Práticas formativas de professores dos anos iniciais do ensino fundamental no grupo práticas pedagógicas em rede (PPR)

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.unipluri.18.2.07

Palabras clave:

formação de professores, professor reflexivo, educação Inclusiva

Resumen


Este artigo faz parte de um projeto maior, “Práticas Pedagógicas em Rede (PPR)”, desenvolvido  com  apoio  da  Universidade  Cruzeiro  do  Sul,  com  o  objetivo  de  promover a formação de professores e profissionalização do pedagogo baseada na reflexão da/na prática educativa  inclusiva.  Para o seu desenvolvimento, elencamos a seguinte questão norteadora: Que ações estão sendo desenvolvidas no projeto PPR envolvendo prática educativa inclusiva? As ações propostas no âmbito do PPR, que contempla nossa questão norteadora, são baseadas em projetos individuais e/ou coletivos, designados de Projetos de Aprendizagem Colaborativa (PAC), partindo  do  interesse  do  aluno  por  um  tema,  seu aprofundamento teórico e reflexão da prática pedagógica. Assim, utilizamos o estudo de caso para descrevermos as práticas formativas colaborativas, desenvolvidas entre agosto de 2017 e junho de 2018, organizadas em distintos contextos formativos, tais como: Formação. Inicial; Iniciação à Docência e Formação Continuada.  O estudo mostra que as ações no Projeto PPR sugerem possibilidades formativas a diferentes grupos institucionais ao permitir aos envolvidos refletir para/na ação, apontando que se faz necessário propostas de formação de professores e que estas transformações são possíveis.

 

|Resumen
= 110 veces | HTML (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 32 veces| | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 115 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Biografía del autor/a

Nilce Lea Lobato Cristovão, Universidade Cruzeiro do Sul

Mestre em Políticas Sociais e Licenciada em Pedagogia pela Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo (S.P), Brasil. Atualmente docente do Curso de Licenciatura em Pedagogia e coordena o grupo de estudos Práticas Pedagógicas em Rede.

Edvonete Souza Alencar, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutora em Educação Matemática pela PUC-SP. Atualmente é docente na Universidade Federal da Grande Dourados e professora permanente no Mestrado Profissional em Educação Científica e Matemática na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (MT), Dourados, Brasil.

Roseli Araujo Barros, Universidade Estadual de Goiânia

Doutora e Mestre em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Pará, Brasil e Licenciada em Matemática. Atualmente é docente do Curso de Licenciatura em Matemática na Universidade Estadual de Goiás, Goiás, Brasil.

Citas

André, M. (2016). Práticas Inovadoras na Formação de Professores. São Paulo, Brasil: Papirus.

André, M. (2008). Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília, Brasil: Liber livro.

Bezerra, A. A. Cambraia, E. da S., Veríssimo, J., Souza, A. R. da Silva, Carvalho, É.G. de, e Cristovão, N. L. L (2018). Vamos aprender brincando juntos? São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Brandão, C. R. (1987). Repensando a pesquisa participante. São Paulo, Brasil: Editora Brasiliense.

Byafra. (1984). Sonho de Ícaro. Em Existe Uma Ideia [CD]. Rio de Janeiro, Brasil: Sony Music.

Cristovão, N. L. L., Nascimento, R. P., Alencar, E. S, Cambraia, E. da S., e Silva, D. M. (2018). Práticas formativas e recursos metodológicos inclusivos. Anais do XIX Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - XIX ENDIPE, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia.

Camargo, P. E. (2017). Inclusão Social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. São Paulo, Brasil: UNESP

Custódio, J. de S., Jesus, J. P., Amaral, K.F., Canuto, R., Ferreira, K., e Cristovão, N.L.L. (2018). Coque Tok: Brinquedo, brincadeira e aprendizagem. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Dolival, G. R., Silva, M., Cristovão, N. L. L., e Nascimento, R. P. (2018). Mapa Mental: Uma abordagem possível para o ensino de Matemática inclusiva. Revista de Educação Horizontes, 5(10), 182-194.

Franco, M. A. S. (2005). A Pedagogia da pesquisa ação. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Curitiba, Brasil: Endipe.

Ferreiro, E., e Teberosky, A. (1999). Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, Brasil: Artmed.

Fernandes, A.P. (2008). A importância do movimento na aprendizagem e no desenvolvimento da criança. São Paulo, Brasil: PUC de São Paulo.

Fernandes, M. (2010). Os segredos da alfabetização. São Paulo, Brasil: Cortez.

Ferreira, L. G., e Alencar E. S. (2017) Juegos para enseñar matemáticas en la planificación para los profesores de educación infantil. RECME - Revista Colombiana de Matemática Educativa 2(1), 30-38.

Fiorentini, D., e Lorenzato, S. (2012). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo, Brasil: Impresso Brasil.

Gatti, B. A., e Barreto, E. S. S. (coord.) (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, D.C., Brasil: UNESCO.

Gatti, B. A. (1997). Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de renovação. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Gatti, B. A., Barreto, E. S. S. e André, M. A. D. (2011). As Políticas Docentes no Brasil-um estado da arte. Brasília, D.C., Brasil: UNESCO.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Brasil: Atlas.

Gimenes, B. P. (2011). Brinquedoteca: Manual em educação e saúde; Sirlândia Reis de Oliveira Teixeira. São Paulo, Brasil: Cortez.

Goulart, I.B. (2009). Piaget: experiências básicas para utilização pelo professor. Rio de Janeiro, Brasil: Vozes.

Guimarães, V. S. (2004). Formação de professores: saberes, identidade e profissão. Campinas, Brasil: Papirus.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para mudança e a incerteza. São Paulo, Brasil: Cortez.

Lorenzato, S. (2006). Educação infantil e percepção matemática. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Macedo, G. G., e Cristovão, N.L.L. (2018). Alfabetizando de Maneira Lúdica e criativa. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Mantoan, M. T. E. (2006). Inclusão Escolar: O Que E? Por Que? Como fazer? São Paulo, Brasil: Moderna.

Marcondes, M. A. S. (2005). Educação Comparada: perspectivas teóricas e investigações. Eccos- Revista científica, 7(1),139-163.

Minayo, M. C. (Coord.). (2009). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Ministério da Educação. (2007). Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, Brasil: MEC/SEF.

Nascimento, P. R, Cristovão, L. L., e Nilce, L. L. (2018). Prática de Ensino e Formação de Professores para Educação Básica em uma perspectiva Inclusiva. Educação e Tecnologias educação em cenários em transição, Número Especial, 41-48.

Nogueira, F. M., Chemello, J. dos S., e Borges, T. O. S. (2018). Atividade Pedagógica Inclusiva: aprendendo com os animais. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Oliveira, F. N., Cristovão, N. L. L., Nascimento, R. P., e Bispo, J. B. (2018). Projeto Interdisciplinar: Horta comunitária inclusiva. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro

Oliveira, F. M. e Alencar, E. S. (2019). Literatura infantil como recurso metodológico para o ensino da matemática inclusiva. Science and Knowledge in Focus, 1(2), 21-35.

Ostetto, L. E. (2000). Encontros e encantamentos na educação infantil. São Paulo, Brasil: Papirus.

Omote, S. (2004). Inclusão: da intenção à realidade. In: Omote, S. (Coord.). Inclusão: intenção e realidade (pp. 37-59). Marília, Brasil: Fundepe.

Pimenta, S. G., Garrido, E., e Moura, M.O. (2000). Pesquisa colaborativa na escola como abordagem facilitadora para o desenvolvimento da profissão de professor. In: Marin, A. J (Org.). Educação continuada (pp.89-112). Campinas, Brasil: Papirus.

Santos, É. G. S., Andrade, A. M., e Cristovão, N. L. L. (2018). Matemática interdisciplinar a Educação Inclusiva. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Saraiva, J. A. (2001). Literatura e alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre, Brasil: Artes Médicas.

Schlunzen, E. T. M., e Santos, D. A. do N. (2016). Práticas Pedagógicas do Professor: abordagem construcionista, contextualizada e significativa para uma educação inclusiva. Curitiba, Brasil: Appris.

Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília, Brasil: MEC/SEF.

Semetko, H. A., e Scammell, M. (2012). O SAGE handbook political communication. Londres, Reino Unido: SAGE.

Silva, T. P. e Barros, R. A. (2018) Uma proposta de sequência didática para o ensino de Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Anais do XVIII Encontro de Educação Matemática. Encontro realizado em Campus Cora Coralina/UEG, Goiás, Brasil.

Schmidt, C. (2013). Autismo, educação etransdisciplinaridade. Campinas, Brasil: Papirus.

Smole, K. S. (1996). Era uma vez na Matemática: uma conexão com a literatura infantil. São Paulo, Brasil: IME/USP-CAEM.

Sousa, D. L., e Cristovão, N. L. L. (2018). Máquina de Reciclagem. São Paulo, Brasil: Universidade Cruzeiro do Sul.

Vigostsky, L. S. (1989). Linguagem e pensamento. São Paulo, Brasil: Martins Fontes.

Publicado

2018-12-22

Cómo citar

Cristovão, N. L. L., Alencar, E. S., & Barros, R. A. (2018). Práticas formativas de professores dos anos iniciais do ensino fundamental no grupo práticas pedagógicas em rede (PPR). Uni-Pluriversidad, 18(2), 102–119. https://doi.org/10.17533/udea.unipluri.18.2.07

Número

Sección

INNOVACIONES PEDAGÓGICO CURRICULARES Y DIDÁCTICAS