Legal Arguments and Linguistic Arguments: When the Language in Use Reveals Prejudices

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a14

Palabras clave:

linguagem jurídica, teoria da argumentação na língua, argumentação linguística, preconceito de gênero

Resumen

Based on the theory of argumentation in language, this work studied the legal argumentation under the principles of linguistic argumentation, in sentences of crimes committed against women, to evidence if there were indications of possible remnants of biased enunciation. The last ten sentences judged for each year (2014-2018) were requested from a district court from the state of Rio Grande do Sul (Brazil). Through the analysis of the argumentative chains, it was possible to reach an interface between linguistic and legal arguments, showing utterances and enunciators that still end up propagating prejudiced discourses against women
|Resumen
= 541 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 337 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

, University of Taquari Valley

Graduated in Letters from the University of Taquari Valley (Univates). Professor of Portuguese Language of the municipal public network of Doutor Ricardo - RS (Brazil).

, University of Taquari Valley

PhD in Letters from the Pontifical Catholic University of Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor of the Course of Letters and the Graduate Program in Teaching of the University of Taquari Valley (Univates).

Citas

Abreu, A. S. (2009). A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. Cotia: Ateliê Editorial.

Barbisan, L. B. (2007). Uma proposta para o ensino da argumentação. Letras de Hoje, 42(1), 111-138. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/2415/1889

Brasil. (2006). Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher... Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 de agosto, 2006.

Dias, M. B. (2010). A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Ducrot, O. & Carel, M. (2008). Descrição argumentativa e descrição polifônica: o caso da negação. Letras de Hoje, 43 (1), 7-18. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/2865/2804

Ducrot, O. (1987). O dizer e o dito. São Paulo: Pontes.

Ducrot, O. (1981). Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global Ed.

Ducrot, O. (2009). Argumentação retórica e argumentação linguística. Letras de Hoje, 44(1), 20-25. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/5648/4116

Moreno, C. & Martins, T. (2006). Português para convencer: comunicação e persuasão em direito. São Paulo: Ática.

Perelman, C. & Tyteca, L. (1996). Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes.

Saussure, F. de. (2001). Curso de linguística geral. São Paulo: Editora Cultrix.

Silva, C. L. da C. (2009). Argumentação e ensino de língua materna. En Silva, C. L. da C., Toldo, C. S., Barbisan, L. B. & Marquardt, L. L. (Eds.). Teorias do discurso e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Publicado

2021-04-15

Cómo citar

Daiane, & Kári Lúcia. (2021). Legal Arguments and Linguistic Arguments: When the Language in Use Reveals Prejudices . Lingüística Y Literatura, 42(79), 256–270. https://doi.org/10.17533/udea.lyl.n79a14