Práticas formativas de professores dos anos iniciais do ensino fundamental no grupo práticas pedagógicas em rede (PPR)

Resumen

 Este artigo faz parte de um projeto maior, Práticas Pedagógicas em Rede (PPR), desenvolvido com apoio da Universidade Cruzeiro do Sul, com o objetivo de promover a formação de professores e profissionalização do pedagogo baseada na reflexão da/na prática educativa inclusiva. Para o seu desenvolvimento, elencamos a seguinte questão norteadora: Que ações estão sendo desenvolvidas no projeto PPR envolvendo prática educativa inclusiva? As ações propostas no âmbito do PPR, que contempla nossa questão norteadora, são baseadas em projetos individuais e/ou coletivos, designados de Projetos de Aprendizagem Colaborativa (PAC), partindo do interesse do aluno por um tema, seu aprofundamento teórico e reflexão da prática pedagógica. Assim, utilizamos o estudo de caso para descrevermos as práticas formativas colaborativas, desenvolvidas entre agosto de 2017 e junho de 2018, organizadas em distintos contextos formativos, tais como: Formação Inicial; Iniciação à Docência e Formação Continuada. O estudo mostra que as ações no Projeto PPR sugerem possibilidades formativas a diferentes grupos institucionais ao permitir aos envolvidos refletir para/na ação, apontando que se faz necessário propostas de formação de professores e que estas transformações são possíveis.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Nilce Léa Lobato Cristovão, Universidade Cruzeiro do Sul
Mestre em Políticas Sociais: Universidade Cruzeiro do Sul, Projeto: Análise das Políticas de Educação de Jovens e Adultos: Direito à educação e questões sociais da região Norte do Brasil. Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Cruzeiro do Sul. Atualmente Professora no Curso de Pedagogia da Universidade Cruzeiro do Sul e Profa da Pós-Graduação: Curso de Alfabetização e Letramento. Orientadora de Iniciação Científica e Iniciação à Docência do Núcleo de Formação e Estágio Pedagógicos (NUFEP). Coordenadora da Brinquedoteca do Campus Anália Franco, Coordenadora do Práticas Pedagógicas em Rede (P.P.R). Coordena Projeto de Horta Interdisciplinar Comunitária Inclusiva na EMEF Marisa Moretti Câmara. 
Edvonete Souza Alencar, Universidade Federal da Grande Dourados
Doutora em Educação Matemática pela PUC-SP. Atualmente é docente na Universidade Federal da Grande Dourados e professora permanente no Mestrado Profissional em Educação Científica e Matemática na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (MT), Dourados, Brasil.
Roseli Araújo Barros, Universidade Estadual de Goiânia
Doutora e Mestre em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Pará, Brasil e Licenciada em Matemática. Atualmente é docente do Curso de Licenciatura em Matemática na Universidade Estadual de Goiás, Goiás, Brasil.

Citas

André, M. (2016). Práticas Inovadoras na Formação de Professores. São Paulo, Brasil: Papirus.

André, M. (2008). Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília, Brasil: Liber livro.

Bezerra, A. A. Cambraia, E. da S., Veríssimo, J., Souza, A. R. da Silva, Carvalho, É.G. de, e Cristovão, N. L. L (2018). Vamos aprender brincando juntos? São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Brandão, C. R. (1987). Repensando a pesquisa participante. São Paulo, Brasil: Editora Brasiliense.

Byafra. (1984). Sonho de Ícaro. Em Existe Uma Ideia [CD]. Rio de Janeiro, Brasil: Sony Music.

Cristovão, N. L. L., Nascimento, R. P., Alencar, E. S, Cambraia, E. da S., e Silva, D. M. (2018). Práticas formativas e recursos metodológicos inclusivos. Anais do XIX Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - XIX ENDIPE, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia.

Camargo, P. E. (2017). Inclusão Social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. São Paulo, Brasil: UNESP

Custódio, J. de S., Jesus, J. P., Amaral, K.F., Canuto, R., Ferreira, K., e Cristovão, N.L.L. (2018). Coque Tok: Brinquedo, brincadeira e aprendizagem. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Dolival, G. R., Silva, M., Cristovão, N. L. L., e Nascimento, R. P. (2018). Mapa Mental: Uma abordagem possível para o ensino de Matemática inclusiva. Revista de Educação Horizontes, 5(10), 182-194.

Franco, M. A. S. (2005). A Pedagogia da pesquisa ação. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Curitiba, Brasil: Endipe.

Ferreiro, E., e Teberosky, A. (1999). Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, Brasil: Artmed.

Fernandes, A.P. (2008). A importância do movimento na aprendizagem e no desenvolvimento da criança. São Paulo, Brasil: PUC de São Paulo.

Fernandes, M. (2010). Os segredos da alfabetização. São Paulo, Brasil: Cortez.

Ferreira, L. G., e Alencar E. S. (2017) Juegos para enseñar matemáticas en la planificación para los profesores de educación infantil. RECME - Revista Colombiana de Matemática Educativa 2(1), 30-38.

Fiorentini, D., e Lorenzato, S. (2012). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo, Brasil: Impresso Brasil.

Gatti, B. A., e Barreto, E. S. S. (coord.) (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, D.C., Brasil: UNESCO.

Gatti, B. A. (1997). Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de renovação. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Gatti, B. A., Barreto, E. S. S. e André, M. A. D. (2011). As Políticas Docentes no Brasil-um estado da arte. Brasília, D.C., Brasil: UNESCO.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Brasil: Atlas.

Gimenes, B. P. (2011). Brinquedoteca: Manual em educação e saúde; Sirlândia Reis de Oliveira Teixeira. São Paulo, Brasil: Cortez.

Goulart, I.B. (2009). Piaget: experiências básicas para utilização pelo professor. Rio de Janeiro, Brasil: Vozes.

Guimarães, V. S. (2004). Formação de professores: saberes, identidade e profissão. Campinas, Brasil: Papirus.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para mudança e a incerteza. São Paulo, Brasil: Cortez.

Lorenzato, S. (2006). Educação infantil e percepção matemática. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Macedo, G. G., e Cristovão, N.L.L. (2018). Alfabetizando de Maneira Lúdica e criativa. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Mantoan, M. T. E. (2006). Inclusão Escolar: O Que E? Por Que? Como fazer? São Paulo, Brasil: Moderna.

Marcondes, M. A. S. (2005). Educação Comparada: perspectivas teóricas e investigações. Eccos- Revista científica, 7(1),139-163.

Minayo, M. C. (Coord.). (2009). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Ministério da Educação. (2007). Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, Brasil: MEC/SEF.

Nascimento, P. R, Cristovão, L. L., e Nilce, L. L. (2018). Prática de Ensino e Formação de Professores para Educação Básica em uma perspectiva Inclusiva. Educação e Tecnologias educação em cenários em transição, Número Especial, 41-48.

Nogueira, F. M., Chemello, J. dos S., e Borges, T. O. S. (2018). Atividade Pedagógica Inclusiva: aprendendo com os animais. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Oliveira, F. N., Cristovão, N. L. L., Nascimento, R. P., e Bispo, J. B. (2018). Projeto Interdisciplinar: Horta comunitária inclusiva. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro

Oliveira, F. M. e Alencar, E. S. (2019). Literatura infantil como recurso metodológico para o ensino da matemática inclusiva. Science and Knowledge in Focus, 1(2), 21-35.

Ostetto, L. E. (2000). Encontros e encantamentos na educação infantil. São Paulo, Brasil: Papirus.

Omote, S. (2004). Inclusão: da intenção à realidade. In: Omote, S. (Coord.). Inclusão: intenção e realidade (pp. 37-59). Marília, Brasil: Fundepe.

Pimenta, S. G., Garrido, E., e Moura, M.O. (2000). Pesquisa colaborativa na escola como abordagem facilitadora para o desenvolvimento da profissão de professor. In: Marin, A. J (Org.). Educação continuada (pp.89-112). Campinas, Brasil: Papirus.

Santos, É. G. S., Andrade, A. M., e Cristovão, N. L. L. (2018). Matemática interdisciplinar a Educação Inclusiva. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Saraiva, J. A. (2001). Literatura e alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, Brasil: Artes Médicas.

Schlunzen, E. T. M., e Santos, D. A. do N. (2016). Práticas Pedagógicas do Professor: abordagem construcionista, contextualizada e significativa para uma educação inclusiva. Curitiba, Brasil: Appris.

Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília, Brasil: MEC/SEF.

Semetko, H. A., e Scammell, M. (2012). O SAGE handbook political communication. Londres, Reino Unido: SAGE.

Silva, T. P. e Barros, R. A. (2018) Uma proposta de sequência didática para o ensino de Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Anais do XVIII Encontro de Educação Matemática. Encontro realizado em Campus Cora Coralina/UEG, Goiás, Brasil.

Schmidt, C. (2013). Autismo, educação etransdisciplinaridade. Campinas, Brasil: Papirus.

Smole, K. S. (1996). Era uma vez na Matemática: uma conexão com a literatura infantil. São Paulo, Brasil: IME/USP-CAEM.

Sousa, D. L., e Cristovão, N. L. L. (2018). Máquina de Reciclagem. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Vigostsky, L. S. (1989). Linguagem e pensamento. São Paulo, Brasil: Martins Fontes.

Publicado
2018-12-22
Sección
INNOVACIONES PEDAGÓGICO CURRICULARES Y DIDÁCTICAS