Heidegger e as ciências: uma abertura para uma ciência psicanalítica

Palabras clave: Heidegger, ciência, psicanálise

Resumen

O artigo revisa o que Martin Heidegger (1889-1976) escreveu em sua obra a respeito das ciências e busca a partir disto, argumentos que permitam propor a cientificidade da psicanálise. Inicia com a crítica de Heidegger à metafísica ocidental e com a explicitação dos traços que a distinguem, percorre algumas considerações do filósofo sobre as ciências e, em especial, sua crítica à ontoteologia científica. Finaliza com uma reflexão sobre a psicanálise e as características fundamentais das ciências propostas pelo filósofo.

|Resumen
= 175 veces | PDF
= 96 veces| SIN TÍTULO
= 0 veces| SIN TÍTULO
= 0 veces| SIN TÍTULO
= 0 veces| SIN TÍTULO
= 0 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Wanderley Magno Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais
Pós-doutorando em Psicologia (UFMG). Doutor em Psicologia pela UFMG (Estudos Psicanalíticos). Psicóloga (IFES FUNREI - atual UFSJ). Especialista em Filosofia Contemporânea (IFES FUNREI). Mestre em Psicologia (Centro de Educação Superior de Juiz de Fora). Ele leciona disciplinas de psicanálise e psicopatologia desde 1996. Ele pratica uma clínica psicanalítica em uma consultoria privada a partir de dados semelhantes.
Oswaldo França Neto, Universidade Federal de Minas Gerais
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983), mestrado em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Psicanálise pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Atualmente é professor associado e orientador de mestrado e doutorado do programa de pós-graduação do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Atua principalmente na interseção da psicanálise com a política, no que se poderia chamar de Clínica do Social. Membro do GT da ANPEPP Psicanálise, Política e Clínica. Bolsista de produtividade 2 pelo CNPq.

Citas

Badiou, A. (1999). Breve tratado de ontologia transitória. Lisboa: Instituto Piaget.

Badiou, A. (2008). Lógicas de los mundos. Buenos Aires: Manantial.

Badiou, A., & CASSIN, B. (2011). Heidegger: O nazismo, as mulheres, a filosofia. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial.

Bassols, M. (2011). Il n’y a pas de science du réel. Mental: Revue Internationale de Psychanalyse. EuroFédération de Psychanalyse. 25, pp. 83-88.

Carmo, R.E. (1997). A metafísica e sua crise. Juiz de Fora: Manuscrito não-publicado.

Descartes, R. (1983). Discurso do método; Meditações: Objeções e respostas; As paixões da alma; Cartas. São Paulo: Abril Cultural.

Hediegger, M. (1927/1997). Ser e tempo. Parte I. Petrópolis: Vozes.

Hediegger, M. (1927/1998). Ser e tempo. Parte II. Petrópolis: Vozes.

Hediegger, M. (1946/2006). Carta sobre o humanismo. Madrid: Alizanza Editorial.

Hediegger, M. (1950/2006). A coisa, in Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes. Bragança Paulista: São Francisco.

Hediegger, M. (1952/2006). O que quer dizer pensar? in Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes. Bragança Paulista: São Francisco.

Hediegger, M. (1966). Introdução à metafísica. Rio de Janeiro. Tempo brasileiro.

Hediegger, M. (1996a). Posfáscio à preleção ‘Que é metafísica?’ in Conferências e escritos filosóficos. Col. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Hediegger, M. (1996b). A constituição onto-teo-lógica da metafísica, in Conferências e escritos filosóficos. Col. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Hediegger, M. (1996c). O princípio da identidade, in Conferências e escritos filosóficos. Col. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Hediegger, M. (1996d). Sobre a essência do fundamento, in Conferências e escritos filosóficos. Col. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Hediegger, M. (1996e). O fim da filosofia e a tarefa do pensamento, in Conferências e escritos filosóficos. Col. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Hediegger, M. (2001). Seminários de Zollikon. São Paulo: EDUC; Petrópolis: Vozes.

Hediegger, M. (2009). Introdução à filosofia. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Hediegger, M. (2012). Os problemas fundamentais da fenomenologia. Petrópolis: Vozes.

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise, in Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2007). O Seminário, Livro 23: O sinthoma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Marconi, M. A., & LAKATOS, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia científica. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Nunes, B. (1986). Passagem para o poético. São Paulo: Ática.

Rorty, R. (1997). O fedor de Heidegger. Folha de São Paulo. Caderno “Mais”. Disponível em: http://acervo.folha.com.br/resultados/?q=o+fedor+de+Heidegger&site=fsp&periodo=acervo&x=15&y=15.

Santos, B. S. (2012). A Destruktion heideggeriana da ontologia medieval em Die Grundprobleme Der Phänomenologie (§§ 10-12). Trans/Form/Ação [online]. v.35, n.spe. Recuperado em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31732012000400010.

Publicado
2019-07-14
Sección
Artículos de Investigación