Desdobramentos de uma metodologia: o real nos bastidores da construção do caso clínico

  • Maria Fernanda Machado Universidad Federal de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0001-7329-5290
  • Giselle Gonçalves Mattos Moreira Universidad Federal de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-2955-4587
  • Kaio Adriano Batista Fidelis Universidad Federal de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0002-6891-6037
  • Angela Maria Resende Vorcaro Especialista em Psicanálise com crianças e jovens, tendo realizado várias pesquisas clínicas e teóricas sobre os temas: linguagem, constituição do sujeito, psicose, autismo, fobias, debilidades, adolescência, metodologia clínica. Autora de A criança na clínica psicanalítica (1997 e 2004) e Crianças na Psicanálise: clínica, instituição e laço social (1998 e 2005) ambos pela Cia de Freud, Rio de Janeiro. Organizou Quem fala na língua? (Ágalma, Salvador, 2005), além de autora de 85 artigos em revistas especializadas e 23 capítulos de livros. Membro da Associação Brasileira de Pesquisa Universitária (ANPPEP), do Centro de Pesquisas Outrarte (UNICAMP), do Laboratório de Psicanálise e Educação (LEPSI). http://orcid.org/0000-0002-6538-8646
  • Alice Oliveira Rezende Universidad Federal de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-4872-3585
  • Aline Aguiar Mendes Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-2418-0918
Palabras clave: Psicanálise, construção do caso, metodologia, real.

Resumen

Resumo


A partir do trabalho de construção de casos clínicos em instituições de saúde mental, desenvolvido por um projeto de pesquisa e extensão interinstitucional, recolhemos princípios metodológicos que orientam os bastidores dessa prática no real que concerne às equipes envolvidas no trabalho com o caso, em sua escrita e em sua transmissão. Avisados das lacunas entre o que o sujeito enuncia, o que se pode registrar e o que resta a transmitir, o caráter de estranheza que sobrevive a essas passagens cênicas mobiliza o tecer do caso naquilo que subsiste até então como indiscernível.


Palavras-chave: psicanálise, construção do caso, metodologia, real.

 

 

Resumen


A partir del trabajo de construcción de casos clínicos en instituciones de salud mental, llevado a cabo por un proyecto de investigación y extensión interinstitucional, recogemos principios metodológicos que orientan los bastidores de esa práctica en lo real que concierne a los equipos involucrados en el trabajo con el caso, en su escritura y en su transmisión. Teniendo en cuenta las lagunas entre lo que el sujeto enuncia, lo que se puede registrar y lo que queda por transmitir, el carácter de extrañeza que sobrevive a esos pasajes escénicos moviliza el tejido del caso en lo que subsiste hasta entonces como indiscernible.


Palabras clave: psicoanálisis, construcción del caso, metodología, real.

 

 

Abstract


From the work of building clinical cases in mental health institutions, carried out by a research and interinstitutional extension project, we collect the methodological principles that guide the wings of such practice in the real concerning the teams involved in the work with the case, both in its writing and its transmission. Taking into account the gaps between what the subject states, what can be recorded, and what remains to be transmitted, the character of strangeness that survives those scenic passages mobilizes the case weave in what linger so far as indiscernible.

 

Keywords: psychoanalysis, building a case, methodology, real.



Résumé


Basés sur le travail de construction de cas cliniques dans des institutions de santé mentale, dans le cadre d'un projet de recherche interinstitutionnelle, nous recueillons des principes méthodologiques qui déterminent les portants de cette pratique dans le réel des équipes impliquées dans le travail de cas, dans son écriture et transmission. Compte tenu des lacunes entre ce que le sujet énonce, ce qui peut être enregistré et ce qui reste à transmettre, le caractère d'étrangeté qui survit à ces passages scéniques mobilise le tissu du cas en ce qui reste jusqu'ici indiscernable.


Mots-clés: psychanalyse, construction du cas, méthodologie, réel.

|Resumen
= 3863 veces | PDF
= 781 veces| RESUMEN E AUTORIZACION
= 0 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Maria Fernanda Machado, Universidad Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Psicologia/Área de Concentração Estudos Psicanalíticos na Universidade Federal de Minas Gerais (em curso). Mestre em Psicologia/Área de Concentração Estudos Psicanalíticos na Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Giselle Gonçalves Mattos Moreira, Universidad Federal de Minas Gerais

Mestranda (Bolsista capes) no programa de Pós-Graduação em Literatura (Linha de Pesquisa: Literatura e Psicanálise) da Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisadora do grupo de pesquisa Outrarte: psicanálise entre ciência e arte (desde 2016). Aluna do Curso de Formação em Psicanálise do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais. Graduada em Psicologia pela ufmg, Brasil.

Kaio Adriano Batista Fidelis, Universidad Federal de Minas Gerais

Mestrando (Bolsista capes) no Programa de Pós-Graduação em Psicologia (Área de Concentração: Estudos Psicanalíticos) da Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisador dos grupos de pesquisa “Outrarte: psicanálise entre ciência e arte” (desde 2016) e “Fenomenologia e Desconstrução” (desde 2015). Bolsista de Apoio Técnico (cnpq e fapemig) no Projeto de Pesquisa e Extensão Tecendo a Rede (2015- 2016). Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (2014).

Angela Maria Resende Vorcaro, Especialista em Psicanálise com crianças e jovens, tendo realizado várias pesquisas clínicas e teóricas sobre os temas: linguagem, constituição do sujeito, psicose, autismo, fobias, debilidades, adolescência, metodologia clínica. Autora de A criança na clínica psicanalítica (1997 e 2004) e Crianças na Psicanálise: clínica, instituição e laço social (1998 e 2005) ambos pela Cia de Freud, Rio de Janeiro. Organizou Quem fala na língua? (Ágalma, Salvador, 2005), além de autora de 85 artigos em revistas especializadas e 23 capítulos de livros. Membro da Associação Brasileira de Pesquisa Universitária (ANPPEP), do Centro de Pesquisas Outrarte (UNICAMP), do Laboratório de Psicanálise e Educação (LEPSI).

Especialista em Psicanálise com crianças e jovens, tendo realizado várias pesquisas clínicas e teóricas sobre os temas: linguagem, constituição do sujeito, psicose, autismo, fobias, debilidades, adolescência, metodologia clínica. Autora de A criança na clínica psicanalítica (1997 e 2004) e Crianças na Psicanálise: clínica, instituição e laço social (1998 e 2005) ambos pela Cia de Freud, Rio de Janeiro. Organizou Quem fala na língua? (Ágalma, Salvador, 2005), além de autora de 85 artigos em revistas especializadas e 23 capítulos de livros. Membro da Associação Brasileira de Pesquisa Universitária (ANPPEP), do Centro de Pesquisas Outrarte (UNICAMP), do Laboratório de Psicanálise e Educação (LEPSI).

Alice Oliveira Rezende, Universidad Federal de Minas Gerais

Mestre e graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Aline Aguiar Mendes, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. É professora adjunta iv da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ puc Minas. Atualmente é Coordenadora de Pesquisa e Pós-graduação da Unidade São Gabriel/puc Minas e coordenadora do Curso de Especialização da puc Minas: Saúde Mental: práxis, clínica e política e coordenadora juntamente com Angela Vorcaro da Pesquisa “Tecendo a Rede” Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicopatologia, saúde mental e psicanálise.

Citas

Allouch, J. (1995). Letra a letra. Rio de Janeiro, Brasil: Companhia de Freud.

Ferreira, C. (2007). Apresentação de pacientes: (re)descobrindo a dimensão clínica. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 10(2), 295-310. Recuperado de: https://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982007000200010

Freud, S. (1919/2010). O inquietante. In: Sigmund Freud, Obras Completas, vol. 14. São Paulo, Brasil: Cia das Letras.

Freud, S. (1900-1901/2014). A interpretação dos sonhos (volume I). Porto Alegre, Brasil: L&M.

Freud, S. (1937/2017). Construções em Análise. In: Fundamentos da Clínica Psicanalítica. Obras Incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Lacan, J. (1969/1995). Um procedimento para o Passe. In: Procedimentos para uma Escola II – Lacan e o Passe. Rio de Janeiro, Brasil: Freudiana - Escola Psicanálise e Transmissão.

Lacan, J. (1957/1998a). O seminário sobre “A carta roubada” (V. Ribeiro, Trad.). In: J. Lacan. Escritos. (pp.13-66). Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1957/1998b). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud (V. Ribeiro, Trad.). In: J. Lacan. Escritos (pp.496-533). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Lacan, J. (1957-1958/1999). O seminário, livro 5: as formações do inconsciente. (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar Editor.

Lacan, J. (1971/2003a). Lituraterra (V. Ribeiro, Trad.). In: J.

Lacan. Outros escritos (pp.15-25). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Lacan, J. (1965/2003b). Homenagem a Marguerite Duras pelo arrebatamento de Lol V. Stein (V. Ribeiro, Trad.). In: J. Lacan.

Outros escritos (pp.198-205). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Lacan, J. (1962-1963/2005). O seminário: livro 10: a angústia. (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Lacan, J. (1972-1973/2008). O seminário, livro 20: mais, ainda. (M. D. Magno, Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1971/2009). O seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante. (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Llansol, M. (2013). Um beijo dado mais tarde. Rio de Janeiro, Brasil: 7Letras.

Miller, J.-A. (1996). Matemas I. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Miller, J-A. (1989/2013). Jacques Lacan e a voz. Opção Lacaniana On-line: nova série, 4(11). Recuperado de: http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/ numero_11/voz.pdf.

Mendes, A. (2015). O efeito-equipe e a construção do caso clínico. Curitiba, Brasil: CRV.

Poe, E. A. (1844/2002). A carta roubada. In: Histórias extraordinárias. São Paulo, Brasil: Editora Nova Cultural Ltda.

Porge, E. (2014). Voz do eco. Campinas, Brasil: Editora Mercado de Letras.

Vidal, E. (2010). O passador, entre a análise e a Escola. In: Documentos para uma Escola V – O passe em andamento. Rio de Janeiro, Brasil: Escola Letra Freudiana.

Vidal, E. (inédito). Efêmero. Belo Horizonte: Cas’a’screver.

Vorcaro, A. (2004). A criança na clínica psicanalítica. Rio de Janeiro, Brasil: Companhia de Freud.

Vorcaro, A., Mendes, A., Resende, A. & Fidelis, K. (2016). A clínica do caso construído em instituições. In Marcos, C. M. & Motta J. M. (Orgs.). A parceria universidade e hospitais de ensino: os caminhos da pesquisa clínica em psicanálise. (pp.11-38). Curitiba, Brasil: Editora CRV.

Zenoni, A. (2012). De la supervision comme réunion clinique. In : La petite girafe, (pp.129-133). Bruxelas: Institut du Champ Freudien.

Publicado
2018-01-16
Sección
Artículos de Investigación