A utilização leiga dos smartphones versus a sua utilização especializada no ambiente escolar

Autores/as

Palabras clave:

Documento do NMC Horizon Report 2015, usuários leigos de tecnologia, análise de discurso

Resumen


Esta investigação coletou textos de instituições de ensino, das legislações estaduais e federais, e de manifestos daqueles envolvidos com a normatização a respeito dos celulares no âmbito de sala de aula, coletados em sites institucionais e em jornal de veiculação nacional com versão digital. Também foi tomado ciência do documento do NMC Horizon Report 2015, com sugestões de inovações tecnológicas de curto, médio e longo prazo, de incrementos de tecnologia no ensino, que serviram de referência para análise dos textos coletados. Entretanto, encontrou-se lacunas em termos epistemológicos ou filosóficos em torno da noção de tecnologia no documento NMC. Foi utilizado a análise de discurso de vertente francesa, evidenciando o viés ideológico daqueles que são usuários de tecnologia, entre os quais por hipótese podem não compreender a mediação que essas tecnologias poderiam promover nos processos de ensino e de aprendizagem. Da análise inferiu-se que existe divergência entre os textos do NMC Horizon Report, quando comparado com os textos daqueles agentes públicos que legislaram as leis, ou que julgaram a aplicação das leis, ou que teceram normas de utilização das tecnologias no âmbito escolar. Concluímos pela necessidade da aproximação daqueles que pensam o ensino com as inserções de novas ferramentas tecnológicas, daqueles que constroem as normas que regulamentam o ensino, para que juntos em um processo colaborativo, promova-se aspectos construtivos de mediação da utilização da tecnologia na contribuição na formação dos estudantes, estes como negociadores do mundo da ciência e da tecnologia, com uma utilização consciente e especializada do celular.

|Resumen
= 134 veces | PDF
= 67 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Citas

BACHELARD, G. A filosofia do não. Tradução Joaquim José Moura Ramos, 6ed. Lisboa: Múltiplo, 2009.

CUPANI, A. Filosofia da tecnologia: um convite.2. Ed. – Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013.

FOUREZ, G., MATHY, P., ENGLEBERT-LE-COMTE, V. (1993). Un modèle pour un travail interdisciplinaire. Aster, v.17, p.119-140.

FOUREZ, G. (1994). Alfabétisation scientifique et tecnique. Essai sur les finalités de l’enseignement des sciences. Belgique: De Boeck Université.

___________. (1995). “The science, technologies and society (STS) movement and the teaching of science.” Prospects 25(1): 27-40.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios/Edgar Morin. Org. Maria da Conceição de Almeida e Edgar de Assis Carvalho. Trad. Edgar de Assis Carvalho. São Paulo: Cortez, 2002.

MIQUELIN, A. F. Contribuições dos meios tecnológicos comunicativos para o ensino de Física na escola básica. 2009. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Sc.

MITCHAM, C. Thinking through technology: the path between engineering and philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

MOREIRA, M. A. Teorias da aprendizagem. Ed. ampliada. São Paulo: EPU, 2011.

_____________.Modelos científicos, modelos mentais, modelagem computacional e modelagem matemática: aspectos epistemológicos e implicações para o ensino. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 7, n. 2, maio/ago. 2014.

NMC. Horizon Report > Edição Educação Básica 2015, disponível em: http://cdn.nmc.org/media/2015-nmc-horizon-report-k12-PT.pdf. Acesso em 06 de abril de 2016.

OLIVEIRA, C. I. C. d. (2012).“A educação científica como elemento de desenvolvimento humano: uma perspectiva de construção discursiva.” Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências 15(2): 105-122.

NARDI, R. A área de ensino de Ciências no Brasil: fatores que determinaram sua constituição e suas características, segundo pesquisadores brasileiros. Tese (Livre Docência). Departamento de Educação, Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2005, 169p.

PATY, M. A ciência e as idas e voltas do senso comum. Scientiae Studia, V 1, n. 1: p. 9 -26, 200.

POSTMAN, N. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. Tradução Reinaldo Guarany. São Paulo: Nobel, 1994.

PINHEIRO, T. F. Um exemplo de construção de uma ilha de racionalidade em torno da noção de energia. Grupo de pesquisa em ensino de física – CFM, da Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Universitário – Trindade – 88.040-900 – Florianópolis – Sc, 2002.

PINHO, J. A. F. Instrumentação para o ensino de física, Florianópolis: Laboratório de ensino à distância, p. 20 – 35, CED/UFSC, 2001.

ROBINSON, K. (2011). Out of our minds: Learning to be creative, John Wiley & Sons.

ROSNAY, J. Conceitos operadores transversais, in MORIN, E. A Religação dos Saberes: o desafio do século XXI. 9ª Ed, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, p. 493-500, 2010.

RIBAS, A. S; SILVA, S. C. R. e GALVÃO, J. R. Telefone celular como recurso didático no ensino de física. 1a ed. Curitiba: UTFPR Editora, 2015.

VICENTE, J. K.: Homens e Máquinas: como a tecnologia pode revolucionar a vida cotidiana. Tradução Maria Inês Duque Estrada. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.Recibido: 11 de noviembre de 2016. Aprobado: 6 de junio de 2017.

Descargas

Publicado

2017-10-31

Cómo citar

Muchenski, J. C., Miquelin, A. F., & da Silva, S. de C. R. (2017). A utilização leiga dos smartphones versus a sua utilização especializada no ambiente escolar. Uni-Pluriversidad, 17(1), 25–38. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/unip/article/view/329384

Número

Sección

INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS