas do conto maravilhoso. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes,

Ritter, E. Jornalismo gonzo e parresía: mentiras sinceras e outras verdades. [s.l.]

PUCRS, 2015.

Silva, M. C. C. Comunicação e cultura antropofágicas: mídia, corpo e paisagem na

erótico-poética oswaldiana. 1. ed. Porto Alegre/Sorocaba: Sulina/Eduniso, 2007.

Silveira, N. DA. Imagens do inconsciente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

Sodré, M. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2009.

Talese, G.; Lounsberry, B. Writing creative nonfiction: the literature of reality. New

York: Harpercollins College, 1995.

Trindade, A. D. Angola – território e identidade: crônicas de Luís Fernando. Famecos, v.

, n. 3, p. 24636, 2016.

Viana, N. São Gabriel e seus demônios. Disponível em: <http://apublica.org/2015/05/

sao-gabriel-e-seus-demonios/>. Acesso em: 21 out. 2016.

Wolfe, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Wolfe, T.; Johnson, E. W. The new journalism. New York: Harper & Row, 1973.

Published

2022-11-30

How to Cite

Martínez, M. (2022). Image versus text: is it possible to make words worth as much or more than images?. Folios, Revista De La Facultad De Comunicaciones Y Filología, (41-42), 120–135. Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/folios/article/view/351942

Similar Articles

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 > >> 

You may also start an advanced similarity search for this article.