Violência contra as mulheres: O “privilégio” de qualquer uma! Uma análise de trechos do Filme “Te doy mis ojos”

  • Bruna Krimberg von Mühlen
  • Diego Dewes
  • Marlene Neves Strey

Resumen

Este artigo foi elaborado a partir da constatação de que a violência contra a mulher com origem no patriarcado coloca a mulher em lugar de subordinação em relação ao homem, e que as estatísticas demonstram dados alarmantes.

O estudo teve como objeto de análise algumas cenas de maior poder ilustrativo do filme espanhol Te doy mis ojos, que retrata a vida de uma mulher vítima de violência doméstica. A partir deste filme discutimos a violência contra a mulher. Também utilizamos a música Sem Açúcar de Chico Buarque. A utilização de recursos que são comuns a nossa cognição - vídeo, música e texto – facilitam a compreensão, proporcionando um olhar crítico que tenta vislumbrar o desenvolvimento de práticas libertadoras para as mulheres.

|Resumen
= 22 veces | PDF
= 14 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Aguilar, A.L. (2005). Femicidio... la pena capital por ser mujer. Diálogo, 4(44), 1-5.

Alvarez, J. E. (2010). Primates e filosofos. La evolucion de la moral del simio al hombre. Franz de Waal (2007). Revista de Psicologia Universidad de Antioquia, v.2, n.3, 95-98.

APAV (2010). Manual ALCIPE 2ªed. - Para o Atendimento de Mulheres Vítimas de Violência.

Bandeira, L. (2008). Três décadas de resistência femi-nista contra o sexismo e a violência feminina no Brasil: 1976 a 2006. Sociedade e Estado, 24(2), 401-438.

Bandeira, L., & Soares, M. (2002). A politização da violência contra a mulher e o fortalecimento da cidadania. Gênero, democracia e sociedade brasileira. 34a ed. São Paulo: FCC.

Barcelos, WBE (2006). Violência intrafamiliar: Res-sonâncias na prática profissional do psicólogo. Violência intrafamiliar: Ressonâncias na prática profissional do psicólogo.

Castaño, L.C. (2011). La inteligencia social y sus impli-caciones en la evolución de la mente

Revista de Psicología Universidad de Antioquia, 3(1), 73-86.

de Aguiar, A.T. (2007). Violência Doméstica Contra a Mulher: o difícil processo de ruptura.

De Ferrante, F.G., dos Santos, M.A., & Vieira, E.M. (2009). Violência contra a mulher: percepção dos médicos das unidades básicas de saúde da cidade de Ribeirão Preto, São Paulo. Interface - Comunic., Saude, Educ., 13(31), 287-299.

Deslandes, S.F., Gomes, R., & Silva, C.M.F.P. (2000). Caracterização dos casos de violência domésti-ca contra a mulher atendidos em dois hospitais públicos do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, 16(1), 129-137.

Dos Santos Borsoi, T., Brandão, E.R., Cavalcanti, M.L.T., BORSOI, TS, BRANDÃO, ER, & CAVALCANTI, MLT (2009). Ações para o enfrentamento da violência contra a mulher em duas unidades de atenção primária à saúde no município do Rio de Janei-ro. Interface-Comunic., Saúde, Educ, 13(28), 165-174.

Garcia-Moreno, C., Jansen, H.A.F.M., Ellsberg, M., Heise, L., & Watts, C.H. (2006). Prevalence of intimate partner violence: findings from the WHO multi-country study on women’s health and domestic violence. The Lancet, 368(9543), 1260-1269.

Giffin, K. (1994). Violência de gênero, sexualidade e saúde. violence against women, 1, 146-155.

Halperin, D.M. (2010). Amor Loca. Revista de Psicología Universidad de Antioquia, 2(2) 57-75.

Heise, L., Pitanguy, J, & Germain, A. (1993). Violence against women: the hidden health burden. World health statistics quarterly. Rapport trimestriel de statistiques sanitaires mondiales, 46(1), 78.

ILO (2004). Global strategy on occupational safety and health.Geneva: International Labour Organiza-tion.

Krug, E.G., Dahlberg, L.L., Mercy, J.A., Zwi, A.B., & Lozano, R. (2002). Relatório mundial sobre vio-lência e saúde: Organização Mundial da Saúde.

Lima, D.C., Büchele, F., & Clímaco, D.A. (2008). Ho-mens, gênero e violência contra a mulher. Saúde e Sociedade, 17(2), 69-81.

Molina, N. (2009). ¿ Qué pasa por el cuerpo en la de-presión? Revista de Psicología Universidad de Antioquia.1(2). 84-95

Marinheiro, A.L.V., Vieira, E.M., & Souza, L. (2006). Prevalência da violência contra a mulher usuária de serviço de saúde. Revista de Saúde Pública, 40(4), 604-610.

Massula, L. (2005). A violência e o acesso das mulheres à justiça: O caminho das pedras ou as pedras do (no) caminho. Vinte e cinco anos de respostas brasileiras em violência contra as mulheres no Brasil (1980-2005), 40.

Meneghel, S.N. & Hirakata, V.N. (2011). Femicídios: homicídios femininos no Brasil. Rev Saúde Pú-blica.45(3). 564-74

Meneghel, S.N., & Martini Vial, S.R. (2008). Rotas críticas: mulheres enfrentando as violências. Athenea digital(14), 199-213.

Moreira, D.S., Magnago, R.F., Sakae, T.M., & Magajewski, F.R.L. (2009). Prevalência da síndrome de bur-nout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 25(7), 1559-1568.

Narvaz, M.G., & Koller, S.H. (2006). Mulheres vítimas de violência doméstica: compreendendo subje-tividades assujeitadas. Psico, 37(1).

OEA (1996). Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher: convenção de Belém do Pará, Brasil. São Paulo: Comitê Latino Americano e do Caribe para Defesa dos Direitos da Mulher. (CLADEM)/IPÊ.

Saffioti, H.I.B., & Vargas, MM (1999). Violência de gê-nero no Brasil contemporâneo. Mulher brasileira é assim.

Sagot, M., & Carcedo, A. (2000). Ruta crítica de las mu-jeres afectadas por la violencia intrafamiliar en America Latina: Estudios de caso de diez países: Pan American Health Org.

Schraiber, L.B. et al (2002). Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev. Saúde Publica, 36(4), 470-477.Schraiber, Lilia Blima, d’Oliveira, Ana Flávia PL, França--Junior, Ivan, & Pinho, Adriana A (2002). Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública, 36(4), 470-477.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, 20(2), 71-99.

Venturi, G., Recamán, M., & Oliveira, S.D. (2004). A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Publicado
2012-10-28
Cómo citar
Krimberg von Mühlen B., Dewes D., & Neves Strey M. (2012). Violência contra as mulheres: O “privilégio” de qualquer uma! Uma análise de trechos do Filme “Te doy mis ojos”. Revista De Psicología Universidad De Antioquia, 4(1), 87-103. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/psicologia/article/view/13317
Sección
Artículo de reflexión