Hypertensive patients’ attended with the family health strategy lifestyle

  • Elisabete Pimenta Araujo Paz Departamento de Enfermagem de Saúde Pública da Escola de Enfermagem Anna Nery (EEAN) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Maria Helena do Nascimento Souza Enfermeira, Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. email: mhnsouza@yahoo.com.br
  • Raphael Mendonça Guimarães Enfermeiro, Mestre em Saúde Coletiva. Professor da UFRJ, Brasil. email: rapha.spu@gmail.com.
  • Gabriella Fragoso Pavani Aluna do 8° Período do Curso de graduação em enfermagem da UFRJ, Brasil. email: gabriellapavani@yahoo.com.br.
  • Heloisa Ferreira dos Santos Correa Aluna do 8° Período do Curso de graduação em enfermagem da UFRJ, Brasil. email: hello_correa@yahoo.com.br.
  • Priscila Moreira de Carvalho Aluna do 8° Período do Curso de graduação em enfermagem da UFRJ, Brasil. email: pmcufrj@yahoo.com.br.
  • Ravenna Magalhães Rodrigues Aluna do 8° Período do Curso de graduação em enfermagem da UFRJ, Brasil. email: vinhamagalhaes@gmail.com.
Keywords: Life style; chronic disease; hypertension; family health program; public health nursing.

Abstract

Objective. To describe hypertensive patients’ attended with the Family Health strategy lifestyle.

Methodolo­gy. Cross sectional study, carried out between October 2009 and January 2010. 273 hypertensive patients randomly chosen from the Family Health program attended by three areas of Piraí/RJ (Brazil) participated. For data collection, the “fantastic lifestyle” questionnaire was used.

Results. From the studied sample: 61% were women, 56% were 60 and over years of age, 81% had a low level of education and 74% reported having low family income. The most frequent risk factors were: overweight or obesity (72%) and diabetes mellitus (37%). Lifestyle scores were: 13% excellent, 55% very good, 27% good, and 4% poor.

Conclusion. Even though lifestyle was considered satisfactory, conditions and health profiles indicate that there are still cardiovascular risk factors.

|Abstract
= 301 veces | PDF (PORTUGUÊS)
= 342 veces| HTML (PORTUGUÊS)
= 291 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

References

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Brasília (DF): El Ministério; 2006. p. 208.

Souza E, Silva NA; Maldonado C. A necessidade de mudança nas estratégias de intervenção para controlar a hipertensão arterial. Rev SOCERJ. 2003:16(1):65-75.

Mano R. Tratamento não-farmacológico da hipertensão arterial. Manual da hipertensão arterial [Internet]. 2002 [acesso: 2009 ago 06]. Disponível em: http://www.manuaisdecardiologia.med.br/has.

Mano GMP, Pierin AMG. Avaliação de pacientes hipertensos acompanhados pelo Programa Saúde da Família em um Centro de Saúde Escola. Acta Paul Enferm. 2005;18(3):269-75.

Sociedade Brasileira de Hipertensão. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Rev Bras Hipertens. 2010;3(1):1-68.

Fortes NA, Lopes MVO. Análise dos fatores que interferem no controle da pressão arterial de pessoas acompanhadas em uma unidade básica de atenção à saúde da família. Texto contexto – Enferm. 2004;13(1):26-34.

World Health Organization. Health Promotion Glossary. Geneva; WHO; 1998.

Medronho AR. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneo; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde e Educação. Portaria interministerial Nº 1.802, de 26 de agosto de 2008, Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET - Saúde. Brasilia: O ministério; 2008.

Wilson DM, Ciliska D. Lifestyle assessment: testing the Fantastic instrument. Can Fam Physician. 1984;30:1863-6.

Rodriguez-Añez CR, Reis RS, Petroski EL. Versão brasileira do Questionário Estilo de Vida Fantástico: tradução e validação para adultos jovens. Arq Bras Cardiol. 2008;91(2):102-9.

Veiga Jardim PCB, Gondim PMR, Monego TE, Monreira GH, Vitorino OP, Souza BW et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arq Bras Cardiol. 2007;88(4):452-7.

Jesus ES, Augusto MAO, Gusmão J, Mion Júnior D, Ortega K, Pierin AMG. Profile of hypertensive patients: biosocial characteristics, knowledge, and treatment compliance. Acta Paul Enferm. 2008;21(1):59-65.

De Araújo JC, Guimarães AC. Controle da hipertensão arterial em uma unidade de saúde da família. Rev Saúde Públ. 2007;41(3):368-74.

Taveira LF, Pierin AMG. Can the socioeconomic level influence the characteristics of a group of hypertensive patients? Rev Lat Am Enfermagem. 2007;15(5):929-35.

Lima MT, Bucher JSNF, Lima JWO. A hipertensão arterial sob o olhar de uma população carente: estudo exploratório a partir dos conhecimentos, atitudes e práticas. Cad Saúde Pública. 2004;20(4):933-40.

Duggan S, Eccles MP, Steen N, Jones S, Ford GA. Management of older patients with hypertension in primary care: improvement on the rule of halves. Age Aging. 2001;30:73-6.

Alves VS, Nunes MO. Educação em saúde na atenção médica ao paciente com hipertensão arterial no Programa Saúde da Família. Interface. 2006;10(19):131-47.

Firmo JOA, Uchôa E, Lima-Costa MF. Projeto Bambuí: fatores associados ao conhecimento da condição de hipertenso entre idosos. Cad Saúde Pública. 2004;20(4):512-21.

Mill JG, Ferreira AVL, Herkenhoff FL, Cunha RS, Molina MCB, Silva IO. Epidemiologia da hipertensão arterial na cidade de Vitória. Rev Bras Hipertens. 2004;7:109-16.

Freitas OC, Carvalho FR, Neves JM, Veludo PK, Parreira RS, Gonçalves RM. Prevalência da hipertensão arterial sistêmica na população urbana de Catanduva. Arq Bras Cardiol. 2001;77:9-15.

Gus I, Harzheim E, Zaslavsky C, Medina C, Gus M. Prevalência, reconhecimento e controle da hipertensão arterial sistêmica no Estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol. 2004;83:424-8.

Barreto SM, Passos VMA, Firmo JOA, Guerra HL, Vidigal PG, Lima-Costa MFF. Hypertension and clustering of cardiovascular risk factors in a community in Southeast Brazil – the Bambuí Health and Ageing Study. Arq Bras Cardiol. 2001;77:576-81.

Cabral LCL, Vitorino CML, Espíndula MB. Hipertensos usam corretamente as medicações, mas não mudam hábitos alimentares e estilo de vida. REE. 2009;1(2):1-26.

Gravina CF, Grespan SM, Borges JL. Tratamento não-medicamentoso da hipertensão no idoso. Rev Bras Hipertens. 2007;14(1):33-6.

Garperin D, Fensterserfer LM. As modificações do estilo de vida para hipertensos. Rev Gaucha Enferm. 2006;27(3):372-8.

De Castro ME, Rolim MO, Mauricio TF. Prvenção da hipertensão arterial e sua relação com o estilo de vida de trabalhadores. Acta Paul Enferm. 2005; 18(2):184-9.

Pierin AMG, Mion Junior D, Fukushima JT, Pinto A, Kaminaga M. O perfil de um grupo de pessoas hipertensas de acordo com o conhecimento e gravidade da doença. Rev Esc Enferm USP. 2001;35(1):11-8.

Published
2011-11-28
How to Cite
Paz, E. P. A., Souza, M. H. do N., Mendonça Guimarães, R., Fragoso Pavani, G., dos Santos Correa, H. F., de Carvalho, P. M., & Rodrigues, R. M. (2011). Hypertensive patients’ attended with the family health strategy lifestyle. Investigación Y Educación En Enfermería, 29(3). Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/iee/article/view/7120
Section
ORIGINAL ARTICLES / ARTÍCULOS ORIGINALES / ARTIGOS ORIGINAIS