Algumas comparações entre a Teogonia, de Hesíodo, e Saturno devorando um filho, de Francisco de Goya

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a28

Palabras clave:

Saturno devorando um filho, Teogonia, grotesco, poética, tradução intersemiótica

Resumen


A partir da escritura da epopeia de Hesíodo, efabulações da cena do engolimento dos filhos de Crono se tornaram recorrentes na iconografia ocidental, com numerosas releituras produzidas desde a Antiguidade clássica até o período romântico. Nesse cenário, por intermédio de uma perspectiva comparatista e semiótica, se analisa a tradução da segunda fase cósmica da Teogonia, elaborada por Francisco de Goya, em Saturno devorando um filho. Constata-se que a composição do poema se estabelece no passado épico absoluto e da pintura no inquietante. Ademais, se reconhece a transversalidade do processo de significação nas matrizes verbal e visual entre as obras.

|Resumen
= 274 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 149 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Jorge Antonio Berndt, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Professor graduado em Licenciatura em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste (Brasil). Bolsista da Fundação Araucária, com o projeto Ressignificações da Guerra do Contestado na Literatura. Colaborador do grupo de pesquisa «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização». Atualmente é acadêmico de Licenciatura em Letras Português/Espanhol pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste (Brasil). 

Marianna Bernartt Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Estudante de Licenciatura em Letras Português/Espanhol pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná –Unioeste (Brasil). Colaboradora do grupo de pesquisa «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização». Bolsista da Fundação Araucária, com os projetos sobre estética e semiótica, respectivamente: A figuração do grotesco em Francisco de Goya e Repetições e diferenças de topoi clássicos: as interfaces sincréticas entre as linguagens verbal e pictóricas.

Valdeci Batista de Melo Oliveira, Universidad Estatal del Oeste de Paraná - Unioeste

Doctora en Letras (Literatura Portuguesa) por la Universidad de São Paulo (Brasil). Profesora del Curso de Letras de la Universidad Estatal de Paraná Occidental - Unioeste (Brasil). Profesora del Máster Profesional en Letras y del Programa de Posgrado en Letras, Maestría y Doctorado. Miembro de grupos de investigación CNPq «Etnia, Diversidade e Gênero; Linguagem e Sociedade» y «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização».

Citas

1. Aristóteles. (2013). Poética e Tópicos i, ii, iii, iv. São Paulo: Hunter Books.
2. Arnheim. (2005). Arte e Percepção Visual: Uma Psicologia da Versão Criadora. São Paulo: Martins Fontes. E-book.
3. Auerbach, E. (2015). Mimesis: A Representação Da Realidade na Literatura Ocidental. São Paulo: Perspectiva.
4. Bakhtin, M. (2010). A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec Editora.
5. Bakhtin, M. (2014). Questões de Literatura e Estética: A Teoria do Romance. São Paulo: Hucitec Editora.
6. Bueno, S. (2000). Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD.
7. Calvino, I. (1993). Por qué leer los clásicos. Barcelona: Tusquets.
8. Caragli, G. J. Saturn in a niche devouring his son, standing before a scythe, from a series of mythological gods and goddesses. [Gravura]. Nova Iórque: Metropolitan Museum of Art. https://www.metmuseum.org/art/collection/search/368120
9. Carlson, M. (1997). Teorias do Teatro. São Paulo: Editora UNESP.
10. Carvalhal, T. F. (1986). Literatura Comparada. São Paulo: Editora Ática.
11. Freud, S. (1997). Los dos princípios del suceder psíquico. En Freud, S. (1997). Los textos fundamentales. Barcelona: Litografia Rosés.
12. Freud, S. (2010). História de Uma Neurose Infantil. São Paulo: Companhia das Letras.
13. Goethe, J. W. (2011). Jardim de Marta. En Goethe, J. W. (2011). Fausto, i. São Paulo: Editora 34.
14. Goya, F. (1780). Cristo crucificado. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/cristo-crucificado/093cbda0-b9c4-445e-b6d3-56c423811f46
15. Goya, F. (1786). El otoño. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/la-vendimia-o-el-otoo/3fdc2d25-e302-42ec-9ac5-6216ca7bfe74
16. Goya, F. (1820-1823). Saturno devorando um filho. [Óleo sobre reboco trasladado a tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno/18110a75-b0e7-430c-bc73-2a4d55893bd6
17. Goya, F. ([1810-1815], 1863). Los desastres de la guerra. Madrid: Publícala Real Academia de Nobles Artes de San Fernando.
18. Goya, F. ([1799], 1969). Los Caprichos. New York: Dover Publications.
19. Hesíodo. (1995). Teogonia: A Origem dos Deuses. São Paulo: Iluminuras.
20. Hesiodus. (1831). Hesiodi carmina. Gothar et Erfordiae. Sumtibus Hennings.
21. Homero. (2003). Odisseia (Tradução de Frederico Lourenço). Lisboa: Cotovia.
22. Homero. (2005). Ilíada (Tradução de Frederico Lourenço). Lisboa: Cotovia.
23. Kayser, W. (1986). O Grotesco. São Paulo: Perspectiva.
24. Lukács, G. (2009). A Teoria do Romance. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34.
25. Macey S. (1978) The Changing Iconography of Father Time. In J. T. Fraser, N. Lawrence, & D. A. Park, (Eds.) The Study of Time, iii. Springer, New York, NY. https://doi.org/10.1007/978-1-4612-6287-9_24
26. Mestres da Pintura. (1977). Mestres da pintura: Goya. São Paulo: Abril Cultural.
27. Peirce, C. S. (2005) Semiótica, 46. São Paulo: Perspectiva.
28. Pezzini, P. G. (2019). Da narrativa literária à cinematográfica: a função estética do PERCOR na tradução intersemiótica de a grande arte e high art (Graduada. Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
29. Plaza, J. (2013). Tradução Intersemiótica. São Paulo: Perspectiva.
30. Rubens, P. P. (1636-1638). Saturno devorando a un hijo. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno-devorando-a-un-hijo/d022fed3-6069-4786-b59f-4399a2d74e50
31. Santaella, L. (2009). Matrizes da Linguagem e do Pensamento: Sonora, Visual, Verbal. São Paulo: Iluminuras.
32. Santaella, L. (2001). Imagem: Cognição, Semiótica, Mídia. São Paulo: Iluminuras.
33. Santayana, G. (1955). The Sense of Beauty: Being the Outline of Aesthetic Theory. New York: Dover Publications.
34. Saturno. [s. d.]. Madrid: Museu Nacional del Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno/18110a75-b0e7-430c-bc73 2a4d55893bd6?searchMeta=saturn
35. Todorov, T. (2014). Goya a Sombra das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras.
36. Torrano, J. A. A. (1995). Três Ases e Três Linhagens. Teogonia: A Origem dos Deuses (pp. 40-56). São Paulo: Iluminuras.
37. Vico, G. (2015). Ciência Nova. São Paulo: HUCITEC Editora.

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

Berndt, J. A. ., Bernartt Silva, M., & de Melo Oliveira, V. B. (2021). Algumas comparações entre a Teogonia, de Hesíodo, e Saturno devorando um filho, de Francisco de Goya. Lingüística Y Literatura, 42(79), 501–518. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a28