Educación física escolar y trastorno del espectro autista: un análisis de publicaciones brasileñas de 2008 a 2018

Palabras clave: trastorno del espectro autista, educación física, inclusión

Resumen

Objetivo. Este artículo tiene como objetivo mapear y analizar publicaciones con el tema trastorno del espectro autista y educación física escolar en 11 revistas brasileñas de educación física. Método. La investigación es cuantitativa-cualitativa, teórica exploratoria, basada en el mapeo y análisis de los datos encontrados. Resultados. Las búsquedas se han traducido en un total de 11 conclusiones, pero solo un artículo ha cumplido el objetivo del presente estudio. A fin de investigar por qué sucedía esto los otros hallazgos también fueron considerados para su discusión y análisis. Conclusión. Es necesario llenar el vacío detectado, mediante la producción de más estudios relacionados con este tema, con el fin de subvencionar a los profesores de educación física para una práctica inclusiva en las escuelas.

|Resumen
= 172 veces | HTML
= 76 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Victor Barreto Gonçalves de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Substituto do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp UFRJ). Formado em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro / Escola de Educação Física e Desporto (UFRJ / EEFD). Graduação em Educação Física (Bacharelado) em andamento pela UFRJ / EEFD. Pós-graduação Lato Sensu (Especialização) em Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (PGEFEPI) em andamento pela UFRJ / EEFD. Integrante do Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Diferenças na Educação Física Escolar (LEPIDEFE) vinculado a Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Extensionista do Projeto Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (PEFEPI) vinculado a EEFD / UFRJ. Membro da Comissão Organizadora do Congresso Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (CEFEPI).

Michele Pereira de Souza da Fonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Educação (PPGE/UFRJ), Mestre em Educação (PPGE/UFRJ), Licenciada em Educação Física (EEFD/UFRJ). Professora adjunta da Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD-UFRJ). Coordenadora de Extensão da EEFD-UFRJ. Fundadora e Coordenadora do LEPIDEFE - Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Diferenças na Educação Física Escolar (EEFD-UFRJ). Coordenadora da Pós-Graduação gratuita em Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (UFRJ). Membro do Comitê Científico GTT Inclusão e Diferenças do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE). Tem experiência na área de Educação Física escolar, formação docente e inclusão em educação.

Citas

1. Araujo, Á. & Lotufo Neto, F. (2014). A nova classificação Americana para os Transtornos Mentais: o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 16(1), 67-82. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452014000100007&lng=pt&nrm=iso

2. Associação Americana de Psiquiatria. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5, 5ª edição, Associação Americana de Psiquiatria.

3. Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo. Edições 70.

4. Boato, E., Sampaio, T., Campos, M., Diniz, S. & Albuquerque, A. (2014). Expressão corporal/dança para autistas - um estudo de caso. Pensar a Prática, 17(1), 50­65. https://doi.org/10.5216/rpp.v17i1.17904

5. Capellini, V. & Mendes, E. (2007). O ensino colaborativo favorecendo o desenvolvimento profissional para a inclusão escolar. Educere et Educare, Revista de Educação, Dossiê Aprendizagem e Ação Docente, 2(4),113-128. https://doi.org/10.17648/educare.v2i4.1659

6. Castro, R. & Kelman, C. (2016). Ensino Colaborativo: Uma prática que promove a inclusão. III CONEDU. Campina Grande: Realize Editora. http://www.editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/20907

7. Chicon, J. & Sá, M. (2011). Inclusão na educação física escolar: considerações sobre a constituição da subjetividade humana. Revista Movimento, 17(1), 41-58. https://doi.org/10.22456/1982-8918.12382

8. Chicon, J., Oliveira, I., Garozzi, G., Coelho, M. & Sá, M. (2018). Brincando e aprendendo: aspectos relacionais da criança com autismo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 41(2), 169-175. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2018.01.017

9. Chicon, J., Oliveira, I., Santos, R., & Sá, M. (2018). A brincadeira de faz de conta com crianças autistas. Revista Movimento, 24(2), 581-592. https://doi.org/10.22456/1982-8918.76600

10. Chicon, J., Sá, M & Fontes, A. (2013). Atividades lúdicas no meio aquático: possibilidades para a inclusão. Revista Movimento, Porto Alegre, 19(2), 103-122. https://doi.org/10.22456/1982-8918.29595

11. Coelho, V. & Tolocka, R. (2010). Manifestações emocionais vivenciadas em jogos de arremesso. Motriz,16(1), 69-77. https://doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n1p69

12. Coletivo de Autores (1992). Metodologia do ensino de Educação Física. Cortez.

13. Cook, L. & Friend, M. (1995). Co-teaching: Guidelines for creating effective practices. Focus on Exceptional Children, 28(3), 1-16. https://doi.org/10.17161/foec.v28i3.6852

14. Defensoria Pública do Estado de São Paulo & Movimento Pró-Autista (2011). Cartilha: Direitos das Pessoas com Autismo, 1⁰ Edição. Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

15. Farias, G. (2008). O que os bebês sabem? um modo diferenciado de pensá-los. Pensar a Prática, 11(2), 115-124. https://doi.org/10.5216/rpp.v11i2.2396

16. Fonseca, M. (2014). Formação de professores de Educação Física e seus desdobramentos na perspectiva dos processos de inclusão/exclusão: reflexões sobre Brasil e Portugal. [Tese de Doutorado Universidade Federal do Rio de Janeiro]

17. Friche, A., Araújo, M., Reis, N. & Bonolo, P. (2015). Uso terapêutico de tecnologias assistivas: direitos das pessoas com deficiência e ampliação da comunicação. Nescon/UFMG.

18. Giardinetto, A. (2009). Educação do aluno com autismo: um estudo circunstanciado da experiência escolar inclusiva e as contribuições do currículo funcional natural. [Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista] http://hdl.handle.net/11449/102271

19. Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed., Atlas.

20. Ministério da Educação & Secretaria de Educação Especial. (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

21. Murillio, P., Saravali, G., Lampa, J. & Moraes, P. (2011). Um Estudo Sobre a Percepção da Família no Desenvolvimento Motor e Cognitivo da Criança com Síndrome de Rett IN VII Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana. Motriz, 17(1) Supl.I, S185. https://doi.org/10.5016/4526

22. Presidência da República. (1990). Lei n. 8.069 ECA Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasil: Presidência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

23. Presidência da República. (1996). Lei n. 9.394. LDBEN Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasil: Presidência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

24. Presidência da República (2011). Decreto nº 7.611. Dispõe sobre a Educação especial, o Atendimento Educacional Especializado. Brasil: Presidência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm

25. Presidência da República. (2012). Lei nº 12.764 Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Brasil: Presidência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm

26. Presidência da República. (2015). Lei n. 13.146 Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasil: Presidência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

27. Sá, M., Siquara, Z & Chicon, J. (2015). Representação simbólica e linguagem de uma criança com autismo no ato de brincar. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 34(4), 355-361. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.08.004

28. Santos, M., Fonseca, M. & Melo, S. (2009). Inclusão em Educação: diferentes interfaces. CRV.

29. Sawaia, B. (Org.) (2017). As artimanhas da Exclusão – análise psicossocial e ética da desigualdade social 14ª ed. Vozes.

30. Soares, C. & Hallal, P. (2015). Interdependência entre a participação em aulas de Educação Física e níveis de atividade física de jovens brasileiros: estudo ecológico. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 20(6), 588-597. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.20n6p588

31. Sousa, G., Pinto, M., Seeber, J. & Silva, D. (2015). Associação do estado nutricional com aptidão física relacionada à saúde em adultos com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 29(4), 543-550. https://doi.org/10.1590/1807-55092015000400543

32. UNESCO. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139423

33. UNESCO. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem.https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000086291_por

34. UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Política e Práticas na área das necessidades educativas especiais. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139394

35. UNESCO. (2015) Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000235409_por

Publicado
2021-05-10
Cómo citar
Barreto Gonçalves de OliveiraV., & Pereira de Souza da FonsecaM. (2021). Educación física escolar y trastorno del espectro autista: un análisis de publicaciones brasileñas de 2008 a 2018. Educación Física Y Deporte, 40(1). https://doi.org/10.17533/udea.efyd.v40n1a04
Sección
Artículos de Investigación