Episiotomy: perceptions from adolescent puerperae

  • Graziele Figueiredo RN, Specialist. Unidade de Saúde da Família Vila São Pedro, São Bernardo do Campo-SP, Brazil. email: grazifig@hotmail.com.
  • Márcia Barbieri RN, Ph.D. Professor, Universidade Federal de São Paulo –UNEFESP-, São Paulo-SP, Brazil. email: mbarbieri@unifesp.brmbarbieri@unifesp.br.
  • Maria Cristina Gabrielloni RN, Ph.D. Professor, Universidade Federal de São Paulo –UNEFESP-, São Paulo-SP, Brazil. email: crisgabrielloni@gmail.com.
  • Elizete Sampaio Araújo RN, MSc. Professor, Centro Universitário São Camilo e da Universidade Paulista, São Paulo-SP, Brazil. email: elizete.sampaio@uol.com.br.
  • Angelita José Henrique RN, Ph.D. Student. Professor, Centro Universitário São Camilo, São Paulo-SP, Brazil. email: angel.henrique@terra.com.br.
Keywords: Episiotomy, pregnancy in adolescence, humanizing delivery, obstetrical nursing.

Abstract

Objective. To identify the perception of the teenager puerperas regarding the practice of episiotomy.

Methodology. This is a study with qualitative nature developed with 11 teenage puerperas in the Obstetrics Unit of one hospital located in the metropolitan region of São Paulo, Brazil.

Results. Teens knew of the existence of episiotomy, but they unaware the reasons for its realization. Pain, discomfort and burning were negative repercussions presented, but most of them believe that assisted procedure in their delivery showing confidence in the professional who carried it out.

Conclusion. Adolescents have different perceptions on the practice of the episiotomy, ranging from resignation to outrage.

 

How to cite this article: Figueiredo G, BarbieriM, GabrielloniMC, Araújo ES, Henrique AJ. Episiotomy: perceptions from adolescent puerperae. Invest Educ Enferm. 2015; 33(2):

|Abstract
= 301 veces | PDF
= 766 veces| HTML RESUMEN
= 97 veces| HTML ENGLISH
= 532 veces| HTML PORTUGUES
= 268 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

References

(1) Pitangui ACR, Sousa L, Ferreira CHJ, Gomes FA, Nakano AMS. Mensuração e características da dor perineal em primíparas submetidas à episiotomia. Acta Paul Enferm. 2009; 22(1):77-82.

(2) Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto Normal: um guia prático [Internet]. Relatório de um grupo técnico. Genebra: OMS; 1996. Available from: http://abenfo.redesindical.com.br/arqs/materia/56_a.pdf

(3) Costa LC, Souza LM. Prevalência e correlação de fatores associados à prática de episiotomia em um hospital público do Distrito Federal. Com Ciênc Saúde. 2009; 20(4):315-23.

(4) Brasil, Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistências humanizadas à mulher [Internet]. Brasília: MS; 2001. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf

(5) Brasil, Ministério da Saúde. DATASUS: Nascidos vivos; Nascimento por residência da mãe segundo região; Tipo de parto: vaginal, 2010 [cited: Jun 13, 2011]. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def

(6) Metello J, Torgal M, Viana R, Martins L, Maia M, Casal E, et al. Desfecho da gravidez nas jovens adolescentes. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008; 30(12):620-5.

(7) Progianti JM, Araújo LM, Mouta RJO. Repercussões da episiotomia sobre a sexualidade. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12(1):45-9.

(8) Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 163, de 22 de setembro de 1998. Dispõe sobre as atribuições do enfermeiro obstetra e da obstetriz. Diário Oficial da União, Seção 1, (24 de setembro de 1998). p.24.

(9) Rodríguez-Gázquez MA, Chaparro-Hernández SJ, Rojas-Minota WM. Scientific production of the journal Investigación y Educación en Enfermería during its 30 editing years. Invest Educ Enferm. 2013;31(3):341-53.

(10) Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12a ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

(11) Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 300 p. : il. – (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

(12) Beleza ACS. A dor perineal no pós-parto normal com episiotomia: mensuração, caracterização e efeitos da crioterapia [Dissertation]. Ribeirão Preto: USP/EERP; 2008.

(13) United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO). Pesquisa: juventude e sexualidade [Internet]. 2010 [cited: Mar 19, 2010]. Available from: http://www.observatorio.ucb.unesco.org.br/publicacoesjuventudes

(14) Santos JO, Bolanho IC, Mota JQC, Coleoni L, Oliveira MA. Frequência de lesões perineais ocorridas nos partos vaginais em uma instituição hospitalar. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12(4):658-63.

(15) Carvalho CCM, Souza ASR, Moraes Filho OB. Prevalência e fatores associados à prática da episiotomia em maternidade escola do Recife, Pernambuco, Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(3):333-9.

(16) Francisco AA, Oliveira SMJV, Santos JO, Silva FMB. Avaliação e tratamento da dor perineal no pós-parto vaginal. Acta Paul Enferm. 2011; 24(1):94-100.

(17) Santos JO, Shimo AKK. Prática rotineira da episiotomia refletindo a desigualdade de poder entre profissionais de saúde e mulheres. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12(4):645-50.

(18) Costa AVM, Sales RM, Moura FMJSP, Costa RS, Moura LJSP. Vivência das mulheres sobre episiotomia. Rev Enferm UFP. 2012; 1(1):50-5.

(19) Santos LM, Lopes DM, Santana RCB, Leal SR. O conhecimento e a participação das puérperas nas decisões referentes à episiotomia. Abenfo-MG. 2011; 584: 5001-15.

(20) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1820, de 13 de agosto de 2009. Dispões sobre direitos e deveres dos usuários da saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Seção I (13 ago 2009).

(21) Carvalho VF, Kerber NPC, Busanello J, Gonçalves BG, Rodrigues EF, Azambuja EP. Como os trabalhadores de um Centro Obstétrico justificam a utilização de práticas prejudiciais ao parto normal. Rev Esc Enf USP. 2012; 46(1):30-7.

(22) Lopes DM, Bonfim AS, Sousa AG, Reis LSO, Santos LM. Episiotomia: sentimentos e repercussões vivenciadas pelas puérperas. R Pesq Cuid Fundam. 2012; 4(1):2623-35.

(23) Busanello J, Kerber NPC, Mendoza-Sassi RA, Mano PS, Susin LRO, Gonçalves BG. Atenção humanizada ao parto de adolescentes: análise das práticas desenvolvidas em um Centro Obstétrico. Rev Bras Enferm. 2011; 64(5): 824-32.

(24) Wolff LR, Waldow VR. Violência consentida: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde Soc. 2008; 17(3):138-51.

Published
2015-06-04
How to Cite
Figueiredo, G., Barbieri, M., Gabrielloni, M. C., Sampaio Araújo, E., & Henrique, A. J. (2015). Episiotomy: perceptions from adolescent puerperae. Investigación Y Educación En Enfermería, 33(2). Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/iee/article/view/23018
Section
ORIGINAL ARTICLES / ARTÍCULOS ORIGINALES / ARTIGOS ORIGINAIS