Parcerias Universidade - Escola estabelecidas no processo formativo propiciado pelo Programa Observatório da Educação (OBEDUC)

  • Patrícia Sandalo Pereira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) http://orcid.org/0000-0002-7554-0058
  • Kely Fabrícia Pereira Nogueira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
  • Nickson Moretti Jorge Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Resumen

Este artigo apresenta alguns resultados do projeto de pesquisa em rede intitulado “Trabalho colaborativo com professores que ensinam Matemática na Educação Básica em escolas públicas das regiões Nordeste e Centro-Oeste”, aprovado no Programa Observatório da Educação, financiado pela agência de fomento brasileira Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e que foram desenvolvidos no Núcleo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).  A investigação teve abordagem qualitativa, na qual as dinâmicas dos encontros basearam-se em textos sobre temas que surgiram das falas percebidas nas discussões do grupo. Dessa forma, focalizamos no potencial formativo da parceria propiciada pelo grupo colaborativo, que foi composto pelos professores da Educação Básica, alunos de pós-graduação, alunos de graduação e professores do Ensino Superior. Os resultados apontam indícios das parcerias estabelecidas no processo formativo na qual possibilitou visualizar uma postura reflexiva dos profissionais envolvidos.

|Resumen
= 185 veces | HTML (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 72 veces| PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 150 veces| SIN TÍTULO (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 0 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Patrícia Sandalo Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutora em Educação Matemática UNESP - Rio Claro - SP

Diretor do Instituto de Matemática da UFMS

Ensino de nenhum Programa de Pós-Graduação em Matemática na Educação e Doutorado em Ensino de Ciências

Kely Fabrícia Pereira Nogueira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Doutoranda em Educação Matemática
Nickson Moretti Jorge, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Doutorando em Educação Matemática

Citas

Boavida, A. M., y Ponte, J. P. (2002). Investigação Colaborativa: potencialidades e problemas. In: GTI (Org.) Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 43–55). Lisboa, Portugal: APM.

Contreras, J. (2012) A autonomia de professores. (Sandra Trabucco Valenzuella, trad.) São Paulo, Brasil: Cortez.

Clark, R. (1988). School-University Relationships: An Interpretative Review. In: Sirotnik, K., y Goodlad, J. (Eds). School-University Partnerships in Action: Concepts, Cases and Concerns (pp. 32-65). New York, EE. UU.: Teachers College Press.

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília D.C., Brasil, 25 de junho de 2015.

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília D.C., Brasil, 02 de julho de 2015.

Ferreira, A. L. (2007). Possibilidade e realismo crítico da Pesquisa e da Formação: a colaboração entre pesquisadores e professores. In: Ibiapina, I. M. L. M, Ribeiro, M. M. G, y Ferreira, M. S. Pesquisa em Educação: Múltiplos olhares (pp. 13-27). Brasília D.F., Brasil: Líber Livro Editor.

Fiorentini, D. (2005). A formação matemática e didático-pedagógica nas disciplinas da licenciatura em matemática. Revista de Educação da PUC-Campinas, 18, 107-115.

Foerste, E. (2004). Parceria na formação de professores. Revista Iberoamericana de Educación, recuperado de: https://rieoei.org/historico/deloslectores/554Foerste.PDF

Ibiapina, I. M. L. M. (2016). Reflexões sobre a produção do campo teórico-metodológico das pesquisas colaborativas: gênese e expansão. In: Ibiapina, I. M. L. M., Bandeira, H. M. M., y Araújo, F. A. M Pesquisa Colaborativa: multirreferenciais e práticas convergente (pp. 33-62). Teresina, Brasil: EDUFPI.

Ibiapina, I. M. L. M. (2012). Pesquisa Colaborativa: atividade de investigação e formação no Grupo Formar. In: Ibiapina, I. M. L. M., Lima, G. S. B., y Carvalho, M. V. C. Pesquisa em Educação: múltiplos referenciais e suas práticas. (pp. 175-184) Teresina, Brasil: EDUFPI.

Ibiapina, I. M. L. M. (2008). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília D.F., Brasil: Líber Livro Editora.

Ibiapina, I. M. L. M., Bandeira, H. M. M., y Araújo, F. A. M. (2016). Pesquisa Colaborativa: multirreferenciais e práticas convergentes. Teresina, Brasil: EDUFPI.

Imbernón, F. (2011). Formação docente profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo, Brasil: Cortez.

Libâneo, J. C. (2010). Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro. In: Pimenta, S. G., y Ghedin, E. (Coord.) Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (pp. 53-79). São Paulo, Brasil: Cortez.

Maldaner, O. A. (2003). A formação inicial e continuada de professores de Química: professores/pesquisadores. Ijuí, Brasil: Unijuí.

Mizukami, M. G. N. (2012). Desenvolvimento profissional da docência centrado na escola: pesquisa e prática envolvendo universidade pública. Anais do XVI Endipe–Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Unicamp, Campinas, Brasil.

Nóvoa, A. (2015). Em busca da liberdade nas universidades: para que serve a pesquisa em educação. Educação & Pesquisa, 41(1), 263-272.

Nóvoa, A. (2013). Nada substitui um bom professor: propostas para uma revolução no campo da formação de professores. In: Gatti, B. A., Silva Júnior, C. A., Nicoletti, M. G., y Pagotto, M. D. S. (Coord.). Por uma política de formação de professores (pp. 199-210). São Paulo, Brasil: Editora da UNESP.

Pereira, P. S., Sakai, E. C. T., y Nogueira, K. F, P. (2018). Colaboração: uma ação para legitimar as pesquisas da própria prática de professores de Matemática. Cadernos Cenpec, 8(1), 05–28.

Pimenta, S. G., y Ghedin, E. (2010). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo, Brasil: Cortez.

Pimenta, S. G., Garrido, E., y Moura, M. O. (2010). Professor Reflexivo: Construindo Uma Crítica. In: Pimenta, S.G., y Ghedin, E. (Coord.) Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (pp. 17-52). São Paulo, Brasil: Cortez.

Ponte, J. P. (1995). Perspectivas de desenvolvimento profissional de professores de Matemática. In: Ponte, J. P., Monteiro, C., Maia, M., Serrazina, L., y Loureiro, C. (Eds.). Desenvolvimento profissional de professores de Matemática: Que formação? (pp. 193-211). Lisboa, Portugal: SPCE.

Scheid, N. M. J., Soares, B. M., y Flores, M. L. T. (2009). Universidade e Escola Básica: uma importante parceria para o aprimoramento da educação científica. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2(2), 01-11.

Silva, M. R. (2017). Articulação Escola e Universidade: algumas reflexões acerca da formação inicial e continuada para professores da educação básica. Anais. 38ª Reunião Nacional da ANPEd. UFMA, São Luís/MA, Brasil.

Silva, C. A. (2010). Fortalecimento das políticas de valorização docente: proposição de novos formatos para cursos de licenciatura para o estado da Bahia. Brasília, D.F., Brasil: UNESCO/CAPES.

Sousa, M. C. (2013). Parcerias compartilhadas entre Universidades e Escolas na formação de professores. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática, Curitiba, Brasil.

Zeichner, K. M. (2010). Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: Geraldi, C. M. G., Fiorentini, D., y Pereira, E. M. A. (Coord.). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a) (pp. 207-236). Campinas, S.P., Brasil: Mercado de Letras.

Publicado
2018-12-22
Sección
INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS