Perception of a group of biology teachers from Argentina on the STS movement

Autores/as

  • State University of Southwest Bahia
  • State University of Southwest Bahia
  • State University of Southwest Bahia

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.unipluri.20059

Palabras clave:

STS, Argentina, teachers, biological sciences

Resumen

For a long time, the teaching of science conducted in the Science, Technology and Society (STS) perspective is being discussed and defended. Summarily, the STS approach can be understood as a movement that argues that science teaching should be concerned with “explaining the impact of science and technology in people’s lives” (Ferst, 2013). According to some researchers, since the sixties many curricula were developed in the light of the STS approach. In terms of teacher training, this perspective appears to be very relevant, since teachers are, in formal education, directly responsible for the formation of more critic and reflective decision making citizens. This article is the result of work done in Argentina with the purpose of analyzing the perceptions that teachers of Biological Sciences from different provinces had about the subject. It is a qualitative research that led us to conclude that teachers from Argentina have a satisfactory insight about STS, however it is evident that the initial offered training does not cover these discussions but they occur later in other courses.

|Resumen
= 126 veces | PDF
= 41 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

, State University of Southwest Bahia

Master’s Degree Student in Science Education and Teacher Training at the State University of Southwest Bahia, Brazil.

, State University of Southwest Bahia

Professor at the National University of the Litoral- Argentina. 

, State University of Southwest Bahia

Professor of the Master’s Program in Science Education and Teacher Training at the State University of Southwest Bahia. 

Citas

Auler, Décio; Bazzo, Walter Antônio (2001). «Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro». Revista Ciência & Educação, v.7, n.1, p.1-13. Bauru, SP.

Araujo, Maria Cristina Pansera De; Gehlen, Simone Tormöhlen; Mezalira, Sandra Mara; Scheid, Neusa Maria John (2009). «Enfoque CTS na pesquisa em Educação em Ciências: extensão e disseminação». Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências Vol.9.Ed, ABRAPEC, São Paulo.

Bardin, Laurence (2011). Análise de conteúdo. Pinheiro- São Paulo: Edições 70.

Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências (1997), Brasil. Recuperado em 05 de fevereiro de 2014 em http://portal.mec.gov.br/seb/ar-quivos/pdf/livro04.pdf

Carvalho, Ana Maria Pessoa de Cravalho, Gil Perez, Daniel (2003). Formação de professores de Ciências. São Paulo, Ed. Cortez, V.26,

Cunha, Marcia Borin (2006). «O movimento ciência/tecnologia/Sociedade (CTS) e o ensino de Ciências: condicionantes Estruturais». Revista Varia Scientia,. Ed. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Paraná, V.06.

Ferst, Enia Maria (2013). «A abordagem CTS no Ensino de Ciências Naturais: possibilidades de inserção nos anos iniciais do ensino fundamental». Revista EDUCAmazônia-Educação Sociedade e Meio Ano 6, Vol XI, Número 2, Jul- Dez, 2013, Pág. 276-299. Recuperado em 16 de março de 2014 em: http://educamazonia.cw7.info/?p=220&print=pdf

Freitas, Denize de; villani, Alberto.(2002) «Formação de professores de Ciências: um desafio sem limites» Revista Investigações em ensino de Ciências, Porto Alegre, RG, v.7, Ed, UFRGS. Recuperado em 12 de setembro de 2011 em http://www.if.ufrgs.br/pu-blic/ensino/vol7/n3/v7_n3_a3.htm.

García (1999) C. M. Formação de Professores. Porto-Portugal: Ed. Porto.

Lemgruber, Márcio Silveira (2000). «Um panorama da Educação em Ciências». Educação em Foco. Juiz de Fora, v.5, n.1, Ed. UFJF.

Linsingen, I. Von (2007). «Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina». Ciência & Ensino, vol. 1, número especial, novembro. Unicamp, São Paulo.

Lüdke, M.; andré, M. E. D. A (1986) Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

Moraes, Roque (2003). «Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva».Revista Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211. Bauru, SP.

Moraes, R.; GaliaZi, M. C (2011). Análise textual discursiva. 2º edição. Editora Unijuí. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul.

Moraes, Roque e Galiazzi, Maria Cecília (2006). Análise Textual Discursiva: Processo reconstrutivo de múltiplas faces. Revista Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, Bauru, SP.

Moraes, Roque. (2003). «Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva» Revista Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211. Bauru, SP.

Moreira, Antônio Flávio Barbosa (2009). «Currículo: conhecimento e cultura: sobre a qualidade na Educação Básica». Currículo: Educação e Cultura, Brasil, Ano XIX. Nº 1.

Nascimento, Fabrício. (2012). «Ciência, conhecimento científico e ideais de cientificidade no ensino e na Formação de Professores de Ciências». Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v.2, n.6, p.07-23.

Nascimento, Tatiana Galieta; von Linsinger, Irlan. «Articulação entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências». Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologiav.1, n.1, jan-jun 2009. IFECT, Rio de Janeiro.

Porto, M.l. O; CHapani, D.t (2013). «Abordagem CTS (Ciência-Tecnologia-Sociedade) e Formação de Professores: Possíveis Relações e Questionamentos». X Colóquio do Museu Pedagógico, Vol. 10, No 1; ISSN 2175-5493.

Porto, Maria de Lourdes (2014). «O ensino de Biologia na Educação de Jovens e Adultos (EJA) por meio do enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS): Análise de uma proposta». Dissertação de mestrado. UESB, Bahia.

Razuck, R.C.S.R; razuck, F.B (2011). «O Enfoque CTS na Formação de Professores em Ciências - Um estudo de caso da Universidade de Brasília». Disponível em: http://www.esocite.org.br/eventos/tecsoc2011/cdanais/arquivos/pdfs/artigos/gt003-aeducacao.pdf.

Richardson, Robert Jarry (2009). «Pesquisa social:métodos e técnicas». São Paulo: Atla.

Oehrig, Silmara Alessi Guebur; assis, Kleine Karol, CZelusniaki, Sonia Maris (2011). A Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Reflexões sobre as Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná. Recupe-rado em: www.esocite.org.br/eventos/tecsoc2011/cdanais/arquivos/pdfs/artigos/gt005-aabordagemcts.pdf

Santos, Wildson; Luiz Pereira dos; Mortimer, Eduardo Fleury (2002). «Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência, Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira». Revista ENSAIO- Pesquisa em Educação em Ciência, V.02, N.02. UFMG, Minas Gerais.

Solbes, Jordi; Vilches, amparo; Gil, Daniel. (2001). «El enfoque CTS y la formación del professorado». Universitat de València. En Pedro Membiela (Ed.), Enseñanza de las Ciencias desde la perspectiva Ciencia-Tecnología- Sociedad. Madrid: Narcea.Cap.11,pp 163-175.

Santana, Tainan Amorim; Bastos Ana Paula solino; teixeira, Paulo Marcelo Marini (2012). Por que nos alimentamos? Análise de uma sequência didática estruturada segundo referenciais do movimento CTS. VII Seminário Ibérico/III Seminário Ibero-americano CTS no ensino de Ciências. Recuperado em 10 de setembro de 2013 em http://www.oei.es/seminarioctsm/PDF_automatico/F56textocompleto.pdf.

Sousa, Grasielle Pereira (2013). «Educação CTS e genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios». Dissertação de mestrado. UESB, Bahia.

Teixeira, Paulo Marcelo Marini (2003). «Educação Científica e Movimento CTS No quadro das Tendências Pedagógicas no Brasil». Disponível em: http://ufpa.br/ensinofts/artigos2/v3n1a7.pdf.

Trivelato, Sílvia Luzia Frateschi (1999). «A Formação de Professores e o enfoque CTS». Pensamiento Educativo. Vol. 24 (julio 1999), pp. 201-234, Chile.

Descargas

Publicado

2014-07-21

Cómo citar

Patrícia, Ana Patrícia, & Ana Cristina. (2014). Perception of a group of biology teachers from Argentina on the STS movement. Uni-Pluriversidad, 14(2), 81–91. https://doi.org/10.17533/udea.unipluri.20059

Número

Sección

INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS