Ocio y proyecto histórico

Autores/as

  • Celi Zulke Taffarel Federal University of Bahia FACE/UFBA

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.efyd.14412

Palabras clave:

leisure, socialist history project

Resumen

El Ocio es analizado en este texto desde sus complejas relaciones económicas en el modo de producción capitalista. Critica los caminos que toma el ocio bajo la lógica del capital. Planteándose como posibilidad histórica de responsabilidad social los productores asociados, los intelectuales orgánicos, los activistas culturales, en la construcción de una nueva cultura, la cultura socialista, lo que exige una consideración rigurosa de la teoría del conocimiento y de la teoría pedagógica que subvenciona, construye y consolida la praxis revolucionaria del ocio, responsable también de la socialización de la clase obrera.

|Resumen
= 146 veces | PDF
= 123 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Celi Zulke Taffarel, Federal University of Bahia FACE/UFBA

Full Professor, Faculty of Education, Federal University of Bahia FACE/UFBA. Coordinator of the LEPEL/FACED/UFBA Group - 1D CNPq Researcher. CNPq Productivity Scholarship.

Citas

Alvater. E. (1995). O preço da riqueza. São Paulo: Editora da UNESP.

Antunes, R. (2000). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7. Ed. São Paulo: Cortez.

Antunes, R. (2001). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. 4. Ed. São Paulo: Boitempo.

Bruhns, E.T. (2000). Futebol, carnaval e capoeira: entre as gingas do corpo brasileiro. Campinas, SP: Papirus, 158 p.

Camargo, L. L. (1998). Educação para o lazer. São Paulo: Moderna.

Chauí, M. de S. (1999). Introdução. In: Lafargue, P. O direito à preguiça. São Paulo: Ed. da UNESP.

Corragio, J.L. (1995). Desenvolvimento humano, economia popular e educação. Buenos Aires: Rey Argentina/Instituto de Estudios y Acción Social/Aique.

Engels, F. Do socialismo utópico ao socialismo científico. São Paulo, Moraes, S/D.

Engels. F. (1990). O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 4º Ed. São Paulo, Global.

https://doi.org/10.22409/tn.4i4.p4603

Fernades, F. (1998). Padrões de dominação externa na América Latina. In: Barsotti; Paulo e Pericás; Luiz L. Bernardo. América Latina: História, idéias e revolução. São Paulo: Xamã.

Forrest. V. (1997). O horror econômico. São Paulo: UNESP.

Freitas, L. C. (1987). Projeto histórico: ciência pedagógica e "didática". In: Educação e Sociedade, 27, pp. 122140.

Fridmann, A. et al. (1998). O direito de brincar. São Paulo, Abrinq. 14. Frigoto, G. (1995). A educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez.

Frigoto,G. (2000). Educação e crise do trabalho: Perspectiva do final de século. Rio de Janeiro: Vozes.

Gadotti, M. & Gutiérrez, F. (Orgs.) (1993). Educação comunitária e economia popular. São Paulo: Cortez, 1993, pp. 34-58 (Questões da Nossa Época, 25).

Gramsci, A. (1982). Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gutiérrez, F. (1993). Educação comunitária e desenvolvimento sócio-político. Educação comunitária e Economia popular. São Paulo: Cortez Editora, pp. 23-33.

Jameson, F. (1997). Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática, 2ª ed.

Kopnin, P.V. (1978). A dialética como lógica e teoria do conhecimento. RJ: Civilização Brasileira.

Kosik, K. (1976). Dialética do concreto. Rio de Janeiro. Paz e Terra., 1976.

Kurosawa, A. (1976). (Dersu Uzala, filme).

Kurz, R. (1992). O Colapso da Modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Lafargue, Paul. (1999). O direito à preguiça. São Paulo: Ed. da UNESP.

Lefebvre; H. (1991). O direito a cidade. São Paulo, Moraes.

Lenin, V.I. (1987). Imperialismo fase superior do capitalismo. São Paulo. Global.

Leontiev, A. (1981). Actividad, Conciencia, Personalidad. La Habana: Editorial Pueblo y Educación.

Marcellino, N. C. (1992). Perspectivas para o lazer: mercadoria ou sinal de utopia. In: Wey, Wagner (org.). Educação física e esportes: perspectivas para o século XXI. Campinas: Papirus.

Marcellino, N.C. (1987). Lazer e educação. 4.ª Ed. Campinas, SP: Papirus.

Marx, K. & Engels, F. (1987). A ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec.

Marx, K. Resultados do processo de produção imediata. In: O Capital. São Paulo: Moraes, [s.d].

Mészaros, I. (2002). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo, Campinas: Boitempo, UNICAMP.

Mészaros, I. (1997). Ir além do capital. In: Coggiola, Osvaldo O. (Org.). Globalização e socialismo. São Paulo: Xamã.

Mészaros, I. (2003). O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo.

Nozaky, H. (2004). Educação física e reordenamento no mundo do trabalho: mediações da regulamentação da profissão. Tese Doutorado. Universidade Federal Fluminense.

Razeto, L. Economia de solidariedade e organização popular. In: Gadotti, M. & Gutiérrez, F. (Orgs.) Educação comunitária e economia popular. São Paulo: Cortez, 1993, pp. 34-58 (Questões da Nossa Época, 25).

Requixa, R. (1980). Sugestões de diretrizes para uma política nacional de lazer. São Paulo: SESC.

Sá. K; Chaves, M.; Gamboa, S. (2003). Lazer e recreação no currículo de educação física. Alagoas, EDUFAL.

Sanches Gamboa, S. (1987). Epistemologia da pesquisa em educação: estruturas lógicas e tendências metodológicas. Tese doutorado. Doutorado em Educação. Campinas: UNICAMP.

Santin, S. (1994). Educação Física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. Porto Alegre: UFRGS.

Saramago, J. (1995). Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras.

Seoane, J. & Taddei, E. (2001). Resistências mundiais. Rio de Janeiro: Vozes.

Silva, J. & Silva, K. (2004). Círculos populares de esporte e lazer: fundamentos da educação para o tempo livre. Recife: Bagaço.

Silva, M. R. da. (2003). Trama doce-amarga: Exploração do trabalho infantil e cultura lúdica. São Paulo: HUCITEC, UNIJUI.

Singer, P. (1996). Desemprego: uma solução não capitalista. Revista Teoria e Debate, 32, jul/ago/set.

Singer, P. (1996). Globalização, Estado, Universidade. In: UFPR- Setor de Educação - SENAI/ PR. Anais do Seminário. Globalização e Estado: Universidade em Mudança, Curitiba.

Singer, D. (1996). Desemprego: uma solução não capitalista. In: Revista Teoria & Debate, 32, São Paulo: Jul/Set.

Siqueira, J. (1992). Fundamentos para uma Política Cultural. In: Princípios, 25, 61-65, maio-jul.

Stigger, M. P. (1998). Políticas Sociais em Lazer, Esportes e Participação: uma questão de acesso e de poder; ou subsídios para tomar uma posição frente à pergunta: "são as políticas públicas para educação física, esporte e lazer, efetivamente políticas sociais?" In: Revista Motrivivência, X, (11), Florianópolis: UFSC.

Taffarel, C.; Chaves, M. & Gamboa, S. (2003). Prática pedagógica e produção do conhecimento na educação física & esporte e lazer. Alagoas, UFAL.

Tiriba, L.V. (1998). Economia popular e produção de uma nova cultura de trabalho: Contradições e desafios frente à crise do trabalho assalariado. In: Frigotto, G. (org.). Educação e crise no trabalho: perspectivas de final de sé- culo.-Petrópolis, RJ: Vozes,- (Coleção estudos culturais em educação).

Tiriba, Lia. (2001). Economia popular e cultural do trabalho: pedagogia(s) da produção associada. Ijuí, RS: Ed. UNIJUÍ.

Werneck, C. (2000). Lazer, trabalho e educa- ção: questões históricas, questões contemporâneas. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Descargas

Publicado

2013-02-11

Cómo citar

Zulke Taffarel, C. (2013). Ocio y proyecto histórico. Educación Física Y Deporte, 31(2), 1081–1094. https://doi.org/10.17533/udea.efyd.14412

Número

Sección

Ensayos

Artículos similares

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.