Memória e esquecimento: o excedente de visão em Funes, o memorioso, de Jorge Luís Borges

  • Leandro De Bona Dias Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Mário Abel Bressan Júnior Universidade do Sul de Santa Catarina-UNISUL

Resumen

Esta investigação analisou as questões sobre a memória e o esquecimento em Funes, O Memorioso, de Jorge Luis Borges, com base em Bergson (2009), Halbwachs (1990) e Le Breton (1999), entre outros para discutir estes temas. Além disso, a leitura do protagonista baseou-se no conceito de Mikhail Bakhtin do excesso de visão. Os resultados da análise mostraram que a memória no texto de Borges se constrói por um contato intenso com a imaginação e também que o excesso de visão testifica que Funes, à medida que ganha uma capacidade extraordinária para recordar, perde a capacidade necessária para esquecer.

|Resumen
= 130 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 105 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Leandro De Bona Dias, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Graduado em Letras: Português/Inglês pela Universidade do Extremo Sul Catarinense-UNESC (Brasil); Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESC na linha de pesquisa Educação, Linguagem e Memória; Doutorando no programa de pós-graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina-UNISUL (Brasil) na linha de pesquisa Linguagem e Cultura e membro dos grupos de pesquisa Memória, Afeto e Redes Convergentes-MARC (UNISUL) e Littera-Correlações entre Cultura, Processamento e Ensino: a Linguagem em Foco (UNESC). Bolsista do Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições Comunitárias de Educação Superior- PROSUC/CAPES (Brasil).

Mário Abel Bressan Júnior, Universidade do Sul de Santa Catarina-UNISUL

Graduado em Comunicação Social-Publicidade e Propaganda pela Universidade do Sul de Santa Catarina-UNISUL (Brasil). Mestrado em Ciências da Linguagem pela UNISUL e Doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil). Professor titular da UNISUL e do programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem. Coordenador da Especialização em Gestão de Mídias Sociais e Marketing Digital. Coordenador do grupo de pesquisa Memória, Afeto e Redes Convergentes-MAR e membro do Grupo de Pesquisa: Televisão e Audiência-GPTV, (PUCRS/UFRGS, Brasil). Avaliador de cursos de graduação (área Comunicação) do INEP.

Citas

Agamben, G. (2007). Profanações. [Tradução de Selvino José Assmann]. São Paulo: Boitempo.

Barros, D. (2005). Contribuições de Bakhtin às teorias do discurso. Em Brait, B. (Ed.), Bakhtin, dialogismo e construção do sentido (pp. 25-36). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Barrenechea, A. (2002). Tiempo, identidad, memoria y sueño en Borges. Bulletin Hispanique, 104 (2), 929-939. Recuperado de https://www.persee.fr/doc/hispa_0007-4640_2002_num_104_2_5140

Barros, M. (2003). Memórias inventadas: a infância. São Paulo: Planeta.

Benjamin, W. (1987). Sobre o conceito de história. Em Benjamin, W. (Ed.), Obras escolhidas, V.1: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 222-232). [Tradução de Sérgio Paulo Rouanet]. 3. edicão. São Paulo: Brasiliense.

Bergson, H. (1999). Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. [Tradução de Paulo Neves]. 2. edicão. São Paulo: Martins Fontes.

Borges, J. (1994). Narraciones. Madrid: Ediciones Cátedra.

Borges, J. (1985). Prólogos: com um prólogo dos prólogos. (1994). [Tradução de Ivan Junqueira]. Rio de Janeiro: Rocco.

Candido, A. (2011). Direito à literatura. Em Candido, A. Vários escritos (pp. 171-193). Rio de Janeiro: Ouro sobre azul.

Candido, A. (2006). A literatura e a vida social. Em Candido, A. Literatura e sociedade (pp. 27-49). Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul.

Castro, E. (2005). Equívocos da identidade. Em Dodebei, V. & Gondar, J. (Eds.), O que é memória social? (pp. 145-160). Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Clark, K. & Holquist, M. (2008). A arquitetônica da respondibilidade. Em Clark, K. & Holquist, M. Mikhail Bakhtin (pp. 89-116). [Tradução de Jacó Guinsburg]. Cambridge, Mass: Perspectiva.

Foucalut, M. (2014). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 [Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio]. 24ª edicão. São Paulo: Edições Loyola.

Halbwachs, M. (1990). A memória coletiva [Tradução de Laurent Léon Schaffter]. São Paulo:Vértice; Editora Revista dos Tribunais.

Hall, S. (2003). Significação, representação, ideologia: Althusser e os debates pós-estruturalistas. Em Sovik, L. (Org.), Da diáspora: Identidades e mediações culturais (pp. 160-198) [Tradução de Liv Sovik]. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Le Breton, D. (2009). As paixões ordinárias: antropologia das emoções. [Tradução de Luís Alberto Salton Peretti]. Petrópolis, RJ: Vozes.

Piglia, R. (2006). O último leitor [Tradução de Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras.

Ricoeur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento [Tradução de Alain François et al. ] Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Vieira, P. (2007). Jorge Luis Borges: um girovago. Florianópolis: Insular.

Publicado
2020-08-06
Cómo citar
De Bona Dias L., & Bressan Júnior M. A. (2020). Memória e esquecimento: o excedente de visão em Funes, o memorioso, de Jorge Luís Borges. Lingüística Y Literatura, 41(77), 489-504. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n77a21
Sección
Estudios literarios