Lazer e projeto histórico

  • Celi Zulke Taffarel Universidade Federal da Bahia FACE/UFBA

Resumen

O Lazer é analisado no presente texto a partir de suas relações no complexo econômico do modo de produção capitalista. Critica as formas que o lazer assume sob a lógica do capital. Levanta como possibilidade histórica a responsabilidade social dos produtores associados, intelectuais orgânicos, militantes culturais, na construção de uma nova cultura, a cultura socialista, o que exige rigorosa consideração da teoria do conhecimento e teoria pedagógica que subsidia, constrói e consolida a práxis revolucionária do lazer, responsável também pela sociabilização da classe trabalhadora.

|Resumen
= 16 veces | PDF
= 16 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Celi Zulke Taffarel, Universidade Federal da Bahia FACE/UFBA

Professora Doutora Titular Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia FACE/UFBA. Coordenadora do Grupo LEPEL/FACED/UFBA - Pesquisadora 1D CNPq. Bolsita de Produtividade do CNPq.

Citas

Alvater. E. (1995). O preço da riqueza. São Paulo: Editora da UNESP.

Antunes, R. (2000). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7. Ed. São Paulo: Cortez.

Antunes, R. (2001). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. 4. Ed. São Paulo: Boitempo.

Bruhns, E.T. (2000). Futebol, carnaval e capoeira: entre as gingas do corpo brasileiro. Campinas, SP: Papirus, 158 p.

Camargo, L. L. (1998). Educação para o lazer. São Paulo: Moderna.

Chauí, M. de S. (1999). Introdução. In: Lafargue, P. O direito à preguiça. São Paulo: Ed. da UNESP.

Corragio, J.L. (1995). Desenvolvimento humano, economia popular e educação. Buenos Aires: Rey Argentina/Instituto de Estudios y Acción Social/Aique.

Engels, F. Do socialismo utópico ao socialismo científico. São Paulo, Moraes, S/D.

Engels. F. (1990). O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 4º Ed. São Paulo, Global.

https://doi.org/10.22409/tn.4i4.p4603

Fernades, F. (1998). Padrões de dominação externa na América Latina. In: Barsotti; Paulo e Pericás; Luiz L. Bernardo. América Latina: História, idéias e revolução. São Paulo: Xamã.

Forrest. V. (1997). O horror econômico. São Paulo: UNESP.

Freitas, L. C. (1987). Projeto histórico: ciência pedagógica e "didática". In: Educação e Sociedade, 27, pp. 122140.

Fridmann, A. et al. (1998). O direito de brincar. São Paulo, Abrinq. 14. Frigoto, G. (1995). A educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez.

Frigoto,G. (2000). Educação e crise do trabalho: Perspectiva do final de século. Rio de Janeiro: Vozes.

Gadotti, M. & Gutiérrez, F. (Orgs.) (1993). Educação comunitária e economia popular. São Paulo: Cortez, 1993, pp. 34-58 (Questões da Nossa Época, 25).

Gramsci, A. (1982). Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gutiérrez, F. (1993). Educação comunitária e desenvolvimento sócio-político. Educação comunitária e Economia popular. São Paulo: Cortez Editora, pp. 23-33.

Jameson, F. (1997). Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática, 2ª ed.

Kopnin, P.V. (1978). A dialética como lógica e teoria do conhecimento. RJ: Civilização Brasileira.

Kosik, K. (1976). Dialética do concreto. Rio de Janeiro. Paz e Terra., 1976.

Kurosawa, A. (1976). (Dersu Uzala, filme).

Kurz, R. (1992). O Colapso da Modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Lafargue, Paul. (1999). O direito à preguiça. São Paulo: Ed. da UNESP.

Lefebvre; H. (1991). O direito a cidade. São Paulo, Moraes.

Lenin, V.I. (1987). Imperialismo fase superior do capitalismo. São Paulo. Global.

Leontiev, A. (1981). Actividad, Conciencia, Personalidad. La Habana: Editorial Pueblo y Educación.

Marcellino, N. C. (1992). Perspectivas para o lazer: mercadoria ou sinal de utopia. In: Wey, Wagner (org.). Educação física e esportes: perspectivas para o século XXI. Campinas: Papirus.

Marcellino, N.C. (1987). Lazer e educação. 4.ª Ed. Campinas, SP: Papirus.

Marx, K. & Engels, F. (1987). A ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec.

Marx, K. Resultados do processo de produção imediata. In: O Capital. São Paulo: Moraes, [s.d].

Mészaros, I. (2002). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo, Campinas: Boitempo, UNICAMP.

Mészaros, I. (1997). Ir além do capital. In: Coggiola, Osvaldo O. (Org.). Globalização e socialismo. São Paulo: Xamã.

Mészaros, I. (2003). O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo.

Nozaky, H. (2004). Educação física e reordenamento no mundo do trabalho: mediações da regulamentação da profissão. Tese Doutorado. Universidade Federal Fluminense.

Razeto, L. Economia de solidariedade e organização popular. In: Gadotti, M. & Gutiérrez, F. (Orgs.) Educação comunitária e economia popular. São Paulo: Cortez, 1993, pp. 34-58 (Questões da Nossa Época, 25).

Requixa, R. (1980). Sugestões de diretrizes para uma política nacional de lazer. São Paulo: SESC.

Sá. K; Chaves, M.; Gamboa, S. (2003). Lazer e recreação no currículo de educação física. Alagoas, EDUFAL.

Sanches Gamboa, S. (1987). Epistemologia da pesquisa em educação: estruturas lógicas e tendências metodológicas. Tese doutorado. Doutorado em Educação. Campinas: UNICAMP.

Santin, S. (1994). Educação Física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. Porto Alegre: UFRGS.

Saramago, J. (1995). Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras.

Seoane, J. & Taddei, E. (2001). Resistências mundiais. Rio de Janeiro: Vozes.

Silva, J. & Silva, K. (2004). Círculos populares de esporte e lazer: fundamentos da educação para o tempo livre. Recife: Bagaço.

Silva, M. R. da. (2003). Trama doce-amarga: Exploração do trabalho infantil e cultura lúdica. São Paulo: HUCITEC, UNIJUI.

Singer, P. (1996). Desemprego: uma solução não capitalista. Revista Teoria e Debate, 32, jul/ago/set.

Singer, P. (1996). Globalização, Estado, Universidade. In: UFPR- Setor de Educação - SENAI/ PR. Anais do Seminário. Globalização e Estado: Universidade em Mudança, Curitiba.

Singer, D. (1996). Desemprego: uma solução não capitalista. In: Revista Teoria & Debate, 32, São Paulo: Jul/Set.

Siqueira, J. (1992). Fundamentos para uma Política Cultural. In: Princípios, 25, 61-65, maio-jul.

Stigger, M. P. (1998). Políticas Sociais em Lazer, Esportes e Participação: uma questão de acesso e de poder; ou subsídios para tomar uma posição frente à pergunta: "são as políticas públicas para educação física, esporte e lazer, efetivamente políticas sociais?" In: Revista Motrivivência, X, (11), Florianópolis: UFSC.

Taffarel, C.; Chaves, M. & Gamboa, S. (2003). Prática pedagógica e produção do conhecimento na educação física & esporte e lazer. Alagoas, UFAL.

Tiriba, L.V. (1998). Economia popular e produção de uma nova cultura de trabalho: Contradições e desafios frente à crise do trabalho assalariado. In: Frigotto, G. (org.). Educação e crise no trabalho: perspectivas de final de sé- culo.-Petrópolis, RJ: Vozes,- (Coleção estudos culturais em educação).

Tiriba, Lia. (2001). Economia popular e cultural do trabalho: pedagogia(s) da produção associada. Ijuí, RS: Ed. UNIJUÍ.

Werneck, C. (2000). Lazer, trabalho e educa- ção: questões históricas, questões contemporâneas. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Publicado
2013-02-11
Cómo citar
Zulke Taffarel C. (2013). Lazer e projeto histórico. Educación Física Y Deporte, 31(2), 1081-1094. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/educacionfisicaydeporte/article/view/14412
Sección
Ensayos