Teamwork as a nursing competence at Intensive Care Units

  • Silvia Helena Camelo RN, Ph.D., Professor. University of São Paulo at Ribeirão Preto College of Nursing, EERP-USP, Brazil. email: shcamelo@eerp.usp.br.
  • Lucieli Dias Chaves RN, Ph.D., Professor, EERP-USP, Brazil. email: dpchaves@eerp.usp.br.
Keywords: Intensive care units; nurses; interpersonal relations.

Abstract

Objective. The aim in this study was to identify how Intensive Care Unit nurses perceive professional competences in the care team.

Methodology. Qualitative multiple case study with an exploratory focus. The sample consisted of 24 nurses from Intensive Care Units (ICU) at two large hospitals. To collect the information, direct observation and – structured, non-structured and participant – interviews were used.

Results. Ninety-six percent of the participants were women, 79% were less than 40 years old, and 63% possessed less than five years of professional experience in ICU. Data analysis revealed three study categories: teamwork as a nursing management tool, improving teamwork, and interpersonal communication for teamwork.

Conclusion. At the ICU where the nurses work, a teamwork strategy is observed, which demands cooperation and participation by other disciplines. 

|Abstract
= 381 veces | RESUMEN | RESUMO
= 93 veces| PDF (ENGLISH)
= 391 veces| HTML (ENGLISH)
= 748 veces| HTML (PORTUGUÊS)
= 266 veces| MCORREAHOYOS, FORMATOCURRICULUM_AUTOR-_SILVIA_HELENA_HENRIQUES_CAMELO[1].DOC
= 0 veces| MCORREAHOYOS, FORMATOCURRICULUM_AUTOR-_LUCILEI_DIAS_CHAVES[1].DOC
= 0 veces| MCORREAHOYOS, APROVAÇÃO DO CEP.JPG
= 0 veces| MCORREAHOYOS, DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE DOS AUTORES.JPG
= 0 veces| MCORREAHOYOS, RESEARCHASSOCIATEDPUBLICATIONSFORMAT[1].DOC
= 0 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

References

(1) Pinho IC, Siqueira JCBA, Pinho LMO. As percepções do enfermeiro acerca da integralidade da assistência. Rev eletrônica enferm. 2006; 8(1):42-51.

(2) Cecilio LCO, Merhy EE. A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. In: Pinheiro R, Matos RA, (orgs). Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro (RJ): IMS/UERJ/ABRASCO; 2003. p.197-210

(3) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Consulta Pública n.3 de 7 de julho de 2005. Consulta Pública à Portaria GM/MS n. 1.071, de 4 de julho de 2005, que institui a Política Nacional de Atenção ao Paciente Crítico. Diário Oficial da União. (2005 Jun 4).

(4) Lino MM, Calil AM. O ensino de cuidados críticos/intensivos na formação do enfermeiro: momento para reflexão. Rev Esc Enferm USP. 2008; 42(4):777-83.

(5) Morton PG, Fontaine DK, Hudak CM, Gallo BM. Cuidados críticos de enfermagem: uma abordagem holística. 8th ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

(6) Meghnagi S. The contexts of training. In: Working time, training time. Agora VII. Luxembourg: European communities; 2003. Cedefop Panorama Series 67.

(7) Kobayashi RM. A construção de competências profissionais dos enfermeiros em serviço num hospital de ensino. [Dissertation]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2007.

(8) Elmers CR. The Role of preceptor and nurse leader in developing intensive care unit competency.Crit Care Nurs Q. 2010; 33(1):10-8.

(9) Swinny B. Assessing and developing critical-thinking skills in the intensive care unit. Crit Care Nurs Q. 2010. 2010; 33(1):2-9.

(10) Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Públ. 2001; 35(1):103-9.

(11) Barros ME, Benevides de Barros R. A potência formativa do trabalho em equipe no campo da saúde. In: Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Pinheiro R, Barros E, Mattos, R. (Editors). Rio de Janeiro: IMS/UERJ/ABRASCO; 2007. p.75-84

(12) Bonaldi C, Gomes RS, Louzada APF, Pinheiro R. O trabalho em equipe como dispositivo de integralidade: experiências cotidianas em quatro localidades brasileiras. In: Pinheiro R, Barros MEB, Matos RA, (Editors.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ/ABRASCO; 2007. p.53-7

(13) Spagnol CA, Ferraz CA. Tendências e perspectivas da administração em enfermagem: um estudo na Santa Casa de Belo Horizonte-MG. Rev Latino-Am Enfermagem. 2002; 10(1):15-20.

(14) Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman; 2005.

(15) Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11st ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2010.

(16) Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de ética em Pesquisa. Resolução N° 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. (1996 Oct 10).

(17) Almeida MCP, Robazzi MLCC, Scochi CGS, Bueno SMV, Cassiani SHB, Saeki T, et al. Perfil da demanda dos alunos da pós-graduação stricto sensu da escola de enfermagem de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004; 12(2):153-61.

(18) Pinho DLM. O trabalho da enfermagem e a gestão da informação: uma análise ergonômica das atividades das enfermeiras no contexto hospitalar [Dissertation]. Brasília (DF): Instituto de Psicologia/UNB; 2002.

(19) Formiga JMM, Germano RM, Vilar RLA, Dantas SMM [Internet]. Perfil do enfermeiro/aluno do curso de especialização PROFAE/RN [cited 2012 Jan 16]. Available from: http://www.observatorio.nesc.ufrn.br/texto_perfil05.pdf

(20) Martins C, Kobayashi RM, Ayoub AC, Leite MMJ. Perfil do enfermeiro e necessidades de desenvolvimento de competência profissional. Texto & contexto enferm. 2006; 15(3):472-8.

(21) Camelo, SHH. Competência profissional do enfermeiro para atuar em Unidades de Terapia Intensiva: uma revisão integrativa. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012; 20(1):192-200.

(22) Queiroz E, Araújo TCCF. Trabalho de equipe em reabilitação: um estudo sobre a percepção individual e grupal dos profissionais de saúde. Paidéia (Ribeirão Preto). 2009; 19(43):177-87.

(23) Borges-Andrade JE. Desenvolvimento de medidas em avaliação de treinamento. Estud psicol (Natal). 2002;7 (n. spe):31-43.

(24) Moreira MC, Silva SCSB. Práticas de liderança adotadas por enfermeiros no serviço noturno. Rev. Enferm UERJ. 2007; 15(2):183-9.

(25) Gaíva MAM, Scochi CGS. Processo de trabalho em saúde e enfermagem em UTI neonatal. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004; 12(3):469-76.

Published
2013-04-05
How to Cite
Camelo, S. H., & Chaves, L. D. (2013). Teamwork as a nursing competence at Intensive Care Units. Investigación Y Educación En Enfermería, 31(1). Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/iee/article/view/11766
Section
ORIGINAL ARTICLES / ARTÍCULOS ORIGINALES / ARTIGOS ORIGINAIS