A arte transformada em palavras

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a27

Palabras clave:

Pedro Nava, arte, literatura, estilística, crítica genética

Resumen


Este artigo analisa a construção textual do Pedro Nava, com base na crítica genética e estilística. Serão analisados os documentos de processo utilizados e os princípios que direcionam a busca pela composição estética. A mistura de elementos artísticos e literários na formulação da escrita do autor, bem como a utilização de desenhos na construção dos personagens, resultam na concretização de um pensamento marcadamente visual, uma vez que a condensação da visualidade passa por um processo de expansão na transformação de imagens em palavras, resultando num estilo raro do ponto de vista plástico e imagético.

|Resumen
= 114 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 125 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Edina Regina Pugas Panichi, Universidad Estatal de Londrina - UEL

Formada em Letras Anglo-Portuguesas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR (Brasil). Especialista em Língua Portuguesa pela Universidade Estadual de Londrina – UEL (Brasil). Mestre em Letras pela Universidade Estadual Paulista – UNESP (Brasil). Doutora em Letras pela Universidade Estadual Paulista – UNESP (Brasil). Pós-Doutoramento em Teoria/Crítica Literária pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (Brasil). Atualmente é Docente Sênior do Programa de Mestrado e Doutorado em Estudos da Linguagem da Universiade Estadual de Londrina - UEL (Brasil), ministrando duas disciplinas (Estilística da Língua Portuguesa e Construção Textual: A Estética do Movimento Criador) e orientando dissertações de mestrado e teses de doutorado. Coordena o projeto de pesquisa intitulado «Arquivos de criação: diálogos entre linguagens». Trabalha com crítica genética e estilística, sendo especialista em processos criativos. Seu primeiro livro publicado Pedro Nava e a Construção do Texto foi indicado ao Prêmio Jabuti que é considerado o maior prêmio da Literatura Brasileira.

Citas

1. Andrade, C. D. de. (2012). A rosa do povo. São Paulo: Companhia das Letras.
2. Andrade, M. de. (1930, março 29). O conto semanal. Jornal Diário Nacional. São Paulo.
3. Andrade, M. de. (1982). Correspondente contumaz: cartas a Pedro Nava. (Ed. prep. por F. R. Peres). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
4. Alencar, J. de. (2012). Iracema. Cotia: Ateliê Editorial.
5. Bandeira, M. (1946). Antologia de poetas brasileiros contemporâneos. Rio de Janeiro: Zélio Valverde.
6. Camões, L. V. de. (2014). Os Lusíadas. São Paulo: Melhoramentos.
7. Cressot, M. (1980). O estilo e as suas técnicas. (Trad. M.C. Ferreira). Lisboa: Edições 70.
8. D’Avila, P. A. (2012) Análise dos princípios do processo de design da pintura de Peter Paul Rubens: o caso da obra «O rapto das filhas de Leucipo» (Dissertação de mestrado). Centro Universitário Ritter dos Reis, Porto Alegre, RS, Brasil.
9. Dias, S. (1980). Obra poética. Porto: Brasília Editora.
10. Feijó, A. (2004). Líricas e bucólicas. Porto: Magalhães, 1884. In Mouzinho, A. R. (Org.). A circulatura do quadrado: alguns dos mais belos sonetos de poetas cuja mátria é a língua portuguesa (p. 165). Porto: Edições Unicepe - Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto.
11. Foucault, M. (2008.) O nascimento da clínica. São Paulo: Forense Universitária.
12. Garcia, C. F. (1997). A escrita frankenstein de Pedro Nava. Fortaleza: EUFC.
13. Grésillon, A. (2007). Elementos de crítica genética: ler os manuscritos modernos. (Trad. C. C. Velho et al.). Porto Alegre: Editora da UFRS.
14. Guimaraens, A. de. (1960). Obra completa. Rio de Janeiro: J. Aguilar.
15. Hay, L. (2007). A literatura dos escritores: questões de crítica genética (Trad. C. P. B. Mourão). Belo Horizonte: Editora UFMG.
16. Lapa, M. R. (1998). Estilística da língua portuguesa (4a edição). São Paulo: Martins Fontes.
17. Machado, R. (1924). Asas aflitas. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial.
18. Maranhão, P. F. (2017). A arte e a neurologia de Paul Richer. Arquivos de Neuro- Psiquiatria, 75(7), 484-487. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282x2017000700484&Ing=en&nrm=iso doi.org/10.1590/0004-282x20170067
19. Maranhão, P. F. (2013). Henri Meige: a síndrome, o artista e o martelo. Revista Brasileira de Neurologia, 49(2), 80-81.
20. Martins, N. S. (2012). Introdução à estilística: a expressividade na língua portuguesa (4a edição). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
21. Nava, P. (1983). Baú de ossos: memórias 1 (6a edição). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
22. Nava, P. (1986). Balão cativo: memórias 2 (4a edição). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
23. Nava, P. (1976). Chão de ferro: memórias 3. Rio de Janeiro: José Olympio.
24. Nava, P. (1979). Beira-mar: memórias 4 (2a edição). Rio de Janeiro: José Olympio.
25. Panichi, E. (2016). Processos de construção de formas na criação: o projeto poético de Pedro Nava. Londrina: Eduel.
26. Moraes, V. de. (2000). Antologia poética. Rio de Janeiro: Companhia do Bolso.
27. Oliveira, J. M. (2014). A história da moda masculina: década de 1910. https://mondomoda.com.br/2014/05/19/a-historia-da-moda-masculina-decada-de-1910/
28. Ostrower, F. (1999). Acasos e criação artística (2a edição). Rio de Janeiro: Elsevier.
29. Salles, C. A. (2006) Redes da criação: construção da obra de arte. São Paulo: Editora Horizonte.
30. Vianna, P. R. (1883). Elzira: a morta virgem. Rio de Janeiro: Livraria H. Antunes LTDA.
31. Willemart, P (2009). Os processos de criação na escritura, na arte e na psicanálise. São Paulo: Perspectiva.

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

Pugas Panichi, E. R. (2021). A arte transformada em palavras. Lingüística Y Literatura, 42(79), 482–500. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a27