Prácticas de educación ambiental en la formación de profesores de educación física

Palabras clave: educación ambiental, educación física, enseñanza

Resumen

En el estudio se buscó identificar las prácticas de educación ambiental en la formación y actuación de los profesores de educación física, desde la revisión de literatura y la evaluación del currículo de formación para su actuación con la educación ambiental en la región del Cariri Cearense. Se destacan los desafíos en la formación académica inicial y las posibilidades de enseñanza en actividades ligadas a las prácticas corporales, como un eslabón en la promoción y construcción de nuevos valores pro-ambientales, capaces de generar nuevas sensibilidades para la relación entre el ser humano y el medio ambiente. Se hace necesaria la reafirmación y divulgación de los principios, objetivos y valores socioambientales, y una amplia sensibilización de todas las personas respecto a lo que debemos enfrentar, desde la formación inicial de los profesores, a una ampliación de los debates más allá de la escuela, en la búsqueda de romper con la pragmática de la aptitud física y deportiva de las aulas de educación física escolar.

|Resumen
= 282 veces | HTML (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 69 veces| XML
= 0 veces| PDF
= 25 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

José de Caldas Simões Neto, Centro Universitario Dr. Leão Sampaio

Master en Educación de la Universidad Regional de Cariri. Miembro del Núcleo de Investigación, Estudio y Extensión en Educación Física (NUPEF) de la Universidad Regional de Cariri.

Ariza Maria Rocha, Universidad Regional de Cariri

Doctorado en Educación por la Universidad Federal de Ceará. Profesor de la Universidad Regional de Cariri. Líder del Centro de Investigación, Estudio y Extensión en Educación Física - NUPEF en la niversidad Regional de Cariri.

Citas

Almeida, J. (1994). Desenvolvimento ecologicamente auto-sustentável: Conceitos, princípios e implicações.Humanidades, 10(4), 284-299.

Antuniassi, M. (1995). Educação ambiental e democracia. São Paulo: Gaia.

Carvalho, I. (2004). Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação ambiental. In P. Layrargues (Org.), Identidades da educação ambiental brasileira (pp.13-24). Brasilia: Edições Ministério do Meio Ambiente.

Castilho, J., & Schwartz, G. (2010). Caminho da fé: reflexões sobre lazer e ambiência.Motriz: Revista de Educação Física, 16(3), 559-570.

Coelho, J., Gouveia, V., & Milfont, T. (2006). Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental.Psicologia em Estudo,11(1), 199-207.

Conselho Nacional de Educação. (2004) Resolução CNE/CES 7 de 2004, Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Brasil: Conselho Nacional de Educação.

Conselho Nacional de Educação. (2012) Resolução nº 2 de 2012, estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasil: Conselho Nacional de Educação .

Corral, V. (2000). La definición del comportamiento proambiental.Psicología Social en México, 8(1), 466-472.

Domingues, S., Kunz, E., & de Araújo, L. (2011). Educação ambiental e educação física: possibilidades para a formação de professores.Revista Brasileira de Ciências do Esporte,33(3), 559-571.

Figueiredo, J., & Schwartz, G. (2013). Atividades de aventura e educação ambiental como foco nos periódicos da área de Educação Física.Motriz: Revista de Educação Física , 19(2), 467-479.

Figueiredo, R. (2002). Educação física para educação ambiental: Uma relação a ser construída na transitoriedade (Dissertação de Mestrado). Brasília: Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável.

Garcia, L., Kowalski, M., & Alves, R. (2009). Lazer e meio ambiente: as práticas educativas e de sensibilização na natureza por meio do lazer e seu potencial na estação de pesquisa, treinamento e educação ambiental -Mata do Paraíso em Viçosa-MG.Licere, 12(3), 1-31.

Ghiraldelli, P. (1998).Educação física progressista: a pedagogia crítico-social dos conteúdos e a Educação Física brasileira. São Paulo: Edições Loyola.

Guerra, A. (2013). Ambientalização curricular e sustentabilidade na Universidade: concepções de professores e coordenadores de cursos de graduação da Univali. InXI Congresso Nacional de Educação Educere. Pontificia Universidade Católica do Paraná. Curitiba

Ihering, R. (2002). A luta pelo direito. São Paulo: Editora Martin Claret.

Kunz, E. (1997). Pensando o currículo coletivamente: Parceria UFSC-PMF. In Seminário de Educação Física Escolar e Ensino Médio (pp.98-106). São Paulo: Editora da USP.

Leite, D., & Caetano, C. (2004). Educação física, esporte e lazer na natureza: Preservação, modismo, apologia. Será tudo isso? Motrivivência, 26(22), 137-143.

Lima, G. (2011). Educação ambiental no Brasil: Formação, identidades e desafios. Campinas, São Paulo: Papiros.

Medina, J. (1986).A educação física cuida do corpo... e "mente". Bases para a renovação e transformação da educação física. Campinas: Papirus Editora.

Mello, A. (2013). Lazer e educação ambiental: relato de experiências na formação inicial em Educação Física. Licere,16(2), 1-13.

Mendes, K., Silveira, R., & Galvão, C. (2008). Revisão integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem,17(4), 758-764.

Nascimento, C., Lima, M., Lopes, N., & Leite, R. (2014). Ciências Naturais e interdisciplinaridade: um relato de experiência do projeto reciclagem e sustentabilidade do planeta terra. Revista da SBEnBio, 7, 1107-1116.

Osborne, R., & Batista, W. (2009). Educação Física na década da educação para o desenvolvimento sustentável.Motriz. Revista de Educação Física, 16(1), 28-36.

Pavesi, A., Farias, C., & Oliveira, H. (2006). Ambientalização da educação superior como aprendizagem institucional.ComScientia Ambiental, 2.

Presidência da República. (1973) Decreto nº 73.030 de 1973. Cria, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente-SEMA e da outras providências. Brasil: Presidência.

Presidência da República. (1981) Lei 6.938 de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasil: Presidência .

Presidência da República. (1996) Lei nº 9.394 de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasil: Presidência .

Presidência da República. (2002) Decreto nº 4.281 de 2002. Regulamenta a Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Brasil: Presidência .

Reigota, M. (2010).O que é educação ambiental. São Paulo: Editora Brasiliense.

Reis, A. (2003). A formação do professor e a Educação Ambiental (Dissertação de mestrado). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação.

Rezer, R. (2007). Relações entre conhecimento e prática pedagógica no campo da educação física: pontos de vista.Motrivivência ,19(28), 38-62.

Rodrigues, C. (2012). A ambientalização dos currículos de Educação Física no ensino superior. Motriz. Revista de Educação Física , 18(3), 557-570.

Rodrigues, C. (2015a). A ambientalização curricular de programas de Educação Física em universidades federais do Brasil. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 29(3), 421-437.

Rodrigues, C. (2015b). O Jogo, o esporte e o lazer na constituição do ideário ambiental. Licere , 18(1), 29-55.

Secretaria de Educação Fundamental (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental.

Senado Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal.

Senado Federal. (1996) Lei 9.394 de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasil: Senado Federal.

Senado Federal. (1999). Lei 9.795 de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasil: Senado Federal .

Silva, F., Silva, A., & de Deus, I. (2008). A Educação Física frente a temática ambiental: alguns elementos teórico-metodológicos.Motrivivência , 30, 44-60.

Souza, M., & Lara, G. (2011). Prática pedagógica em educação física e a educação ambiental. Pensar a Prática, 14(2), 1-11.

Stetler, C., Morsi, D., Rucki, S., Broughton, S., Corrigan, B., Fitzgerald, J., & Sheridan, E. (1998). Utilization-focused integrative reviews in a nursing service.Applied Nursing Research,11(4), 195-206.

Taffarel, C., & Lacks, S. (2007). Formação humana e formação de professores: contribuições para a construção do projeto histórico socialista. InAnais do XV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte - II Congresso Internacional de Ciências do Esporte/Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Recife: CBCE.

Tavares, F. (2003). A Educação Ambiental na formação de professores de Educação Física: Uma emergente conexão. Lecturas, Educación Física y Deportes, 9(61).

Tavares, F., & Levy, M. (2000). Implementação da educação ambiental na graduação de professores de educação física: Uma reflexão.Ambiente & Educação Revista de Educação Ambiental,5/6, 331-341.

Teixeira, C., & Torales, M. (2014). A questão ambiental e a formação de professores para a educação básica: um olhar sobre as licenciaturas.Educar em Revista, 3, 127-144.

Torales, M. (2013). A inserção da educação ambiental nos currículos escolares e o papel dos professores: Da ação escolar a ação educativo-comunitária como compromisso político-ideológico. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Volume Especial, 1-17.

Publicado
2019-09-11
Cómo citar
Simões Neto J. de C., & Rocha A. M. (2019). Prácticas de educación ambiental en la formación de profesores de educación física. Educación Física Y Deporte, 37(2). https://doi.org/10.17533/udea.efyd.v37n2a02
Sección
Artículos de Investigación