A ciência geográfica na escola: pressupostos de um currículo escolar fundamentado no conhecimento disciplina

Autores/as

  • Sonia Maria Vanzella Castellar Universidade de São Paulo
  • Daniel Luiz Stefenon Universidade Estadual do Centro Oeste

Palabras clave:

geografia, currículo, conhecimento disciplinar, formação de conceitos

Resumen


As discussões sobre os diferentes saberes que constituem o currículo escolar ganham uma importância cada vez mais notável, principalmente quando colocadas nesse debate questões relativas à função e ao papel da escola na contemporaneidade. Dentro desse contexto, o presente artigo busca reunir alguns pontos de reflexão relativos ao papel do conhecimento disciplinar na definição do currículo da Geografia ensinada na escola, bem como sua relação com os conhecimentos emergentes do mundo vivido pelos alunos. O conjunto das reflexões aqui elencadas é um fruto de discussões originadas de um projeto de pesquisa que está sendo desenvolvido pelos autores, o qual busca compreender melhor o papel do conhecimento científico na definição e legitimação do currículo escolar da Geografia. Apoiando-se no referencial oferecido por Basil Bernstein e Michael Young, bem como nos fundamentos das teorias construtivistas, propomos o resgate do conhecimento científico-geográfico como balizador da constituição do currículo na escola, visto aqui como um conjunto de “conhecimentos poderosos” capazes de dotar os estudantes de condições efetivas para perceber a realidade em seu entorno e para intervir nela.

|Resumen
= 192 veces | PDF
= 129 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Sonia Maria Vanzella Castellar, Universidade de São Paulo

Professora Livre Docente do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Brasil.

Daniel Luiz Stefenon, Universidade Estadual do Centro Oeste

Professor de   Prática de   Ensino em   Geografia da   Universidade Estadual do   Centro Oeste (Unicentro), Campusde Irati, Paraná, Brasil. Doutorando em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 

Citas

BACHELARD, G. (1996). A formação do espírito científico: uma contribuição para a psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Contraponto.

BERNSTEIN, B. (1984) Classes e pedagogia: visível e invisível. Cadernos de Pesquisa, 49, p. 26-42.

BERNSTEIN, B. (1996). A estruturação do discurso pedagógico: classes, códigos e controle. Petrópolis: Editora

Vozes.

CARVALHO, A. M. P. e PEREZ, G. (2011). Formação de Professores de Ciências: tendências e inovações. São Paulo.

Cortez Editores.

CASTELLAR, S. M. V. (2010). Didática da Geografia escolar: possibilidades para o ensino e a aprendizagem no ensino fundamental. Tese para Livre-Docência da Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

FORQUIN, J. C. (1993). Escola e Cultura: As bases epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Editora Artes Médicas.

LURIA, A. R. (1990) Desenvolvimento cognitivo. São Paulo: Editora Ícone.

MOREIRA, A. F. B. (2000). Currículo, utopia e pós-modernidade. In: MOREIRA, A. F. B. (org). Currículo: questões atuais. Campinas: Editora Papirus.

MOREIRA, R. (2007). Pensar e ser em Geografia. São Paulo: Editora Contexto.

ROSS, J. L. S. (2004). São Paulo: a cidade e as águas. In: CARLOS, A.F. A.; OLIVEIRA, A. U. (Orgs). Geografias de São Paulo. A metrópole do século XXI. São Paulo: Editora Contexto, 2004, p 183-220. v. 2

SACRISTÁN, J, G. (1995). Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, T. T.; MOREIRA, A. F. B. (orgs.). Territórios Contestados: O currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Editora Vozes.

SACRISTÁN, J. G. e GÓMEZ, A. I. P. (2000). Compreender e Transformar o Ensino. Porto Alegre: Editora Artmed.

SANTOS, B. S. (1999). A construção multicultural da igualdade e da diferença. Oficina do Centro de Estudos Sociais, 135, Coimbra, s/d.

SANTOS, L. C. P. (2003). Bernstein e o campo educacional: relevâncias, influências e incompreensões. Cadernos de Pesquisa, 120, p. 15-49.

SILVA, T. T. (2010). Documentos de identidade:uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

YOUNG. M. F. D. (2007) Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, 28 (101), Campinas/Unicamp, p. 1287-1302.

____________ (2011). O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação. Vol. 16 (48), p. 609-623.

VIGOTSKI, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem: Textos de Psicologia. São Paulo: Editora Martins Fontes.

Descargas

Publicado

2015-07-31

Cómo citar

Vanzella Castellar, S. M., & Luiz Stefenon, D. (2015). A ciência geográfica na escola: pressupostos de um currículo escolar fundamentado no conhecimento disciplina. Uni-Pluriversidad, 15(1), 15–23. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/unip/article/view/23631

Número

Sección

INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS