Percepção de um grupo de professores de Biologia da Argentina sobre o movimento CTS

  • Patrícia Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Ana Patrícia Fabro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Ana Cristina Santos Duarte Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Resumen

Há muito, o ensino de Ciências realizado na perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) vem sendo discutido e defendido. De maneira sumária, o enfoque CTS pode ser entendido como um movimento que defende que o ensino de Ciências deva preocupar-se em “explicar o impacto das Ciências e da tecnologia na vida das pessoas” (Ferst, 2013). Conforme alguns pesquisadores, a partir da década de sessenta muitos currículos foram desenvolvidos à luz do enfoque CTS. Em se tratando da formação do professor, essa perspectiva mostra-se em demasiado relevante, pois são os professores, no ensino formal, os responsáveis diretos pela formação de cidadãos mais críticos e reflexivos, que sejam capazes de tomar decisões. O artigo que apresentamos é resultado de um trabalho desenvolvido na Argentina, em que se buscou verificar as percepções que os professores de Ciências Biológicas de diferentes províncias do país, possuíam acerca do tema. Trata-se de uma investigação qualitativa que nos levou a concluir que os professores da Argentina têm uma percepção satisfatória sobre CTS, entretanto fica evidente que a formação inicial ofertada não abarca essas discussões, sendo essas realizadas posteriormente em outros cursos.

|Resumen
= 59 veces | PDF
= 22 veces|

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Patrícia Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Aluna de mestrado Educação Científica e formação de Professores da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Brasil.

Ana Patrícia Fabro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora mestre da Universidade Nacional do Litoral- Argentina.

Ana Cristina Santos Duarte, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora doutora do Programa de Mestrado Educação Científica e Formação de Professores da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia- UESB/Brasil.

 

Citas

Auler, Décio; Bazzo, Walter Antônio (2001). «Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro». Revista Ciência & Educação, v.7, n.1, p.1-13. Bauru, SP.

Araujo, Maria Cristina Pansera De; Gehlen, Simone Tormöhlen; Mezalira, Sandra Mara; Scheid, Neusa Maria John (2009). «Enfoque CTS na pesquisa em Educação em Ciências: extensão e disseminação». Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências Vol.9.Ed, ABRAPEC, São Paulo.

Bardin, Laurence (2011). Análise de conteúdo. Pinheiro- São Paulo: Edições 70.

Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências (1997), Brasil. Recuperado em 05 de fevereiro de 2014 em http://portal.mec.gov.br/seb/ar-quivos/pdf/livro04.pdf

Carvalho, Ana Maria Pessoa de Cravalho, Gil Perez, Daniel (2003). Formação de professores de Ciências. São Paulo, Ed. Cortez, V.26,

Cunha, Marcia Borin (2006). «O movimento ciência/tecnologia/Sociedade (CTS) e o ensino de Ciências: condicionantes Estruturais». Revista Varia Scientia,. Ed. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Paraná, V.06.

Ferst, Enia Maria (2013). «A abordagem CTS no Ensino de Ciências Naturais: possibilidades de inserção nos anos iniciais do ensino fundamental». Revista EDUCAmazônia-Educação Sociedade e Meio Ano 6, Vol XI, Número 2, Jul- Dez, 2013, Pág. 276-299. Recuperado em 16 de março de 2014 em: http://educamazonia.cw7.info/?p=220&print=pdf

Freitas, Denize de; villani, Alberto.(2002) «Formação de professores de Ciências: um desafio sem limites» Revista Investigações em ensino de Ciências, Porto Alegre, RG, v.7, Ed, UFRGS. Recuperado em 12 de setembro de 2011 em http://www.if.ufrgs.br/pu-blic/ensino/vol7/n3/v7_n3_a3.htm.

García (1999) C. M. Formação de Professores. Porto-Portugal: Ed. Porto.

Lemgruber, Márcio Silveira (2000). «Um panorama da Educação em Ciências». Educação em Foco. Juiz de Fora, v.5, n.1, Ed. UFJF.

Linsingen, I. Von (2007). «Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina». Ciência & Ensino, vol. 1, número especial, novembro. Unicamp, São Paulo.

Lüdke, M.; andré, M. E. D. A (1986) Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

Moraes, Roque (2003). «Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva».Revista Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211. Bauru, SP.

Moraes, R.; GaliaZi, M. C (2011). Análise textual discursiva. 2º edição. Editora Unijuí. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul.

Moraes, Roque e Galiazzi, Maria Cecília (2006). Análise Textual Discursiva: Processo reconstrutivo de múltiplas faces. Revista Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, Bauru, SP.

Moraes, Roque. (2003). «Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva» Revista Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211. Bauru, SP.

Moreira, Antônio Flávio Barbosa (2009). «Currículo: conhecimento e cultura: sobre a qualidade na Educação Básica». Currículo: Educação e Cultura, Brasil, Ano XIX. Nº 1.

Nascimento, Fabrício. (2012). «Ciência, conhecimento científico e ideais de cientificidade no ensino e na Formação de Professores de Ciências». Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v.2, n.6, p.07-23.

Nascimento, Tatiana Galieta; von Linsinger, Irlan. «Articulação entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências». Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologiav.1, n.1, jan-jun 2009. IFECT, Rio de Janeiro.

Porto, M.l. O; CHapani, D.t (2013). «Abordagem CTS (Ciência-Tecnologia-Sociedade) e Formação de Professores: Possíveis Relações e Questionamentos». X Colóquio do Museu Pedagógico, Vol. 10, No 1; ISSN 2175-5493.

Porto, Maria de Lourdes (2014). «O ensino de Biologia na Educação de Jovens e Adultos (EJA) por meio do enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS): Análise de uma proposta». Dissertação de mestrado. UESB, Bahia.

Razuck, R.C.S.R; razuck, F.B (2011). «O Enfoque CTS na Formação de Professores em Ciências - Um estudo de caso da Universidade de Brasília». Disponível em: http://www.esocite.org.br/eventos/tecsoc2011/cdanais/arquivos/pdfs/artigos/gt003-aeducacao.pdf.

Richardson, Robert Jarry (2009). «Pesquisa social:métodos e técnicas». São Paulo: Atla.

Oehrig, Silmara Alessi Guebur; assis, Kleine Karol, CZelusniaki, Sonia Maris (2011). A Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Reflexões sobre as Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná. Recupe-rado em: www.esocite.org.br/eventos/tecsoc2011/cdanais/arquivos/pdfs/artigos/gt005-aabordagemcts.pdf

Santos, Wildson; Luiz Pereira dos; Mortimer, Eduardo Fleury (2002). «Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência, Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira». Revista ENSAIO- Pesquisa em Educação em Ciência, V.02, N.02. UFMG, Minas Gerais.

Solbes, Jordi; Vilches, amparo; Gil, Daniel. (2001). «El enfoque CTS y la formación del professorado». Universitat de València. En Pedro Membiela (Ed.), Enseñanza de las Ciencias desde la perspectiva Ciencia-Tecnología- Sociedad. Madrid: Narcea.Cap.11,pp 163-175.

Santana, Tainan Amorim; Bastos Ana Paula solino; teixeira, Paulo Marcelo Marini (2012). Por que nos alimentamos? Análise de uma sequência didática estruturada segundo referenciais do movimento CTS. VII Seminário Ibérico/III Seminário Ibero-americano CTS no ensino de Ciências. Recuperado em 10 de setembro de 2013 em http://www.oei.es/seminarioctsm/PDF_automatico/F56textocompleto.pdf.

Sousa, Grasielle Pereira (2013). «Educação CTS e genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios». Dissertação de mestrado. UESB, Bahia.

Teixeira, Paulo Marcelo Marini (2003). «Educação Científica e Movimento CTS No quadro das Tendências Pedagógicas no Brasil». Disponível em: http://ufpa.br/ensinofts/artigos2/v3n1a7.pdf.

Trivelato, Sílvia Luzia Frateschi (1999). «A Formação de Professores e o enfoque CTS». Pensamiento Educativo. Vol. 24 (julio 1999), pp. 201-234, Chile.

Publicado
2014-07-21
Cómo citar
Silva P., Fabro A. P., & Santos Duarte A. C. (2014). Percepção de um grupo de professores de Biologia da Argentina sobre o movimento CTS. Uni-Pluriversidad, 14(2), 81-91. Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/unip/article/view/20059
Sección
INFORMES DE INVESTIGACIÓN Y ENSAYOS INÉDITOS