Proposta de um modelo teórico entre dinâmica interna familiar e a conduta desviante em jovens brasileiros

  • Nilton S Formiga Faculdade Mauricio de Nassau
  • Amanda V. V. S. Aguiar
  • Ayla D. C. Ribeiro
  • Rebeca C. M. Pires
Palabras clave: Dinâmica familiar, Condutas antissociais e delitivas, Jovens

Resumen

A dinâmica familiar é importante para o desenvolvimento do jovem. Apesar da fissura psicossocial que se tem sobre essa dinâmica, ainda se acredita que a família é importante no processo de intervenção e inibição das condutas desviantes. 367 homens e mulheres, da rede escolar da cidade de João Pessoa – PB, de 12 aos 18 anos responderam as Escalas sobre a valoração Interna da família. No programa AMOS GRAFICS 21.0, comprou-se um modelo que, além de existir uma associação positiva entre afiliação com os pares sócio-normativos, valoração familiar e o estilo parental, estes, explicaram, negativamente, a conduta desviante. Isto é, quanto maior for o investimento em tal dinâmica menor probabilidade terá o jovem de desviar socialmente.

|Resumen
= 14 veces | PDF
= 6 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Ariés, P. (1981). História social da criança e da família.Rio de Janeiro: Guanabara.

Associação Nacional De Pesquisa E Pós-Graduação Em Psicologia - ANPEPP. (2000). Contribuições para a discussão das Resoluções CNS nº. 196/96 e CFP Nº 016/2000. Recuperado em 02 de Setembro de 2011, da WEB (página da WEB): http://www.anpepp.org.br/XIISimposio/Rel_ComissaoEtica-sobre_Res_CNS_e_CFP.pdf.

Avellar, A. P. (2007). Rompimento familiar e delinqüên-cia juvenil: Quais as possíveis conexões? Revista eletrônica de ciências sociais, 1 (1), 181-200.

Bee, H. (1997). O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bolsoni-Silva, A. T. & Marturano, E. M. (2000). Práticas educativas e problemas de comportamento: Uma análise a luz das habilidades sociais. Estudos de psicologia, 7 (2): 227-235.

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applica-tions and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer-Verlag.

Carvalho, M. C. N. & Gomide, P. I. C. (2005). Práticas educativas parentais em famílias de adolescentes em conflito com a lei. Estudos de Psicologia, 22,(3), 263-275.

Carvalho, M. C. N. & Gomide, P. I. C. (2005). Práticas educativas parentais em famílias de adolescentes em conflito com a lei. Estudos de Psicologia, 22, (3), 263-275.

Conselho Nacional De Saúde – CNS. (1996). Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas En-volvendo Seres Humanos. Recuperado em 02 de Setembro de 2011, da WEB (página da WEB): http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/reso_96.htm.

Costa, F. T.; Teixeira, M. A. P. & Gomes, W. B. (2000). Responsividade e exigência: duas escalas para avaliar estilos parentais. Psicologia: reflexão e crítica, 13(3), 465-473.

Formiga, N. S. (2003). Fidedignidade da escala de condu-tas anti-sociais e delitivas ao contexto brasileiro. Psicologia estudo, 8 (2), 133-138.

Formiga, N. S. & Gouveia, V. V. (2003). Adaptação e validação da escala de condutas anti-sociais e delitivas ao contexto brasileiro. Revista Psico, 34 (2), 367-388.

Formiga, N. S. (2004). Um estudo intracultural dos in-dicadores da relação familiar. PSIC: Revista da vetor editora, 5 (1), 66-71.

Formiga, N. S. (2005). Comprovando a hipótese do compromisso convencional: Influência dos pares sócio-normativos sobre as condutas desviantes em jovens. Revista psicologia ciência e profissão, 25 (4), 602-613.

Formiga, N. S.; Fachini, A. C.; Curado, F. & Teixeira, J. (2003). Construção e validação da escala dos indicadores da relação familiar.[Resumo expan-dido] Em: III Congresso Científico do Ceulp-Ulbra (Org.). Resumos do III Congresso Científico do Ceulp-Ulbra Mercado e cidadania: O papel da Uni-versidade. (pp. 462-464).Palmas-TO: Ceulp-Ulbra.

Formiga, N. S. (2009). Afiliação com pares sócio-normati-vos e condutas desviantes. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, 10, 5-26.

Formiga, N. S. (2010a). Pares sócio-normativos e condu-tas desviantes: Testagem de um modelo teórico. Barbarói 32, 43-20.Formiga, N. S. (2010b). Escala de exigência e responsivi-dade parental: Evidência da estrutura fatorial em jovens da Paraíba, Brasil. Psicologia Argumento, 28 (62), 209-224.

Formiga, N. S. (2011a). Valoração da família e condutas desviantes: testagem de um modelo teórico. Psico, 42, 376-385.Formiga, N. S. (2011b). Pares Sócio-Normativos e Condu-tas Desviantes: Testagem de um Modelo Teórico em Diferentes Contextos Sócio-Educacionais Bra-sileiro. Revista de Psicología GEPU, 2 (3), 79-93.

Formiga, N. S. & Diniz, A. (2011). Estilo da orientação cultural e condutas desviantes: Testagem de um modelo teórico. Revista Pesquisa em Psicologia, 5 (1), 2-11.

Gomide, P.I.C. (2003). Estilos parentais e comportamen-to anti-social. In A. Del Prette & Z. Del Prette (Orgs.). Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem: questões conceituais, avaliação e intervenção. Campinas: Alínea.

Hair, J. F.; Tatham, R. L.; Anderson, R. E. & Black, W. (2005). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Index psi. (2011). Dinâmica, família, conduta desviante. (http://www.indexpsi.br. Pesquisa realizada em 05 de Dezembro de 2011).

Joreskög, K. & Sörbom, D. (1989). LISREL 7 user’s ref-erence guide. Mooresville: Scientific Software.

Machado, P. (2008). Abordagem sócio-ecológica do com-portamento anti-social em meio urbano. Anais do VI congresso português de sociologia: Mundos sociais, saberes e práticas, 126, 1-16. (Pagina da web: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/126.pdf. Pesquisa realizada em 15 de Dezembro de 2011). 25 a 28 de Junho de 2008.

Molpeceres, M.; Llinares, L. I. & Musito, G. (2001). Internalización de valores sociales y estrategias educativas parentales. Em: M. Ros e V. V. Gouveia (Org.). Psicología social de los valores humanos: Desarrollos teóricos, metodológicos y aplicados.(197-218). Madrid: Biblioteca Nueva.

Muñoz-Rivas, M. & Graña, J. L. L. (2002). Factores familiares de riesgo y de protección para el consumo de drogas en adolescentes. Psicothema, 13 (1), 87-94.

Pacheco, J. T. B. & Hutz, C. S. (2009). Variáveis Fami-liares Preditoras do Comportamento Anti-Social em Adolescentes Autores de Atos Infracionais.Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25 (2), 213-219.

Peçanha, D. L. & Pérez-Ramos, A. M. (1999). Diagnós-tico sistêmico da família: Novas contribuições. Boletim de Psicologia, 59, (110), 17-37.

Schneider, J. O. (2001). Transmissão de valores de pais para filhos: Dimensões do desejável e do perceptível.Dissertação de mestrado não pu-blicada. Universidade federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Scielo. (2011). Dinâmica, família, conduta desviante (Pagina da web: http://www.scielo.br. Pesquisa realizada em 20 de Novembro de 2011).

Vilhena, J. & Maia, M.V.C.M. (2002). Agressividade e violência: reflexões acerca do comportamento antissocial e sua inscrição na cultura contem-porânea. Revista Mal-estar e Subjetividade, 2 (2), 27-58.

Publicado
2014-06-01
Cómo citar
Formiga N. S., Aguiar A. V. V. S., Ribeiro A. D. C., & Pires R. C. M. (2014). Proposta de um modelo teórico entre dinâmica interna familiar e a conduta desviante em jovens brasileiros. Revista De Psicología Universidad De Antioquia, 5(2), 19-30. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/psicologia/article/view/19682
Sección
Artículos de investigación