Formação de intérpretes versus ofício de tradutores públicos e intérpretes comerciais no Brasil: um estudo de caso no Estado do Ceará

Autores/as

  • Ananda Badaró de Athayde Prata Universidade Federal do Ceará
  • Tito Lívio Cruz Romão Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0002-3195-3600

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.mut.v12n1a08

Palabras clave:

Estudos Aplicados da Tradução, tradutores públicos, intérpretes comerciais, formação profissional no Brasil

Resumen


No Brasil, quase todas as Juntas Comerciais estaduais selecionam, mediante concursos públicos, tradutores públicos e intérpretes comerciais (tpics). Não há, todavia, nenhuma exigência de formação prévia em tradução/interpretação para os candidatos inscritos nos concursos. Segundo Wyler (2003), desde o Brasil-Colônia a tradução/interpretação pública sempre esteve presente no país. Somente a partir dos anos 1950, essa disciplina passou a ser objeto de pesquisa da Linguística e, posteriormente, dos Estudos da Tradução. Para classificarem a interpretação especificamente, Mikkelson (2009), Pagura (2001) e Pöchhacker (2004) recorrem a diferentes critérios, considerando os contextos em que ela se realiza e o modo de trabalho utilizado pelos intérpretes. Visando a delinear o perfil da formação dos tpics no Ceará, neste trabalho primeiramente se traçará um breve histórico do ofício de tpics no Brasil e da legislação pertinente; depois serão comentados os resultados de uma pesquisa com 17 perguntas que foi aplicada a tpics cearenses sobre sua formação e atuação profissional. O resultado da pesquisa apontou uma alta taxa de respostas: 62,26%. Conforme os dados, 81,8% dos tpics não possuem formação em interpretação, embora 75,8% atuem como intérpretes. Em sua totalidade, os resultados permitem uma reflexão sobre que medidas de formação profissional básica e/ou continuada se poderiam recomendar para que possa haver mudanças nesse quadro.

|Resumen
= 134 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 138 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Ananda Badaró de Athayde Prata, Universidade Federal do Ceará

Tradutora e intérprete.

Tito Lívio Cruz Romão, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Estudos da Tradução

Citas

Aubert, F. H. (1988). Tipologia e procedimentos da tradução juramentada. Teoria, legislação, modelos e exercícios práticos [Apostila de estudos]. São Paulo: CITRAT.

Campbell, A. de S. (1984). Tradutores Públicos e Traduções Juramentadas no Brasil. Em W. M. Portinho (Org.), A tradução técnica e seus problemas (pp. 107-146). São Paulo: Álamo.

Decreto-lei nº 1.608, de 18 de setembro de 1939. Código de Processo Civil (1939). (Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del1608.htm; acesso: 05/04/2019)

Decreto nº 13.609, de 21 de outubro de 1943. Aprova o regulamento do ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial no território da República, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo (1943) (Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D13609.htm; acesso: 05/04/2019)

Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, Diário Oficial da República Federativa do Brasil (2005). (Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm; acesso: 05/04/20019)

Hurtado Albir, A. (2013). Traducción y traductología. Introducción a la traductología. Madri: Cátedra.

Kade, O. (1968). Zufall und Gesetzmäβigkeit in der Übersetzung. Leipzig: Verlag Enzyklopädie.

Lauterbach, S. (1996). Übersetzen und Dolmetschen in Lateinamerika: Studienführer, Bibliographie und Modellcurriculum/Traducción y Interpretación en América Latina/Tradução e Interpretação na América Latina. Munique: iudicium verlag GmbH.

Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil (1916). (Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1910-1919/lei-3071-1-janeiro-1916-397989-publicacaooriginal-1-pl.html; acesso: 05/04/2019)

Lei Presidencial nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências (2002). (Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm; acesso: 05/04/2019)

Mikkelson, H. (2009). Interpreting is interpreting – or is it? aiic.net. December 14, 2009. (Disponível em: https://aiic.net/page/3356/interpreting-is-interpreting-or-is-it/lang/1; acesso em 05/04/2019)

Oliveira, L. E. M. (2005). As origens da profissão de tradutor público e intérprete comercial no Brasil (1808-1943). Claritas. Revista do Departamento de Inglês da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 11 (2), 25-41. Disponível em: http://revistas.pucsp.br. Acesso em: 05/04/2019.

Oliveira, L. E. M. (2006). A instituição do ensino das Línguas Vivas no Brasil: o caso da Língua Inglesa (1809-1890) [Tese de Doutorado]. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, PUC de São Paulo. (Disponível em http://www.sapientia.pucsp.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2255.Tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2255; acesso: 05/04/2019)

Pagura, R. (2001). Translation and interpretation – two sides of the same coin? Newsletter Braz-Tesol, (7), 10-13.

Pagura, R. J. (2010). A interpretação de conferências no Brasil: história de sua prática profissional e a formação de intérpretes brasileiros [Tese (Doutorado em Letras)]. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos e Literários do Inglês, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pagura, R. J. (2015). Tradução & interpretação. Em L. M. Amorim, C. C. Rodrigues e E. N. A. Stupiello (orgs.), Tradução & Interpretação: perspectivas teóricas e práticas (pp. 183-207). São Paulo: Cultura Acadêmica. (Disponível em: http://books.scielo.org/id/6vkk8/pdf/amorim-9788568334614-09.pdf; acesso: 05/04/2019)

Pöchhacker, F. (2004). Introducing Interpreting Studies (pp. 9-26). London, Routledge.

Reiss, K. e Vermeer, H. J. (1991). Grundlegung einer allgemeinen Translationstheorie. Tübingen: Niemeyer.

Romão, T. L. C. (2014). A tomada de notas em interpretação consecutiva: algumas considerações históricas. TRADTERM, 24, 281-300.

Romão, T. L. C. (2015) Formação de intérpretes de línguas orais. Em V. de O. Pontes et. al. (eds.), A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: Editora CRV, 185-198.

Wyler, L. (2003) A tradução oral no Brasil. Em Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil (pp. 29-49). Rio de Janeiro: Rocco.

Publicado

2019-04-30

Cómo citar

Badaró de Athayde Prata, A., & Cruz Romão, T. L. (2019). Formação de intérpretes versus ofício de tradutores públicos e intérpretes comerciais no Brasil: um estudo de caso no Estado do Ceará. Mutatis Mutandis. Revista Latinoamericana De Traducción, 12(1), 209–229. https://doi.org/10.17533/udea.mut.v12n1a08