¿Gobierno de los otros? Expansión del tiempo escolar y obligatoriedad de la enseñanza en Brasil

  • José Gonçalves Gondra Universidad Estatal de Río de Janeir
Palabras clave: Enseñanza elemental, universalidad de la enseñanza, gratuidad de la enseñanza, libertad de enseñanza, enseñanza obligatoria, educación en Brasil, exclusión.

Resumen

En este texto se trata de mirar la ampliación a nueve años del tiempo escolar obligatorio, medida acoplada a un conjunto de otros dispositivos, como el asunto de la universalidad, gratuidad y libertad de enseñanza, etc., que activa y moviliza intereses de agentes variados, con horizontes de experiencias y expectativas que, a veces, chocan con aquellos definidos en determinadas coyunturas del poder público. Este dispositivo incide sobre un nivel de enseñanza —el elemental— y su realización hace aparecer un doble problema, como dos caras de la exclusión.

 

|Resumen
= 19 veces | PDF
= 14 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

José Gonçalves Gondra, Universidad Estatal de Río de Janeir

PhD en Historia, UNICAMP. Profesor adjunto de la Universidad Estatal de Río de Janeiro.

 

Citas

Almeida, José Ricardo Pires, 1989, História da instrução pública no Brasil 1500-1889. História e legislação, Brasília, INEP.

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação —ANPEd—, s. f., disponível em: http://www.anped.org.br/inicio.htm

Barbosa, Rui, 1982, Reforma do ensino primário e várias instituições complementares da instrução pública,Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa.

Bastos, Tavares, 1937, A Província, São Paulo, Cia.Editora Nacional.

Brasil, Congresso Nacional, 2006, Lei 11.274, de 6 de fevereiro, altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade, Presidência da República Federativa do Brail, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm

Borges, Angélica, 2008, Ordem no ensino: Organização e funcionamento da inspeção docente na corte imperial (1854-1865), Rio de Janeiro, UERJ.

Center for Research Libraries, s. f., “Brazilian Governmet Document Digitization Project. Hartness Guide to Statistical Information”, Center for Research Libraries, disponível em: http://www.crl.edu/brazil

Costa, Ana Luiza Jesus da, 2007, À luz das lamparinas: as escolas noturnas para trabalhadores no Município da Corte (1860-1889), Rio de Janeiro, UERJ.

Cunha, Beatriz Rietmann Costa e, 2007, Assistência e profissionalização no Exército: elementos para uma história do Imperial Colégio Militar, Rio de Janeiro, UERJ.

Faria Filho, Luciano M. y J. G. Gondra, 2007, “In the name of civilization: compulsory education and cultural politics in Brazil in the 19th century”, in: Eugenia Roldán Vera y Marcelo Caruso, orgs., Imported Modernity in Post-Colonial State Formation: The Apropriation of Political, Educational and Cultural Models in Nineteenth-Century Latin America,Frankfurt, Peter Lang.

Freitas, Marcos y Maurilane Biccas, 2009, História social da educação no Brasil (1926-1996), São Paulo, Cortez.

Foucault, Michel, 2008a, Nascimento da biopolítica, São Paulo, Martins Fontes.

_, 2008b, Segurança, território, população, São Paulo, Martins Fontes.

Gondra, J. y A. Schueler, 2008, Educação, poder e sociedade no Império brasileiro, São Paulo, Cortez.

Horta, José S. B., 1998, “Direito a educação e obrigatoriedade escolar”, Cadernos de Pesquisa, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, núm. 104, jul., pp. 5-34.

Kugelmas, Eduardo, org., 2002, José Antonio Pimenta Bueno (Marquês de São Vicente), São Paulo, Editora 34.

Lemos, Daniel Cavalcanti de Albuquerque, 2006, O discurso da ordem – A constituição do campo docente na Corte Imperial, Rio de Janeiro, UERJ.

Lourenço Filho, M. B., 1961, Educação Comparada, São Paulo, Melhoramentos.

Moro, Catarina de Souza, 2009, Ensino fundamental de 9 anos: o que dizem os professores do 1o ano, Curitiba, Universidade Federal do Paraná.

Neves, Dimas, 2009, Razões de Estado: Reformas da instrução em Mato Grosso, Minas Gerais e na Corte Imperial (1851-1859), Rio de Janeiro, UERJ.

Oliveira, Antônio de Almeida, 2003, O ensino público, Brasília, Senado Federal.

Peixoto, Afrânio, 1933, Noções de História da Educação, São Paulo, Cia. Editora Nacional.

Pinto, Inára de Almeida Garcia, 2005, Certame de atletas vigorosos/as: uma análise dos processos de seleção de professores/as no século XIX (1855-1863), Rio de Janeiro, UERJ.

Popkewitz, Thomas, 1997, Reforma educacional —Uma política sociológica —. Poder e conhecimento em educação, Porto Alegre, Artes Médicas.

Riboulet, L., 1951, História da pedagogia, Rio de Janeiro,Francisco Alves.

Rizzini, Irma, 2004, O cidadão polido e o selvagem bruto: a educação dos meninos desvalidos na Amazônia Imperial, Rio de Janeiro, UFRJ, IFCS.

Sampaio, Thiago y José Gondra, 2008, “Ciência pela força? Dr. Abílio Cesar Borges e a propaganda contra o emprego da palmatória e outros meios aviltantes no ensino da mocidade (1856-1876)”, in: Anais do V Congresso Brasileiro de História da Educação, Aracaju, UFS. [in: Acta Scientiarum. Education. Maringa, vol. 32, núm. 1, ppl. 75-82, 2010, Portal de Periódicos da UEM, disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/9482/9482].

Silva, José Claudio Sooma, 2009, Teatros da modernidade. Representações de cidade e escola primária do Rio de Janeiro e Buenos Aires nos anos 1920, Rio de Janeiro, UERJ.

Schueler, Alessandra, 2002, Forma e culturas escolares na cidade do Rio de Janeiro: práticas, representações e experiências de profissionalização docente em escolas públicas primárias (1870-1890), Niterói, Universidade Federal Fluminense.

Sociedade Brasileira de História da Educação, disponível em: http://www.sbhe.org.br/

Souza, Rosa, 2008, História da organização do trabalho escolar e do currículo no século XX (ensino

primário e secundário no Brasil), São Paulo, Cortez.

Teixeira, Giselle Baptista, 2008, O grande mestre da escola – uma análise dos livros escolares na Corte Imperial, Rio de Janeiro, UERJ.

Uekane, Marina Natsume, 2008, Instrutores da Milícia Cidadã. Um estudo da Escola Normal da Corte, Rio de Janeiro, UERJ.

Verissimo, José, 1985, A educação nacional, 3.a ed., Porto Alegre, Mercado Aberto.

Publicado
2011-02-07
Cómo citar
Gonçalves Gondra J. (2011). ¿Gobierno de los otros? Expansión del tiempo escolar y obligatoriedad de la enseñanza en Brasil. Revista Educación Y Pedagogía, 22(58), 37-49. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/revistaeyp/article/view/7805