Algumas comparações entre a Teogonia, de Hesíodo, e Saturno devorando um filho, de Francisco de Goya

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a28

Palabras clave:

Saturno devorando um filho, Teogonia, grotesco, poética, tradução intersemiótica

Resumen


A partir da escritura da epopeia de Hesíodo, efabulações da cena do engolimento dos filhos de Crono se tornaram recorrentes na iconografia ocidental, com numerosas releituras produzidas desde a Antiguidade clássica até o período romântico. Nesse cenário, por intermédio de uma perspectiva comparatista e semiótica, se analisa a tradução da segunda fase cósmica da Teogonia, elaborada por Francisco de Goya, em Saturno devorando um filho. Constata-se que a composição do poema se estabelece no passado épico absoluto e da pintura no inquietante. Ademais, se reconhece a transversalidade do processo de significação nas matrizes verbal e visual entre as obras.

|Resumen
= 352 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 195 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Jorge Antonio Berndt, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Professor graduado em Licenciatura em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste (Brasil). Bolsista da Fundação Araucária, com o projeto Ressignificações da Guerra do Contestado na Literatura. Colaborador do grupo de pesquisa «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização». Atualmente é acadêmico de Licenciatura em Letras Português/Espanhol pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste (Brasil). 

Marianna Bernartt Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Estudante de Licenciatura em Letras Português/Espanhol pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná –Unioeste (Brasil). Colaboradora do grupo de pesquisa «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização». Bolsista da Fundação Araucária, com os projetos sobre estética e semiótica, respectivamente: A figuração do grotesco em Francisco de Goya e Repetições e diferenças de topoi clássicos: as interfaces sincréticas entre as linguagens verbal e pictóricas.

Valdeci Batista de Melo Oliveira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (Brasil). Docente do Curso de Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste (Brasil). Docente do Mestrado Profissional em Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras, nível Mestrado e Doutorado. Membra dos Grupos de Pesquisa CNPq «Etnia, Diversidade e Gênero; Linguagem e Sociedade» e «Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização».

Citas

Aristóteles. (2013). Poética e Tópicos i, ii, iii, iv. São Paulo: Hunter Books.

Arnheim. (2005). Arte e Percepção Visual: Uma Psicologia da Versão Criadora. São Paulo: Martins Fontes. E-book.

Auerbach, E. (2015). Mimesis: A Representação Da Realidade na Literatura Ocidental. São Paulo: Perspectiva.

Bakhtin, M. (2010). A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec Editora.

Bakhtin, M. (2014). Questões de Literatura e Estética: A Teoria do Romance. São Paulo: Hucitec Editora.

Bueno, S. (2000). Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD.

Calvino, I. (1993). Por qué leer los clásicos. Barcelona: Tusquets.

Caragli, G. J. Saturn in a niche devouring his son, standing before a scythe, from a series of mythological gods and goddesses. [Gravura]. Nova Iórque: Metropolitan Museum of Art. https://www.metmuseum.org/art/collection/search/368120

Carlson, M. (1997). Teorias do Teatro. São Paulo: Editora UNESP.

Carvalhal, T. F. (1986). Literatura Comparada. São Paulo: Editora Ática.

Freud, S. (1997). Los dos princípios del suceder psíquico. En Freud, S. (1997). Los textos fundamentales. Barcelona: Litografia Rosés.

Freud, S. (2010). História de Uma Neurose Infantil. São Paulo: Companhia das Letras.

Goethe, J. W. (2011). Jardim de Marta. En Goethe, J. W. (2011). Fausto, i. São Paulo: Editora 34.

Goya, F. (1780). Cristo crucificado. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/cristo-crucificado/093cbda0-b9c4-445e-b6d3-56c423811f46

Goya, F. (1786). El otoño. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/la-vendimia-o-el-otoo/3fdc2d25-e302-42ec-9ac5-6216ca7bfe74

Goya, F. (1820-1823). Saturno devorando um filho. [Óleo sobre reboco trasladado a tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno/18110a75-b0e7-430c-bc73-2a4d55893bd6

Goya, F. ([1810-1815], 1863). Los desastres de la guerra. Madrid: Publícala Real Academia de Nobles Artes de San Fernando.

Goya, F. ([1799], 1969). Los Caprichos. New York: Dover Publications.

Hesíodo. (1995). Teogonia: A Origem dos Deuses. São Paulo: Iluminuras.

Hesiodus. (1831). Hesiodi carmina. Gothar et Erfordiae. Sumtibus Hennings.

Homero. (2003). Odisseia (Tradução de Frederico Lourenço). Lisboa: Cotovia.

Homero. (2005). Ilíada (Tradução de Frederico Lourenço). Lisboa: Cotovia.

Kayser, W. (1986). O Grotesco. São Paulo: Perspectiva.

Lukács, G. (2009). A Teoria do Romance. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34.

Macey S. (1978) The Changing Iconography of Father Time. In J. T. Fraser, N. Lawrence, & D. A. Park, (Eds.) The Study of Time, iii. Springer, New York, NY. https://doi.org/10.1007/978-1-4612-6287-9_24

Mestres da Pintura. (1977). Mestres da pintura: Goya. São Paulo: Abril Cultural.

Peirce, C. S. (2005) Semiótica, 46. São Paulo: Perspectiva.

Pezzini, P. G. (2019). Da narrativa literária à cinematográfica: a função estética do PERCOR na tradução intersemiótica de a grande arte e high art (Graduada. Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Plaza, J. (2013). Tradução Intersemiótica. São Paulo: Perspectiva.

Rubens, P. P. (1636-1638). Saturno devorando a un hijo. [Óleo sobre tela]. Madri: Museu Nacional do Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno-devorando-a-un-hijo/d022fed3-6069-4786-b59f-4399a2d74e50

Santaella, L. (2009). Matrizes da Linguagem e do Pensamento: Sonora, Visual, Verbal. São Paulo: Iluminuras.

Santaella, L. (2001). Imagem: Cognição, Semiótica, Mídia. São Paulo: Iluminuras.

Santayana, G. (1955). The Sense of Beauty: Being the Outline of Aesthetic Theory. New York: Dover Publications.

Saturno. [s. d.]. Madrid: Museu Nacional del Prado. https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/saturno/18110a75-b0e7-430c-bc73 2a4d55893bd6?searchMeta=saturn

Todorov, T. (2014). Goya a Sombra das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras.

Torrano, J. A. A. (1995). Três Ases e Três Linhagens. Teogonia: A Origem dos Deuses (pp. 40-56). São Paulo: Iluminuras.

Vico, G. (2015). Ciência Nova. São Paulo: HUCITEC Editora.

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

Berndt, J. A. ., Bernartt Silva, M., & de Melo Oliveira, V. B. (2021). Algumas comparações entre a Teogonia, de Hesíodo, e Saturno devorando um filho, de Francisco de Goya. Lingüística Y Literatura, 42(79), 501–518. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a28

Artículos similares

> >> 

También puede Iniciar una búsqueda de similitud avanzada para este artículo.