Dante Alighieri e a voz feminina sobredeterminada: agonismo e fantasmagoria

  • Pedro Carlos Louzada Fonseca Universidade Federal de Goiás
  • Norival Bottos Júnior Universidade Federal de Goiás

Resumen

A mulher é tema central para Dante, desde seus primeiros poemas líricos até a Comédia. Nessa perspectiva temática, através do método comparativo e da análise críticoteórica, este artigo examina a maneira pela qual o poeta se utiliza da operação fantasmática do amor cortês para anular a voz feminina em Beatriz de Vida nova e, posteriormente, como a dama florentina ressurge na Comédia dotada de voz masculina do próprio Dante em constante processo de autoescuta. Nesse aspecto mimético, o artigo pretende concluir pela observação de que a poética de Dante apresenta traços de emancipação da estética medieval em direção ao moderno.

|Resumen
= 177 veces | PDF
= 167 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Pedro Carlos Louzada Fonseca, Universidade Federal de Goiás
.
Norival Bottos Júnior, Universidade Federal de Goiás
Doutorando em Literatura e Estudos Comparados no Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (Brasil). Bolsista do CNPq. Atualmente dedica-se aos estudos de literatura medieval portuguesa e literatura brasileira contemporânea. E-mail: nonobottos@gmail.com

Citas

Agamben, G. (2012). Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Tradução de Selvino José Assmann. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Agamben, G. (2013). O homem sem conteúdo. Tradução, notas e posfácio de Cláudio Oliveira. 2ª ed.; Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Alighieri, Dante. (1993). Vida nova. Tradução dos originais italiano e latino por Carlos Eduardo Soveral. 3ª edição. Lisboa: Guimarães Editora.

Alighieri, Dante. (2011). Divina comédia. Tradução e notas de João Trentino Ziller. Apresentação de João Adolfo Hansen. Campinas: Editora da Unicamp.

Bloch, Howard. R. (1995). Misoginia medieval e a invenção do amor romântico ocidental. Tradução de Cecília Moraes. Rio de Janeiro: Editora 34.

Bloom, Harold (2001). Gênio. Tradução de Marco Costacurta. São Paulo: Editora Perspectiva.

De Balzac, H. (2012). A obra-prima ignorada. Tradução de Teixeira Coelho. São Paulo: Iluminuras.

Didi-Huberman, G. (2012). A pintura encarnada: seguido de A obra-prima desconhecida, de Honoré de Balzac. Tradução de Osvaldo Fontes Filho e Leila de Aguiar Costa. São Paulo: Escuta.

Duby, G. (2001). Eva e os Padres: damas do século XII. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras.

Holiday, H. (1882/1884) Dante e Beatrice. l’incontro immaginario fra Dante e Beatrice (con il vestito bianco) accompagnata dall’amica Vanna (con il vestito rosso), sul Ponte Santa Trinità in Firenze .[Pintura] Walker Art Gallery, Liverpool. Disponível em: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f8/Dante_and_beatrice.jpg.

Sterzi, E. (2008). Por que ler Dante. São Paulo: Globo.

Publicado
2019-10-18
Cómo citar
Louzada Fonseca P. C., & Bottos Júnior N. (2019). Dante Alighieri e a voz feminina sobredeterminada: agonismo e fantasmagoria. Lingüística Y Literatura, 40(76), 201-218. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n76a09
Sección
Estudios literarios