Os programas de formação de professores da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA): aportes para refletir sobre A interiorização do ensino Superior

Resumen

Embora a interiorização do Ensino Superior seja, muitas vezes, discursada como sinônimo de expansão do mesmo, entendemos que ela mereça uma análise mais acurada frente aos seus desdobramentos. Nesse sentido, objetivamos nesse artigo problematizar a ideia de interiorização do ensino superior defendida pela política de descentralização da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) iniciada com a oferta de programas especiais de formação de professores a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (BRASIL, nº 9394/1996). Nossos estudos ancoraram-se na análise de documentos oficiais emitidos pelo Conselho Estadual de Educação do Ceará, órgão regulador da UVA, na análise de documentos institucionais, na análise de conteúdo dos discursos proferidos pelo Reitor da instituição e em entrevistas realizadas com parceiros co-gestores que participaram da operacionalização dos programas. Com base nessas fontes foi possível identificar os elementos impulsionadores da política institucional de descentralização e sua dinâmica de operacionalização. Compreendemos que os programas de formação de professores ofertados pela UVA não contribuíram com o fortalecimento da interiorização do Ensino Superior pela ausência de uma política de formação contextualizada, regionalizada e fundamentada em princípios pedagógicos para além da demanda da certificação e pela ausência de um planejamento estratégico institucional que viabilizasse acompanhamento e avaliação dos processos formativos experimentais.

|Resumen
= 41 veces | PDF
= 44 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Adriana Campani, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com Estágio de Doutoramento na Universidade de Lisboa-UL (2008), sob orientação do Prof. Dr. Antonio Nóvoa. Tem Pós-doutorado em Desenvolvimento Curricular pela Universidade do Minho em Portugal. É Professora Associada da Universidade Estadual Vale do Acaraú. (UVA), onde coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Pedagogia Universitária – (GEPPU) CERTIFICADO PELO CNPq. Colabora, e coordena na UVA, com o Observatório Internacional de Inclusão, interculturalidade e Inovação Pedagógica no Ensino Superior (OIIIIP) por meio do Acordo de Cooperação entre UFRJ/UVA. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículo, Formação de Professores e Pedagogia Universitária.

Virginia Célia Cavalcante de Holanda, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Doutora em Geografia Humana pela Universidade São Paulo (USP). Realizou estágio Pós-Doutoral na linha de Pesquisa Dinâmica Urbana e Regional junto ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). É Professora Associada da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), onde atua como Professora Permanente no Mestrado Acadêmico em Geografia. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Planejamento Urbano e Regional (GEPPUR), CERTIFICADO PELO CNPq. Foi Bolsista Produtividade em Pesquisa (2008-2018) da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP).  

Citas

Baumgartner, W. H. (2015). Universidades públicas como agentes de desenvolvimento urbano e regional de cidades médias e pequenas: uma discussão teórica, metodológica e empírica. Salvador: Revista GeoTextos, 11(1), 91-111.

Brasil. (2007). Secretaria da Educação Superior (SESU). Decreto nº 6.096, que Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI). Brasília, Brasil: MEC/SESU.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN) nº 9.394/1996. Brasília, Brasil: MEC.

Brasil. (1996). Fundo de manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valo-rização do Magistério (FUNDEF) nº 9424/1996. Brasília, Brasil: MEC.

Brasil. (2015). PNE – Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001, que aprova o Plano Nacional de Educação. Brasília, Brasil: MEC.

Brasil. (2017). Censo da Educação Superior. Brasília, Brasil: INEP Disponível em: http://Portal.inep.gov.br/Site/. Acesso em: 18/07/ 2019.

Campani, A. (2011). Racionalidade pedagógica no processo de reforma curricular dos cursos de licenciaturas na universidade. Revista Linguagens, educação e sociedade, 16, 133-163.

Cataia, M. A. (2001). Território Nacional e fronteiras internas. A fragmentação do território do território brasileiro. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, USP. São Paulo.

Ceará. (1998). Parecer 994/1998 de 21 de outubro de 1998. Reconhece Curso de Pedagogia em Regime Especial – Licenciatura Plena (Esquema II) ofertado pela Universidade Es-tadual Vale do Acaraú – UVA, para análise e procedimentos cabíveis. Conselho Estadual de Educação do Ceará.

Ceará. (2012). Parecer 439/2012 de 10 de outubro de 2012. Dispõe sobre o credenciamento e o recredenciamento das universidades do Sistema Estadual de Ensino. Conselho Estadual de Educação do Ceará.

Discurso do Reitor - Soares, J. T. (2001, julho 5). A UVA para além dos seus muros. Correio da Semana, Sobral. Destaque, p. 5.

Haddad, F. (2008). O Plano de desenvolvimento da educação: razões, princípios e pro-gramas. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Freire, H. P., Holanda, V. C. C. (2018). A expansão do ensino superior nas cidades médias nordestinas. In: Silva, R. M. G. Holanda, V. C. C. (Orgs.). A expansão do ensino superior em debate. (p.p. 7-28.)1ª ed. Sobral, Edições UVA; Editora Sertão Cult.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira- INEP. Censo Edu-cação Superior de 2017. Disponível em http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-es-tatisticas-da-educacao-superior. Acesso em 08/07/2019.

Lundvall, B. (2001). Políticas de inovação na economia do aprendizado. Rev. parcerias es-tratégicas – [s.e.], (10), 200-218.

Minto, L. W. (2017). Verbete “Reforma do Estado e Educação”. Disponível em: , Acesso em: 20/07/2019.

Paula, M. F. (2009). Reforma da Educação Superior do Governo Lula: as políticas de demo-cratização do acesso em foco. Revista Argentina de Educacion Superior, 1(1), 152- 172.

Paula, D. B. (2015). As políticas de interiorização do Ensino Superior e perspectivas de trabalho para jovens rurais – estudo de caso em Matipó, Minas Gerais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa (UFV), Programa de Pós-Graduação em Ex-tensão Rural, Viçosa-MG.

Popkewitz, T. (1997). Reforma educacional: uma política sociológica poder e conhecimento em educação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Prates, A. A. P. (2007). Universidades vs terceirização do Ensino Superior: a lógica da ex-pansão do acesso com manutenção da desigualdade: o caso brasileiro. Revista Sociologias, Porto Alegre, 9(17), 102-123.

Santos, M. & Silveira, M. L. (2001). O Brasil. Território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Editora Record.

Santos, P. H. L. (2017). A Expansão e Interiorização do Ensino Superior na Bahia: O caso da UFOB (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Oeste Baiano (UFOB), Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade, Barreiras-BA.

Silva, R. M. G., & Holanda, V. C. C. (Org.). (2018). A expansão do Ensino Superior em debate. Sobral: Editora Sertãocult.

Sguissardi, V., & Silva Junior, J. R. (2010). Trabalho Intensificado nas Federais: pós graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã.

Schwartzman, S. (1980). Ciência, universidade e ideologia: a política do conhecimento. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Schwartzman, S. (2014). A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp.

Soares, J. T. (1999). A Formação do Professor Leigo: Operação de Guerra. Sobral: Edições UVA.

Publicado
2020-12-22
Cómo citar
CampaniA., & HolandaV. C. C. de. (2020). Os programas de formação de professores da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA): aportes para refletir sobre A interiorização do ensino Superior. Uni-Pluriversidad, 20(2), 1-19. https://doi.org/10.17533/udea.unipluri.20.2.011
Sección
INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS