Los currículos de formación de profesores de Educación Física y el Síndrome de Estocolmo: explicaciones para el choque con la realidad

Autores/as

  • Marcos Garcia Neira Universidad de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.efyd.v33n1a04

Palabras clave:

Currículo, educación física, formación de profesores

Resumen


Este artículo analiza los currículos de la formación inicial en Educación Física con el objetivo de obtener aclaraciones con respeto al llamado “choque de realidad”. Los datos obtenidos a través de observaciones, análisis de documentos y entrevistas con docentes y discentes, han sido confrontados con las referencias teóricas de los Estudios Culturales. Las interpretaciones realizadas indican que las experiencias de formación durante los cursos de Educación Física pueden ser responsabilizadas por las dificultades enfrentadas por los egresos así que esos empiezan sus carreras. Los jóvenes profesores tienden a culpabilizar los alumnos sin cuestionar su formación, y experimentan una relación que se asemeja a la Síndrome de Estocolmo.

|Resumen
= 150 veces | PDF
= 129 veces| | HTML
= 15 veces|

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Marcos Garcia Neira, Universidad de São Paulo

- Universidad de Postdoctorado de Minho y Universidad Estatal de Postdoctorado de Campinas. - Doctorado en Educación. - Máster en Educación. - Mestrado em Educação.

Citas

Alviano Júnior, W. (2011). Formação inicial em Educação Física: análises de uma construção curricular. (Tese doutorado em educação). São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação.

Apple, M. W. (2003). Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez/IPF.

Daolio, J. (2010). A Educação Física escolar como prática cultural: tensões e riscos. In J. Daolio (Coord.), Educação Física escolar: olhares a partir da cultura (pp. 5-18). Campinas: Autores Associados.

Foucault, M. (2006). A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2006.

Garcia, R. L., & Moreira, A. F. B. (2008). Começando uma conversa sobre currículo. In R. L. Garcia & A. F. B. Moreira (Org.), Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafíos (pp. 7-39). São Paulo: Cortez.

Neira, M. G. (2009). Desvelando Frankensteins: interpretações dos currículos de Licenciatura em Educação Física. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, 1(1), 118-140.

Neira, M. G., & Kondratiuk, C. Ch. (2013). Memórias de Cibele: caminos trilhados, experiências corporais e identidade docente. Brasil: Phorte Editora.

Neira, M. G., & Lippi, B. G. (2012). Tecendo a colcha de retalhos: a bricolagem como alternativa para a pesquisa educacional. Educação & Realidade, 37(2), 607-625.

https://doi.org/10.1590/S2175-62362012000200015

https://doi.org/10.1590/S2175-62362012000200015

https://doi.org/10.1590/S2175-62362012000200015

Nelson, C., Treichler, P. A., & Grossberg, L. (2008). Estudos Culturais: uma introdução. In T. T. Silva (Org.), Os alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais em educação. Petrópolis: Vozes.

Nunes, M. L. F. (2011). Sobre Frankenstein, Monstros e Ben 10: fragmentos da formação em Educação Física. (Tese doutorado em educação). São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação.

Popkewitz, T. S. (2008). Uma perspectiva comparativa das parcerias, do contrato social e dos sistemas racionais emergentes. In M. Tardif & C. Lessard, O ofício do professor (pp. 244-245). Petrópolis: Vozes.

Silva, T. T. (1996). Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. São Paulo: Vozes.

Silva, T. T. (2007). Documentos de identidade: uma introdução às teorías do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Sodré, M. L., & Neira, M. G. (2011). A formação de professores de Educação Física na Universidade de São Paulo: análise das experiências de estágio disciplinar. Cadernos de Educação Física: Estudos e Reflexões, 10(19), 11-18.

Tardif, M. (2005). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes.

Torres Santomé, J. (2011). O cavalo de Troia dos conteúdos curriculares. In M. W. Apple, W. Au, & L. A. Gandin, Educação crítica: análise internacional (pp. 82-98). Porto Alegre: Artmed.

Vieira, R. A. G. (2013). Identidades docentes no Ensino Superior de Educação Física: recorte da cidade de Sorocaba. (Dissertação mestrado em educação). São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T.T. Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais (pp. 7-72). Petrópolis: Vozes

Descargas

Publicado

2014-06-30

Cómo citar

Neira, M. G. (2014). Los currículos de formación de profesores de Educación Física y el Síndrome de Estocolmo: explicaciones para el choque con la realidad. Educación Física Y Deporte, 33(1), 51–71. https://doi.org/10.17533/udea.efyd.v33n1a04

Número

Sección

Artículos de Investigación