Risk factors for fetal death in the city of Pato Branco (Brazil)

  • Letícia de Lima Trindade Enfermeira, Mestre e Doutoranda em Enfermagem. Professora do Instituto Federal do Paraná da Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do Grupo Práxis da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. email: letrindade@hotmail.com.
  • Simone Coelho Amestoy Enfermeira, Doutoranda em Enfermagem. Bolsista do CNPq, Membro do Grupo de Pesquisa em Educação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. email: samestoy@terra.com.br.
  • Diogo Picolo Enfermeiro, egresso da Faculdade de Pato Branco, Brasil. email: dipicolo@hotmail.com.
  • Giancarlo Falchetti Enfermeiro, egresso da Faculdade de Pato Branco, Brasil. email: giancarlofalchetti@hotmail.com.
  • Viviane Marten Milbrath Enfermeira, Mestre e Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. email: vivimarten@ig.com.br.
Keywords: Prenatal care; stillbirth; placenta previa; risk factors; pregnant women.

Abstract

Objective. To describe risk factors for fetal mortality in the city of Pato Branco (Brazil).

Methodology. Des­criptive study. Cases of babies born dead in the city of Pato Branco from 2000 to 2008 were analyzed. The information was obtained from the Mortality Information System.

Results. 91 fetal deaths were registered in the studied period, for a mean rate of 9.27 per thousand born alive. The main risk factors originated from the mother were: placenta previa (38.5%), pregnancy induced hypertension (38.5%), age under 20 years or over 30 years of age (40.7%), having three or less years of school (25.7%) and being a housewife (34.1%). For the fetus, the only risk factor registered was the sex, in which 52.7% of deaths were males.

Conclusion. Some preventable risk factors were identified; it is necessary to intervene them to reduce fetal mortality in the city.

|Abstract
= 277 veces | PDF (PORTUGUÊS)
= 355 veces| HTML (PORTUGUÊS)
= 2899 veces| MCORREAHOYOS, CURRÍCULO LETÍCIA DE LIMA TRINDADE.DOCX
= 0 veces| MCORREAHOYOS, CURRÍCULO SIMONE AMESTOY.DOCX
= 0 veces| MCORREAHOYOS, CURRÍCULO VIVIANE MRTEN MILBRATH.DOCX
= 0 veces| MCORREAHOYOS, CURRICULUM GIANCARLO FALCHETTI.DOC
= 0 veces| MCORREAHOYOS, DIGITALIZAR0002.PDF
= 0 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

References

(1) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de políticos de saúde. Área técnica de saúde da mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

(2) Organização Mundial da Saúde. Centro Colaborador da OMS para classificação das doenças em português. Classificação estatística internacional de doenças problemas relacionados com a saúde, 10 rev. São Paulo: EDUSP; 1995.

(3) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de políticas de saúde. Área técnica de saúde da mulher. Gestação de alto risco. 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.

(4) Martins EF. Mortalidade perinatal e avaliação da assistência ao pré-natal, ao parto e ao recém-nascido em Belo Horizonte, Minas Gerias [Tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem; 2010.

(5) Neves LAT, Silva LGP, Luz TP, Reis AF, Alves MJM. Fatores de risco para natimortalidade na cidade de Juiz de Fora. Rev Med Minas Gerais. 2004;14(3):151-7.

(6) Manitto AM. Fatores de Risco Maternos para morte fetal: Um estudo de casos e controles de base populacional, [Tese]. Pelotas (RS): Universidade Federal de Pelotas; 2005.

(7) Nurdan N, Mattar R, Camano L. Óbito fetal em microrregião de minas gerais: causas e fatores associados. Rev Bras Ginecol Obstet 2003;25(2):103-7.

(8) Silver RM, Varner MW, Reddy U, Goldenberg R, Pinar H, Conway D et al. Work-up of stillbirth: a review of the evidence. Am J Obstetr Gynecol. 2007;196(5):433-44.

(9) Aquino MMA. Causas e fatores associados ao óbito fetal. [Dissertação]. Campinas (SP): Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 1997.

(10) Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de procedimentos do sistema de informação sobre mortalidade. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

(11) Andrade LG, Amorim MMR, Cunha ASC, Leite SRF, Vital AS. Fatores associados à natimortalidade em uma maternidade escola em Pernambuco: estudo caso-controle. Rev Bras Ginecol Obstet 2009;31(6):285-92.

(12) Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. Assistência pré-natal: manual de orientação. Rio de Janeiro: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia; 2000.

(13) Vardanega K, Lorenzi DR, Spiandorello PW, Zapparoli MF. Fatores de risco para natimortalidade em um hospital universitário da Região Sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet 2002;24(9): 617-22.

(14) Soares VMN, Ventura DK, Claumann FT, Correa V, Rialto SM. Mortalidade materna por pré-eclâmpsia/eclâmpsia em um estado do Sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(11):566-73.

(15) Ventura RN, Menicucci OE, Silva EM, Silva NN, Fiorini PR. Condições de vida e mortalidade infantil no município do Embu, São Paulo. Rev Paul Pediatr. 2008;26(3):251-7.

(16) Benigna MJC, Nascimento WG, Martins JL. Pré-natal no Programa de Saúde da Família (PSF): com a palavra os enfermeiros. Cogitare Enferm. 2004;9(2):23-31.

(17) Filho FPS, Maia MCG. Determinantes de Natimortalidade em um serviço municipal de assistência hospitalar. Rev Bras Promoção Sal. 2004;17(4):187-92.

Published
2011-11-28
How to Cite
Trindade, L. de L., Coelho Amestoy, S., Picolo, D., Falchetti, G., & Marten Milbrath, V. (2011). Risk factors for fetal death in the city of Pato Branco (Brazil). Investigación Y Educación En Enfermería, 29(3). Retrieved from https://revistas.udea.edu.co/index.php/iee/article/view/7257
Section
ORIGINAL ARTICLES / ARTÍCULOS ORIGINALES / ARTIGOS ORIGINAIS