Argumentação jurídica e argumentação linguística: quando a língua em uso revela preconceitos

Autores/as

  • Daiane Valerio Universidade do Vale do Taquari – Univates
  • Kári Lúcia Forneck Universidade do Vale do Taquari - Univates https://orcid.org/0000-0001-5906-4269

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a14

Palabras clave:

legal language, theory of argumentation in language, linguistic argumentation, gender prejudice

Resumen


Com base na teoria da argumentação na língua, este trabalho teve como proposta investigar a argumentação jurídica, sob o viés da concepção da argumentação linguística, em sentenças de crimes cometidos contra mulheres, para evidenciar se havia indícios de possíveis resquícios de enunciação de caráter preconceituoso. Foram requisitadas as dez últimas sentenças julgadas de cada ano (2014-2018), de uma comarca do Rio Grande do Sul (Brasil). Através da análise dos encadeamentos argumentativos, pôde-se chegar a uma interface entre a argumentação linguística e jurídica, evidenciando que há enunciados e enunciadores que ainda acabam propagando discursos preconceituosos contra a mulher.

|Resumen
= 136 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 127 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Daiane Valerio, Universidade do Vale do Taquari – Univates

Graduada em Letras pela Universidade do Vale do Taquari – Univates. Professora de Língua Portuguesa da rede pública municipal de Doutor Ricardo – RS (Brasil).

Kári Lúcia Forneck, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Docente do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade do Vale do Taquari – Univates.

Citas

1. Abreu, A. S. (2009). A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. Cotia: Ateliê Editorial.
2. Barbisan, L. B. (2007). Uma proposta para o ensino da argumentação. Letras de Hoje, 42(1), 111-138. http://
revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/2415/1889
3. Brasil. (2006). Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e
familiar contra a mulher... Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 de agosto, 2006.
4. Dias, M. B. (2010). A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência
doméstica e familiar contra a mulher. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
5. Ducrot, O. & Carel, M. (2008). Descrição argumentativa e descrição polifônica: o caso da negação. Letras de
Hoje, 43 (1), 7-18. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/2865/2804
6. Ducrot, O. (1987). O dizer e o dito. São Paulo: Pontes.
7. Ducrot, O. (1981). Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global Ed.
8. Ducrot, O. (2009). Argumentação retórica e argumentação linguística. Letras de Hoje, 44(1), 20-25. http://
revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/5648/4116
9. Moreno, C. & Martins, T. (2006). Português para convencer: comunicação e persuasão em direito. São Paulo:
Ática.
10. Perelman, C. & Tyteca, L. (1996). Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes.
11. Saussure, F. de. (2001). Curso de linguística geral. São Paulo: Editora Cultrix.
12. Silva, C. L. da C. (2009). Argumentação e ensino de língua materna. En Silva, C. L. da C., Toldo, C. S.,
Barbisan, L. B. & Marquardt, L. L. (Eds.). Teorias do discurso e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

Valerio, D., & Forneck, K. L. (2021). Argumentação jurídica e argumentação linguística: quando a língua em uso revela preconceitos. Lingüística Y Literatura, 42(79), 256–270. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a14