Uma aplicação da morfologia construcional para a língua latina: o caso das construções X-ārĭu

  • Natival Almeida Simões Neto Universidade Federal da Bahia

Resumen

 

 

 

|Resumen
= 40 veces | PDF
= 36 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Almeida, M. L. e Gonçalves, C. A. V. (2005). Polissemia sufixal: o caso das formas X-eiro - propostas e problemas. XX Encontro Nacional da APL (Associação Portuguesa de Lingüística), 20, 1-12. Lisboa: Colibri Artes Gráficas. Recuperado de: http://www.letras.ufrj.br/posverna/docentes/72520-3.pdf.

Almeida, M. L. e Gonçalves, C. A. V. (2006). Aplicação da construction grammar à morfologia: o caso das formas X-eiro. Lingüística (PPGL/UFRJ), 2, 229-242.

Aronoff, M. (1976). Word formation in generative grammar. Cambridge: Mit Press.

Basílio, M. (2004). Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto.

Booij, G. (2010). Construction Morphology. Oxford: Oxford University Press.

Botelho, L. S. (2004). Construções agentivas em X-eiro, uma rede metafórica. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

Faria, E. (1994). Dicionário escolar latino-português. 6. ed. 6 tir. Revisão de Ruth Junqueira de Faria. Rio de Janeiro: FAE.

Goldberg, A. E. (1995). Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press.

Gonçalves, C. A. V. (2016). Morfologia Construcional: uma introdução. São Paulo: Contexto.

Gonçalves, C. A. V. e Almeida, M. L. (2014). Morfologia Construcional: principais ideias, aplicação ao português e extensões necessárias. Alfa, 58(1), 165-193.

Gonçalves, C. A. V.; Yacovenco, L. C. e Costa, R. R. (1998). Condições de produtividade e condições de produção: uma análise das formas X-eiro no português do Brasil. Alfa, 42, 33-62.

Longo, G. (2006). Ensino de latim: problemas lingüísticos e uso de dicionário. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Marinho, M. A. F. (2004). Questões acerca das formações X-eiro do português do Brasil. Dissertação de Mestrado em Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: UFRJ/Faculdade de Letras.

Nunes, J. J. (1969). Compêndio de gramática histórica portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora.

Ornellas e Castro, I. de. (2010). Discursos e rituais na mesa romana: luxo, moralismo e equívocos. In Soares, C; Dias, P. B. (Coords). Contributos para a história da alimentação na antiguidade (pp. 69-79). Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra; Imprensa da Universidade de Coimbra.

Pizzorno, D. A. (2010). Polissemia da construção x-eiro: uma abordagem cog-nitivista. Dissertação de mestrado (Mestrado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Rio-Torto, G. M. (2008). Mudança genolexical: teoria e realidade. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto. Porto, 3, 223-240.

Rocha, L. C. A. (1998). Estruturas morfológicas do português. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Said ali, M. (1964) Gramática histórica da língua portuguesa. 7 ed. São Paulo: Melhoramentos.

Simões neto, N. A. (2016). Um enfoque construcional sobre as formações X-eir-: da origem latina ao português arcaico. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2 tomos.

Simões Neto, N. A.; Soledade, J. (2014). O morfema –eir– no português con-temporâneo. Linguística y Literatura,65, 87-111.

Simões Neto, N. A.; Soledade, J. (2015). Um enfoque da Morfologia Constru-cional sobre as formações X-ário no português arcaico. Pontos de interrogação, 4(2), 143-171.

Soares da Silva, A. (2010). Polissemia e contexto: o problema duro da diferenciação de sentidos. Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, 5, 353-367.

Soledade, J. (2013). Experimentando esquemas: um olhar sobre a polissemia das formações [[X – EIR]N] no português arcaico. Revista Diadorim / Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Número especial, 83-111.

Soledade, J. (2017). De pecadores a sabedores: agentes de –dor no Livro das Aves. In A. A. Domingues Almeida e M. dos Santos Lopes. Livro em homenagem aos 50 anos da edição do Livro das Aves (pp. 1-25). 2017b. [no prelo].

Souza, M. P. de. (2006). Formações X-ário no português do Brasil: um estudo sobre a produtividade lexical. Dissertação de Mestrado em Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Tavares da Silva, J. C. (2014). O papel da metonímia nas formações X-eiro(a). Veredas, 18(2), 82-101.

Viaro, M. E. (2006). Problemas de morfologia e semântica histórica do sufixo -eiro. Estudos lingüísticos, 35, 1443-1452.

Viaro, M. E. (2011). A derivação sufixal do português: elementos para uma investigação semântico-histórica. Tese de Livre-docênciapara o Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas, área de Filologia e Língua Portuguesa. Universidade de São Paulo.

Publicado
2017-09-06
Cómo citar
Simões Neto N. A. (2017). Uma aplicação da morfologia construcional para a língua latina: o caso das construções X-ārĭu. Lingüística Y Literatura, 38(72), 30-53. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n72a02
Sección
Estudios lingüísticos