Breve historia de la educación especial en Brasil

  • Enicéia Gonçalves Mendes
Palabras clave: Educación especial brasileña, estados inferiores de la inteligencia, asistencia para la discapacidad, institucionalización de la filantropía, asistencia a los temas de discapacidad, educación inclusiva

Resumen

El objetivo de este trabajo es presentar una recopilación de los principales hechos históricos de la educación especial en Brasil en relación con la historia política del país. Los acontecimientos históricos fueron extraídos de unos pocos estudios históricos sobre la educación especial brasileña existentes. El texto pone de relieve los principales acontecimientos en los períodos: Pre-Republicano, la Primera República, del Estado Novo, Segunda República, la Dictadura militar, la Apertura Política, el Estado de las reformas neoliberales de los años noventa. Finalmente, algunas inferencias a partir de este cuadro histórico se extraen sobre las perspectivas para el futuro de la educación de los niños y jóvenes con necesidades especiales en Brasil.

Cómo citar este artículo:

Gonçalves Mendes, Enicéia, “Breve histórico da educação especial no Brasil”, Revista Educación y Pedagogía, Medellín, Universidad de Antioquia, Facultad de Educación, vol. 22, núm. 57, mayo-agosto, 2010, pp. 93-109.

Recibido: mayo 2009

Aceptado: julio 2009

|Resumen
= 26583 veces | PDF
= 128502 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Enicéia Gonçalves Mendes
Universidade Federal de São Carlos,São Carlos, SP, Brasil.

Citas

Antipoff, D. I., 1975, Helena Antipoff: Sua Vida Sua Obra, Rio de Janeiro, José Olympo.

Aranha, M. L. A., 1989, História da Educação, São Paulo, Editora Moderna.

Aranha, M. S. F., 2005, Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola: necessidades educacionais especiais dos alunos, Brasília, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

Brasil, 1988, Constituição Federal, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira disponível em: http://www.inep.gov.br/pesquisa/prolei/mais.htm, acesso em 22 de dezembro de 2007.

Brasil, Congresso Nacional, 1961, Lei 4.024 de 20 de dezembro, de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Universidade Estadual Paulista, disponível em: http://wwwp.fc.unesp.br/~lizanata/LDB%204024-61.pdf, acesso em 22 de dezembro de 2007.

_, 1971, Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971, fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências, Diário Oficial da União, disponível em: http://www.prolei.inep.gov.br/prolei/, acesso em junho de 2005.

_, Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996, disponível em: Ministério da Educação, disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf, acesso em 22 de dezembro de 2007.

Brasil, Ministério da Ação Social, Coordena doria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 1992, Política Nacional de Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, Brasília, MAS, Corde.

Brasil, Ministério da Educação e Cultura, 1974, Diretrizes Básicas para a Ação do Centro Nacional de Educação Especial, Brasília, S. G. / Cenesp.

_, 1975, Educação Especial: Dados Estatísticos-1974, Brasília, SEEC, MEC.

_, 1984, Educação Especial no Brasil: Síntese Estatística, Brasília, SEEC, Cenesp.

_, 1985, Sinopse Estatística da Educação Especial/1981, Brasília, SEEC, Cenesp.

_, 1986, Plano Nacional de Ação Conjunta para a Integração da Pessoa Deficiente, Rio de Janeiro, MEC, Cenesp.

_, 1990, Sinopse Estatística da Educação Especial/1987, Brasília, SEEC, MEC.

Brasil, Ministério da Educação e Desporto, 1993, Plano Decenal de Educação para Todos, Brasília, MEC.

Boarini, M. L., org., 2003, Higiene e raça como projetos: higienismo e eugenismo no Brasil, Maringá, EDUEM.

Bueno, J. G. S., 1993, Educação Especial Brasileira Integração / Segregação do Aluno Diferente, São Paulo, EDUC, PUSP.

_, 1994, “A Educação do Deficiente Auditivo no Brasil- Situação Atual e Perspectivas”, Em Aberto, num. 60, pp. 25-36.

_, 2002, A educação especial nas universidades brasileiras, Brasília, MEC, Secretaria de Educação Especial.

Campana, A. P., 1973, “Status Sócio-econômico e Deficiência Intelectual em Escolares”, tese de Doutorado, Botucatu, Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas.

Campos, R. H. F, 2003, “Helena Antipoff: razão e sensibilidade na psicologia e na educação”, Estudos Avançados, São Paulo, vol. 17, num. 49, PP. 209-323. Cunha, B. B. B., 1988, “Classes de Educação Especial para Deficientes Mentais: Intenção e Realidade”, dissertação de Mestrado, São Paulo, Universidade de São Paulo.

Ferreira, J. R., 1989, “A construção Escolar da Deficiência Mental”, tese de Doutorado, Campinas, Universidade Estadual de Campinas.

_, 1992, “Notas sobre a Evolução dos Serviços de Educação Especial no Brasil”, Revista Brasileira de Educação Especial, num. 1, pp. 101-107.

_, 1993, A Exclusão da Diferença, Piracicaba, UNIMEP.

_, 2002, “Políticas educacionais e Educação Especial”, Educação on-line, disponível em: http://www.educacaoonline.pro.br/index.php?option=com_content&view=article&id=36:politicas-educacionais-e-educacao-especial&catid=5:educacaoespecial&Itemid=16, Acesso em 22 de dezembro de 2007.

Fletcher, P. R. e S. C. Ribeiro, 1987, “O ensino de Primeiro Grau no Brasil de Hoje”, Em Aberto, num. 6, pp. 1-10.

Folha de São Paulo, 2001, “A mancha do analfabetismo”, Folha de São Paulo, Folha Trainee, caderno especial 8 (27 de março de 2001), São Paulo.

Gaspari, Elio, 2002, A Ditadura escancarada, São Paulo, Cia. da Letras.

Jaguaribe, H. et alii, 1986, Brasil 2.000- para um novo pacto social, Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Jannuzzi, G. M. A, 1992, A luta pela Educação do Deficiente Mental no Brasil, 2.a ed., Campinas, Autores Associados.

_, 2004, Educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI, Campinas, Autores Associados.

Kassar, M. C. M., 1998, “Liberalismo, neoliberalismo e educação especial: algumas implicações”, Cadernos CEDES, vol. 19, núm. 46.

Magalhães, B., 1913, Tratamento e educação das crianças anormais de inteligência: contribuição para o estudo desse complexo problema científico e social, cuja solução urgentemente reclamam - a bem da infância de agora e das gerações porvindouras - os mais elevados interesses materiais, intelectuais e morais da pátria brasileira, Rio de Janeiro, Tipologia do Jornal do Comércio.

Mattos, N. D., 2004, “Cidadania, deficiência e política educacional no estado de Sergipe: 1979-2001”, tese de Doutorado, São Carlos, Universidade Federal de São Carlos.

Mazzotta, M. J. S., 1990, “História da Educação Especial no Brasil”, em: Temas em Educação Especial, São Carlos, Universidade Federal de São Carlos, vol. 1, pp. 106-107,

_, 2005, Educação Especial no Brasil: História e Políticas Públicas, 5.a ed., São Paulo, Cortez Editora.

Mendes, E. G., 2006, “A radicalização do debate sobre a inclusão escolar no Brasil”, Revista Brasileira de Educação, Campinas, vol. 11, pp. 387-405.

Mesquita, N., 2002, “Educação Especial no Brasil dos anos 1990: um esboço de política pública no contexto da reforma do Estado”, Anped, disponível em: http://189.1.169.50/reunioes/27/gt15/p151.pdf, acesso em 20 de dezembro de 2007.

Michels, M. H., 2002, “Caminhos da exclusão: a política para a educação e a educação especial nos anos de 1990”, Ponto de Vista - Revista de educação e processos inclusivos, Florianópolis, vol. núm. 3-4, pp. 73-86.

Nunes, L.R.D.P e J. R. Ferreira, 1994, “Deficiência Mental: O que as Pesquisas Têm Revelado”, em: Tendências e Desafios da Educação Especial, Brasília, Ministério da Educação e Desporto, Secretaria da Educação Especial.

Nunes, L. R. P.; J. R. Ferreira, R. Glat e E. G. Mendes, 1999, “A Pós-Graduação em Educação Especial no Brasil: Análise Crítica da Produção Discente”, Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, vol. 3, núm. 5, pp. 113-126.

Paschoalick, W. C., 1981, “Análise do processo de Encaminhamento de Crianças das Classes Especiais para Deficientes Mentais, Desenvolvido nas Escolas de 1o Grau da Delegacia de Ensino de Marília”, dissertação de Mestrado, São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Pereira, J. A., 1986, Presidente da APAE-Ibiporã faz balanço, Mensagem da APAE, num. 44, pp. 38-42.

Pereira, O., 1993, “Associação Brasileira para o Estudo Científico da Deficiência Mental”, trabalho apresentado durante o III Seminário de Pesquisa em Educação Especial da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, mimeo, 7 p.

Pessotti, I., 1984, Deficiência mental: da superstição à ciência, São Paulo, EDUSP.

Quaglio, C., 1913, A solução do problema pedagógico social da educação da infância anormal de inteligência no Brasil, São Paulo, Typ, Espíndola & Comp.

Ramos, A., 1939, A criança problema, São Paulo, Nacional.

Silva, S., 2002, “Exclusão do público, inclusão do privado: a terceirização dos serviços na educação especial”, Educação on-line, disponível em http://www.educacaoonline.pro.br/index.php?option=com_content&view=article&id=49:exclusao-do-publico-inclusao-do-privado-a-terceirizacao-dos-servicos-na-educacao-especial&catid=5:educacaoespecial&Itemid=16, acesso em de dezembro de 2007.

Schneider, D., 1974, “Classes Esquecidas: Os Alunos Excepcionais do Estado da Guanabara”, dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Teixeira, A. S., 1968, Educação é um Direito, São Paulo, Companhia Editora Nacional.

_, 1977, Educação não é privilégio, 4.a ed., São Paulo, Editora Nacional.

Publicado
2011-08-10