Problema, avaliação, e contexto do leasing na visão da ias 17 e o parecer jurídico brasileiro

Autores/as

  • Rodrigo Antonio Chaves da Silva Faculdades Integradas de Caratinga

Palabras clave:

Valor efetivo do capital, Capital substancial, análise da prosperidade

Resumen


O conteúdo pronto divulgado pelas instituições responsáveis pelas normas internacionais de contabilidade, ou IAS (International Accounting Standard), na tentativa de padronizar o conteúdo e práticas contabilísticas, garante que o leasing financeiro seja lançado como ativo em contrapartida o passivo, ou seja, como financiamento. Esta visão, todavia, não foi analisada pelo aspecto jurídico nos seus diversos panoramas (legal e de jurisprudência), em correlação ao contábil, pois, nossa disciplina como as demais, é disposta a obedecer a lei, no entanto, as entidades de regulação dizem não haver alguma dicotomia ou contradição entre a normativa, e a lei nacional. O objetivo deste artigo é simplesmente avaliar o problema jurídico de tal operação, e ainda, destacar alguma conclusão com a hipótese de que é contestável o texto da norma com a lei brasileira, pelo contexto que se insere as mesmas no solo nacional (fato recente apontado pela lei 11.638/07 no seu artigo 5º), considerando que a doutrina contábil e a prática jurídica nacional surgiram muito antes das ditas regras internacionais. Para isso, a pesquisa é considerada explicativa nos seus fins, com base bibliográfica, e ex post facto porque o movimento de normatização não pode ser controlado por nosso trabalho, e não temos como intervir no processo, mas, apenas podemos estudá-lo neutralmente. A pesquisa nasceu da necessidade de discutir um tema tão relevante e obrigatório de ser tratado nas grandes empresas brasileiras por influir na técnica contabilística, nas operações consuedutinárias desta natureza, por tal, imprescindível é traduzir as causas e procurar os efeitos da visão normativa das transações contábeis, de modo discutível e experimental

|Resumen
= 32 veces | PDF
= 20 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Amaduzzi, A.(1978).La certificazione dei bilanci ed i “Principi contabili accetati”. Rivista Italiana di Ragioneria e di Economia Aziendale. Federazioni Nazionale dei Collegi dei Ragioneri, nº 1, Ano LXXVIII, Gennaio.

Banco Central Do Brasil (2010). Resolução 2.309/1996. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010.

Becker, R. (2010). A descaracterização do leasing pelo pagamento antecipado do valor residual. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010.

Berger, P. (2010). Contrato de leasing, antecipação do valor residual garantido (VRG) e a súmula nº293 do STJ, uma visão sistemática dos seus efeitos jurídicos e econômicos. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010

Besta, F. (1922). La Ragioneria. 2º Ed. Milano: Cada editrice Dottor Francesco Vallardi.

Brasil (2010). Lei 6.099 de 1974. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010.

Brasil (2010). Lei 7132 de 1983. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010Brasil (2007). Código Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Carqueja (2011). Entrevista. Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas. Lisboa, OTOC, nº 111, Ano XI.

Carvalho, C. de. (s/d). Estudos de Contabilidade. São Paulo: Editorial Irradiação.

Cherry, R. (1975). Introdução à administração financeira. São Paulo: Atlas.

Cravo, D.; Rodrigues, J.; Antão, A. (2010). Activos fixos tangíveis: venda e relocação seguida de revalorização. Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas. Lisboa, OTOC, Nº 129, Ano XI.

Casella, C. & García, L. (2010). Um interesante cuestionario relativo a la posible medición del llamado fair value o valor razonable. Revista de Contabilidad y Auditoria, Bueno Aires, UBA, nº31, año 16.

Casella, C. & García, L. (2011). Un homenaje al Doctor Antonio Lopes de Sa: Introduccion al análisis de: “The Accounting establishment”. Revista de Contabilidad y Auditoria

Júnior, W. (2010). Manual de Direito Comercial. 11ª ed. São Paulo: Atlas.

Lourenço, M. (2010). Proposta de alteração da IAS 17: o caso do lease back. Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas. Lisboa, OTOC, nº 122, Ano XI.

Masi, V. (1974). Dinamica Patrimoniale. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani, V I.

Masi, V. (1945). Statica Patrimoniale. 2ª ed. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani, V II.

Masi, V. (1961). Ragioneria Generale. 5ª ed. Padova: Cedam.

Martins, F. (2006). Curso de Direito Comercial. 30ª ed. Rio de Janeiro: Forense.

Meira, D. & Bandeira, A. (2010). AIAS 32 e os novos critérios de contabilização das entradas para o capital social das cooperativas. Uma análise contabilística e jurídica. Revista de ciências empresariais e jurídicas. Porto: Universidade do Porto, nº 16.

Nepomuceno, V. (2002). A queda da Contabilidade Gerencial e a ascensão da fraude contábil nos Estados Unidos. Boletim do IBRACON, ano XXIV.

Nepomuceno, V. (2003). Qual é a massa atômica de uma unidade de custo? Revista Brasileira de Contabilidade, nº 140, Março Abril, CFC-MG.

Nepomuceno, V. (2004). Entre a Práxis e a Teoria: Os Equívocos da pesquisa contábil empírica nos EUA http: Pesquisa realizada no site//www.lopesdesa.com/ em 20/07/04.

Nepomuceno, V. (2011). Os interesses por detrás do IASC. Revista Mineira de Contabilidade, Belo Horizonte, MG, Ano XII, nº 42, 2º trimestre, CRCMG.

Reale, M. (2002). Filosofia do Direito. 20ª ed. São Paulo: Saraiva.

Rossi, G. (1882). L`ente Econômico-amministrativo. Emilia: Stabilimento Tipo-Litografico Degli Artigianelli.

Sá, A. (1978). Aspectos Contábeis da Nova Lei das Sociedades por Ações. 2ª ed. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (1994). Ajustes e Valorimetria Contábil. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília: CFC, Ano XXIII, nº 86.

Sá, A. (1953). Princípios e Preceitos de Contabilidade Industrial. São Paulo: Atlas.

Sá, A. (1955). Contabilidade das empresas imobiliárias. São Paulo: Atlas.

Sá, Antonio Lopes de. (1997). O conceito mais moderno de atualização de Balanço. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília: CFC, Ano XXVI, nº 106.

Sá, A. (1975). Normas técnicas de Contabilidade. Rio de Janeiro: Ed. APEC

.Sá, A. (2010). Normas internacionais e Fraudes em Contabilidade. Curitiba: Juruá.

Sá, A. (2000). Princípios Fundamentais de Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (1963). Inflação e Balanços. São Paulo: Ed. Atlas.

Sá, A. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

Silva, R. (2009). Evolução doutrinária da contabilidade – Epistemologia do princípio patrimonial. Curitiba: Editora Juruá.

Silva, R. (2010).Aproximación al estúdio de la normalización contable internacional, desde la escuela neopatrimonialista. Revista Internacional Legis de Contabilidad & Auditoria, LEGIS, Bogotá, nº 41.

Silva, R. (2008). Evolución doctrinaria del conocimiento contable y tendencias actuales em los tiempos modernos. Revista Internacional Legis de Contabilidad & Auditoria, LEGIS, Bogotá, nº 34.

Silva, R. (2011). O princípio da essência sobre a forma e o leasing. Revista Mineira de Contabilidade. CRCMG, Belo Horizonte, Ano XVI, nº 41.

Supremo Tribunal Federal Do Brasil (2010). Súmula 263. Pesquisa realizada no site Jus Navigandi, Disponível em www.jus.com.br no dia 01/09/2010

Uniba (2010). Principio internazionale – IAS 17. pesquisa realizada no site www.disag.uniba.it no dia 22/09/2010.

Zappa, G. (1950). Il Rédito di Impresa. 2ª edição.Milão: Dott. A. Giuffrè - Editore.

Descargas

Publicado

2014-03-18

Cómo citar

Chaves da Silva, R. A. (2014). Problema, avaliação, e contexto do leasing na visão da ias 17 e o parecer jurídico brasileiro. Contaduría Universidad De Antioquia, (61), 219–245. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/cont/article/view/18900

Número

Sección

Artículos