Comentários sobre contradições e respaldos de alguns pontos reconhecidos da “teoria contratual da firma”

  • Rodrigo Antonio Chaves da Silva Professor universitário das faculdades de Caratinga e Faculdades Dinâmica de Ponte Nova (Brasil)
Palabras clave: Teoria contábil, doutrina contábil, teoria contratual da firma

Resumen

As vertentes da Contabilidade doutrinária são inúmeras, e por mais excêntricas que sejam, devem ser sempre respeitadas todas, pois, não existe conhecimento absoluto, mas pronto a ser melhorado, considerando o respeito ético e a evolução das idéias, o que é algo bastante salutar. O objetivo desse artigo é garantir critérios de respaldo, crítica, e revisões epistemológicas, com base nas contradições e confusões encontradas na teoria contratual da firma, em análise de discurso, de alguns dos seus pontos principais. No Brasil tal teoria é aceita, contudo, sem análise dos seus conteúdos inteirando admissão dogmática. Para relevarmos os critérios de revisões epistêmicas, usamos além dos textos gerais, a base de um artigo principalmente que apresenta tal conteúdo teórico. O método usado é a maiêutica, e a lógica argumentativa, juntamente com a crítica doutrinaria, seguindo o caminho racional-lógico. Justifica-se esta pesquisa com base para mantermos a exaltação da lógica teórica independentemente das fontes, ou dos partidos que a geram, denotando por consequência a relevância da investigação na produção de uma ciência que opte por teorias lógicas, e não siga simplesmente modismo teórico. Inequivocadamente este trabalho é apenas um passo para os debates em torno de uma parte dessa teoria americana podendo vir a ser corroborado com outros que visem o melhoramento, e até a crítica construtiva de tal posição teórica.
|Resumen
= 32 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 32 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Althusser, L. (1967). Sobre o trabalho teórico. Lisboa: Editorial presença.

Alves, R. (1994). Filosofia da Ciência: Introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Ed. Brasiliense.

Amaduzzi, A. (2006). L`azienda nel suo sistema operante – a cura di Antonio amaduzzi. 9ª ristampe. Torino: UTET.

Antonelli, V. (2012). Ragioneria ed economia aziendale. Milano: Rirea.

Aristoteles (2001). Da geração e da Corrupção seguido de convite à filosofia. Tradução de Renata Maria Parreira Cordeiro. São Paulo: Landy Editora.

Aristoteles (1978). Tópicos; Dos argumentos sofísticos. São Paulo: Abril Cultural.

Aquino, A.; Cardoso, R. (2009). O reconhecimento contábil e as teorias contratuais da firma. Revista Pensar contábil, Rio de Janeiro, CRCRJ, 11(44), abr./jun.

Ayer, A. (1975). As questões centrais da filosofia. Rio de Janeiro: Zahar editores.

Besta, F. (1922). La Ragioneria. Milano: Dottore Francesco Vallardi.

Brasil. (2007). Código Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Breton, D. (2007). A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes.

Cerboni, G. (1884). La Ragioneria Scientifica. Roma: Ermanno Loescher, V. I.

Cerboni, G. (1886). La Ragioneria Scientifica. Roma: Ermanno Loescher, V. II.

Coelho, J. (1989). Indexação: escudo dos pobres. Revista Brasileira de Contabilidade, CRC, Brasília, Ano XIX, nº 71, out./dez.

Coronella, S. (2013). Cerboniani, Bestani e Zappiani a Confronto (I dibattiti scientifici nella revista italiana di Ragioneria (1901-1950)). Roma: Riera.

Coronella, S. (2008). Agli Albori dele ricerche di storia della ragioneria in Italia. Il contributo degli studiosi del XIX secolo. Quaderni monografici. Roma: Riera.

Costa, F. (2012). IFRS no Brasil: ensino focado na teoria. Revista Saber. ABRACICON, Brasilia, 1(1), Ago/Out.

Creswell, J. (2007). Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Comte, A. (s.d.). Discurso preliminar sobre o espírito positivo. Tradução de Renato Barbosa Rodrigues Pereira. Pesquisa realizada em http//www.culturabrasil.org pesquisa realizada em 20/11/2005.

Ceccherelli, A. (1950). Il Linguaggio dei Bilanci. Firenze: Felice Le Monnier.

Cuche, D. (1999). A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: Edusc.

D`auria, F. (1959). Primeiros Princípios de Contabilidade Pura. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

D`auria, F. (1954). Contabilidade Integral. Conferencia Interamericana de Contabilidade. São Paulo: FCE.

Dowbor, L. (1991). Aspectos Econômicos da educação. São Paulo: Ática.

Escobar, C. (1975). As ciências e a filosofia. Rio de Janeiro: Imago.

Ferreira, R.; Sá, A. (2006). Separados pelo Atlântico, Unidos pela Contabilidade. Lisboa: CTOC.

Fichte, J. (1980). A doutrina da ciência de 1794 e outros escritos. São Paulo: Abril Cultural.

Franco, H. (1995). Da importância dos princípios fundamentais de contabilidade na harmonização das normas e informações contábeis. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, CRC, 24(95), set./out.

Genovesi, A. (1977). A instituição da Lógica. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura.

Gonçalves, C. (2012). Direito das Obrigações. São Paulo: Saraiva.

Haguete, T. (1992). Metodologias qualitativas na sociologia. São Paulo, Vozes.

Hawking, S. (1999). Uma breve história do tempo. Rio de Janeiro: Ed. Rocco.

Hendriksen, E.; Van Breda, M. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

Hugon, P. (1976). História das doutrinas econômicas. São Paulo: Atlas.

Iudicìbus, S.; Martins, E.; Carvalho, N. (2005). Contabilidade: Aspectos relevantes da epopéia de sua evolução. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, (38), maio/ agosto.

Kant, E. (s.d.). Crítica da Razão Pura. Tradução de J. Rodrigues de Mereje. Rio de Janeiro: Ed. Tecnoprint.

Leite, F. (2008). Metodologia Científica. Aparecida: Editora Letras.

Lopes, A. (2002). A informação Contábil e o Mercado de Capitais. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Lopes, A.; Iudicibus, S. (2004). Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Martins, I. (2004). A queda dos mitos econômicos. São Paulo: Thomson.

Masi, V. (1962). Teoria y Metodologia de la Contabilidad. Madrid: Editorial EJES.

Masi, V. (1971). La Scienza del Patrimônio. Milano: Nicola Milano Editore.

Masi, V. (1945). Statica Patrimoniale. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani, V. I e II.

Masi, V. (1947). Dinamica Patrimoniale. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani, V I e II.

Masi, V. (1927). La ragioneria come scienza del patrimônio. Pádua: Dottore Antonio Milani.

Masi, V. (1961). Ragioneria Generale. Padova: Cedam.

Masi, V. (1955). Filosofia della Ragioneria. Bolonha: Dott. Cesare Zuffi – Editore.

Masi, V. (1969). A contabilidade está morta! Viva a Contabilidade! Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: SCSP, (429).

Monteiro, M. (2004). Pequena História da Contabilidade. Lisboa: Europress.

Monteiro, M. (1997). A evolução de uma profissão. Revista Brasileira de Contabilidade. Rio de Janeiro: CFC, 7(21), Abr/Jun.

Monteiro, M. (1979). Conta e método digráfico numa perspectiva conceptual histórica. Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: SCSP, 57(459).

Monteiro, M. (1986). A origem da Partida Dobrada. Revista Paulista de Contabilidade. São Paulo: SCSP, 65(469).

Nascimento, J. (1989). Princípio único e unificador (essencial e global). Revista Brasileira de Contabilidade, CRC, Brasília, 19(71), out./dez.

Niestzche, F. (2005). Para Além do Bem e do Mal: Prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução de Alex Marins. São Paulo: Ed. Martin Claret.

Nogueira, R. (2014). O ensino da filosofia e a lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas/BN.

Parain-Vial, J. (1969). Análisis Estructurales e ideologias estructuralistas. Buenos Aires: Amorrortu Editores.

Pirla, J. (1965). Teoria Economica de La Contabilidad. Madri: P. Lopes.

Pooper, K. (1978). Lógica das ciências sociais. Rio de Janeiro: Tempo universitário.

Quevedo, O. (1968). As forças Físicas da Mente. São Paulo: Ed. Loyola, Tomo I.

Reale, M. (2002). Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva.

Reale, M. (2007). Introdução à Filosofia. São Paulo: Saraiva.

Rohden, H. (2013). Filosofia contemporânea. São Paulo: Martin Claret.

Rohden, H. (2011). O Cristo Cósmico e os Essênios. São Paulo: Martin Claret.

Rossi, G. (1882). L`ente Econômico-amministrativo. Emilia: Stabilimento Tipo-Litografico Degli Artigianelli.

Rousseau, J. (s.d.). Do contrato social. Pesquisa realizada no site http://www.comunismo.com.br/ em 25/10/2005.

Russel, B. (1939). Os problemas da Filosofia. São Paulo: Acadêmica Saraiva.

Sá, A. (1953). Filosofia da Contabilidade. Rio de Janeiro: Ed. Aurora.

Sá, A. (1961). História da Contabilidade. Belo Horizonte: Ed. Presidente. 3 V. Enciclopédia moderna de Contabilidade.

Sá, A. (1975). Normas técnicas de Contabilidade. Rio de Janeiro: Ed. APEC.

Sá, A. (1978). Aspectos Contábeis da Nova Lei das Sociedades por Ações. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (1981). Análise de Balanços e Demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas.

Sá, A. (1987). Introdução à ciência da Contabilidade. Rio de Janeiro: Tecnoprint.

Sá, A. (1987). Terminologia Contábil. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, CFC, 17(61), abr./Jun.

Sá, A. (1992). Teoria geral do conhecimento contábil. Belo Horizonte: IPAT-UNA.

Sá, A. (1994). Autonomia e Qualidade Cientifica da Contabilidade. Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais.

Sá, A. (1997). Historia Geral e das Doutrinas da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (1998). Pré-história contábil brasileira. Bahia: Visconde de Cairu.

Sá, A. (2000). Princípios Fundamentais de Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (2002). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Sá, A. (2005). Moderna Analise de Balanços ao Alcance de todos. Curitiba: Ed. Juruá.

Sá, A. (2012). Consultoria e Análise Contábil. Curitiba: Juruá.

Sá, A. (2008). História Geral da Contabilidade no Brasil. Brasilia: CFC.

Silva, R. (2009). Evolução doutrinária da contabilidade – epistemologia do princípio patrimonial. Curitiba: Juruá.

Silva, R. (2011). O princípio da essência sobre a forma e o leasing. Revista Mineira de Contabilidade. CRCMG, Belo Horizonte, XVI(41), 1º trimestre.

Silva, R. (2012). Introdução a moderna Contabilidade Geral. Curitiba: Juruá.

Silva, R. (2013). Os fundamentos científicos da Contabilidade: análise da tese de Hilário Franco defendida no V Congresso Brasileiro de Contabilidade em 1950. Contaduría Universidad de Antioquia, 62, 163-214.

Silva, R. (2014). História da contabilidade e finanças. Curitiba: Juruá.

Silva, R. (2015). Neopatrimonialismo e Conhecimento Contábil. Curitiba: Juruá.

Silva, R. (2015a). La dottrina neopatrimoniale nel contesto della ragioneria scientifica odierna. Rivista Italiana di Ragioneria e di Economia Aziendale. CXV(10,11, e 12), novembre e dicembre.

Silva, R. (2015b). História da escola brasileira de contabilidade até o surgimento da primeira doutrina contábil positiva. V Congresso da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, Lisboa.

Silva, R. (2015c). O “ser” e o “deve ser “ em contabilidade: análise da linha orientadora da teoria positiva. Revista Contabilidad y Auditoria. UBA, 21(42), diciembre.

Silva, R. (s.d.). O tratamento do leasing e o princípio da essência sobre a forma. Disponível no site: neopatrimonialismo@blogspot.com pesquisa realizada em 28 de junho de 2010.

Teichman, J.; Evans, K. (2009). Filosofia. Tradução de Lucia Sano. São Paulo: Madras.

Triviños, A. (2008). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Ed. Atlas.

Valle, F. (1980). Considerações Referentes aos termos Ativo e Passivo. Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: SCSP, 58(460).

Vergara, S. (2000). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Ed. Atlas.

Viana, C. (1962). O estudo da Gestão na contabilidade. Porto Alegre: Impressa Universitária.

Viana, C. (1971). Teoria Geral da Contabilidade. Volume I, 5. Ed., Porto Alegre: Livraria Sulina Editora.

Watts, R.; Zimmerman, J. (1986). Positive Accounting Theory. Englewood Cliffs: Prentice Hall.

Zappa, G. (1950). Il Rédito di Impresa. 2ª edição.Milão: Dott. A. Giuffrè - Editore.

Zappa, G. (1957). Le produzioni: Nell`economia delle imprese. Milano: Dott. A. Giuffrè – Editore.

Publicado
2016-12-24
Cómo citar
Silva, R. A. C. da. (2016). Comentários sobre contradições e respaldos de alguns pontos reconhecidos da “teoria contratual da firma”. Contaduría Universidad De Antioquia, (69), 187-221. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/cont/article/view/328437
Sección
Artículos