A fenomenologia e o “sentido” de biblioteca escolar para o ser-aluno: ensaio de proposta de investigação

Autores/as

  • Eliane Fioravante Garcez Universidade Federal de Santa catarina

Palabras clave:

Biblioteca escolar – “Sentido”. Aluno – Educação básica, Pesquisa fenomenológica, Ciência da Informação, Universidade Federal de Santa Catarina – Brasil

Resumen


O artigo é fruto de ensaio apresentado na disciplina Epistemologia da Ciência da Informação, oferecida aos doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina – PGCIN/UFSC, em 2013/1. O texto discorre sobre proposta de investigação cujo objetivo é conhecer qual o “sentido” de biblioteca escolar para os alunos da educação básica inseridos em escolas vinculadas ao governo de Santa Catarina, estado situado na região sul de Brasil. O ancoradouro epistemológico e metodológico escolhido para acolher a investigação é o fenomenológico. A partir desse fundamento são tecidas considerações de cunho conceitual, uma parte da história da fenomenologia, destacando Edmund Husserl e alguns de seus seguidores como Max Weber, Alfred Schutz, Thomas Luckmann. Também apresenta as razões de eleger a fenomenologia – doutrina e método, como a que melhor ampara a investigação proposta, além de discorrer sobre o objeto de estudo, a biblioteca escolar, e as redes humanas, intra e extraescolar, que interferem nesse ambiente de in-formação.

|Resumen
= 85 veces | PDF
= 72 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Eliane Fioravante Garcez, Universidade Federal de Santa catarina

Estudiante de doctorado en el Programa de Posgrado en Ciencias de la Información - PGCIN - Universidad Federal de Santa Catarina - UFSC - Florianópolis - Santa Catarina, Brasil -efgarcez@ig.com.br

Citas

CHAUÍ, M. (2002). Convite à filosofia (ed. 12) São Paulo: Ática.

CHAUÍ, M. (1980). “Husserl (1859-1938): vida e obra”. In: HUSSERL, Edmund. Investigações lógicas: sexta investigação (elementos de uma elucidação fenomenológica do conhecimento). São Paulo: Abril Cultural, (Os pensadores).

DARTIGUES, A. (1973). O que é fenomenologia? (ed. 2) Rio de Janeiro: Eldorado.

DREHER, J. (2010). Fenomenología: Alfred Schutz y Thomas Luckmann.. Disponível em:

googleusercontent.com/attachment/ ui=2&ik=e15e73dd25&view=att&th=13d5977bec41889c&attid=0.3&disp=safe&realattid=f_hdz5l7vj2&zw&saduie=AG9B_P-4TcDPdXZejFLecCkZ7sop&sade - t=1366906360684&sads=b61Y24WyklUJ68clsnpAZ6_-w1w>. Acesso em: 12 mar. 2013.

FLUSSER, V. (2010). A escrita: há futuro para a escrita? São Paulo: Annablume.

HUSSERL, E. (1990). A ideia da fenomenologia. Tradução de Artur Morão. Portugal: Edições 70. (Textos filosóficos, 8).

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. (1996). Dicionário básico de filosofia (ed. 3). rev. ampl. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

JOHNSON, A. G. (1997). Dicionário de sociologia: guia prático d

Descargas

Publicado

2013-12-16

Cómo citar

Fioravante Garcez, E. (2013). A fenomenologia e o “sentido” de biblioteca escolar para o ser-aluno: ensaio de proposta de investigação. Revista Interamericana De Bibliotecología, 36(3), 197–205. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/RIB/article/view/17979

Número

Sección

Investigaciones

Artículos más leídos del mismo autor/a