Voices from the Aboriginals: A Response from the South Aimed at Southing Language Education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.17533/udea.ikala.v27n3a09

Keywords:

language education, teaching education, invitation to southing, indigenous literatures, (de)coloniality, resistance

Abstract

Teaching-learning languages can be a means to keep hierarchies and erasures while promoting supporting and problematizing settings. At the same time, the production of teaching materials helping indigenous subjectivities and wisdoms to overcome the walls of educational institutions can be considered as a highly significant process, with the potential to help join articulated social forces and movements aiming to change the above mentioned reality. Drawing on this assumption, we aim to analyze how aboriginal peoples and indigenous literatures are addressed in a volume of a teachers’ collection titled Critical Education Routes For English Teachers, to discuss its potential to southing language education, and to delve into the analysis of notions about language, identities and literatures informing the textbooks. Besides, we assess the depth of discussions brought about and the potential (re)production of derogatory repertoires, as well as unique narratives about aboriginal peoples. We understand this teaching material provides an innovative proposal that allows us to contribute to training socially engaged teachers, aware of different identities, wisdoms, cultures, and epistemologies. Thus, it is noteworthy that, even though the material has not been designed based on decolonial tenets, it becomes a response from the South devoted to promoting a critical approach engaged with social issues. The material suggests a broadening of movements towards identifying, claiming, and disrupting colonial hierarchizations, invisibilites, and unfeasibilites that have become part of ourselves. It also helps us build realities otherwise.

|Abstract
= 591 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 377 veces| | HTML
= 5 veces| | VISOR
= 0 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Ana Paula Marques Beato-Canato, Federal University of Parana (UFPR)

Professor, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Brazil.

Rogério Back, Universidade Federal do Paraná (PPGL/UFPR)

Doutorando, Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná (PPGL/UFPR), Brasil.

References

Adichie, C. N. (2009, julho). The danger of a single story. [Apresentação de conferência]. ted Conference, Oxford, Inglaterra. https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story. Acesso: 17 fev., 2022.

Back, R. (2022). Identidades e saberes indígenas: um olhar para o livro didático de língua espanhola em contexto de educação escolar indígena. [Dissertação Mestrado em Letras]. Programa de Pós-graduação em Letras. Universidade de Curitiba.

Back, R., Beato-Canato, A. P. M., & Amorim, M. A. (2021). Etno-histórias nas escolas brasileiras: um caminho de aproximação com os povos indígenas. Gragoatá, 26(56), 1018-1051. https://doi.org/10.22409/gragoata.v26i56.49151

Beato-Canato, A. P. M., & Back, R. (no prelo). Entre dilemas e possibilidades: a BNCC e os povos indígenas. No prelo.

Brasil, Ministério da Educação (2008). Lei nº 11.645. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Ministério da Educação.

Campos, M. D. (1991). A arte de sulear-se: Atividades. In T. C. Scheiner (coord.), Interação museu-comunidade pela educação ambiental, manual de apoio a curso de extensão universitária (pp. 79-84), tacnet Cultural unirio, Rio de Janeiro. http://sulear.com.br/beta3/wp-content/uploads/2017/03/CAMPOS-M-D-A-Arte-de-Sulear-2-Ativs-1991.pdf

Coelho, M. C. P. (2003). As narrações da cultura indígena da Amazônia: lendas e histórias. [Tese de doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem], puc São Paulo.

Cristovão, V. L. L., & Francescon, P. K. (no prelo). Voices from the aboriginals: Telling legends and oral stories. Casa Editorial.

Cristovão, V. L. L., Miquelante, M. A., & Francescon, P. K. (2020). Sequências de formação: instrumento de mediação no sistema de atividade da formação docente. ReVEL, edição especial, 18(17), 466-498.

Freire, A. M. A. (1992). Notas. In P. Freire, Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P., & Campos, M. D. (1991). Leitura da palavra... leitura do mundo. O Correio da Unesco, 19(2), 4-9.

Freire, P., & Faundez, A. ([1985] 2011). Por uma pedagogia da pergunta. Paz e Terra.

Freire, P., & Macedo, D. ([1987] 2021). Literacy: Reading the word and the world. Routledge and Kegan Paul.

Freitas, A. L. S. (2020). Carta pedagógica de Paris: registros de uma experiência em processo. In F. S. Paulo, & I. Dickmann (Orgs.), Cartas pedagógicas: tópicos epistêmico-metodológicos na educação popular (pp. 54-72). Livrologia.

Garcia, S. P. P. (2021). Relações étnico-raciais na Abya Yala/ Améfrica Ladina: análise dialógica de um livro didático de espanhol para ensino médio. [Dissertação do Mestrado em Letras], Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Graúna, G. (2011). Educação, literatura e direitos humanos: visões indígenas da lei 11.645/08. Educação & Linguagem, 14(23/24), 231-260. https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v14n23-24p231-260

Graúna, G. (2013). Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Mazza.

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século xvi. Dossiê: Decolonialidade e Perspectiva Negra • Soc. Estado, 31(1), 25-49. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

Librandi-Rocha, M. (2014). A carta Guarani Kaiowá e o direito a uma literatura com terra e das gentes. Estudos de literatura brasileira contemporânea, 44, 165-191. https://doi.org/10.1590/2316-4018448

Luciano, G. J. S. (2017). Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indígena. Revista de Educação Pública, 26, 295-310.

Mongelo, J. V. (2013). Okoteve Ja Vy’a: Educação escolar indígena e educação indígena. Contrastes, conflitos e necessidades. [Dissertação de Mestrado em Educação], Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Munduruku, D. (2012). Literatura indígena e as novas tecnologias da memória. Leetra Indígena, 1(1), 16-23.

Pessoa, R. R., Silvestre, V. P. V., & Monte Mor, W. M. (Orgs.). (2018). Perspectivas críticas de educação linguística no brasil - Trajetórias e práticas de professoras/es universitárias/os de inglês (vol. 1). Pá de Palavra - Parábola Editorial.

Potiguara, E. (1989). A terra é a Mão do Índio Nhándecy. Grupo Mulher Educação Indígena (grumin).

Potiguara, E. (2019). Literatura indígena e nativa vem das entranhas da Terra. Revista Cátedra Digital, 5, Literatura Infantil e Juvenil de Etnias Indígenas Brasileiras.

Rezende, T. F., & Rodrigues, E. R. M. (2020). Perspectiva intercultural em práticas de Tânia Ferreira Rezende formação de docentes indígenas. Linguagem & Ensino, 23(4), 1204-1223. https://doi.org/10.15210/rle.v23i4.18551

Santos, A. B. D. (2015). Colonização, quilombos: modos e significações. inct/UnB.

Silva, G. J., & Costa, A. M. R. F. M. (2018). Histórias e culturas indígenas na Educação Básica. Autêntica.

Smith, A M. (2013). Mudanças e/ou permanências: relações étnico-raciais no livro didático de língua inglesa. [Dissertação de mestrado]. Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília.

Souza, L. M. M. (2008). O professor de inglês e os letramentos no século xxi: métodos ou ética? In C. M. Jordão, J. Z. Martinez, & R. C. Halu (Orgs.), Formação desformatada – práticas com professores de língua inglesa (pp. 279-303). Pontes Editores.

Souza, A. L. S. (2009). Letramentos de reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. [Tese de doutorado em Estudos da Linguagem]. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem.

Souza, L. M. T. M., Iberê, D., Beato-Canato, A. P. M., & Back, R. (2021). Diálogos entre saberes indígenas e indigenistas: conversa com Lynn Mario Trindade Menezes de Souza e Daniel Iberê Guarani M’byá. Revista UniLetras, 43, 1-23. https://doi.org/10.5212/Uniletras.v.43.18235.2021

Trevisani, A. P., Pontara, C. L., Corrêa, F. P. P., & Cristovão, V. L. L. (2021). Gêneros escolares e acadêmicos como ferramentas de mediação em cursos de formação de professores/as de língua Inglesa. [Apresentação oral]. Congresso Latino Americano de Formação de Professores de Línguas (clafpl).

Veronelli, G. A. (2015). Sobre la colonialidad del lenguaje y el decir. Universitas Humanística, [S. l.], 81(81), 33-58. https://doi.org/10.11144/Javeriana.uh81.scdl

Veronelli, G. A. (2019). La colonialidad del lenguaje y el monolenguajear como prática lingüística de racialización. Polifonia, 26(44), 146-163.

Volóchinóv, V. (2017). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Editora 34.

Werá, K. (2017). Kaká Werá. Organização de Kaká Werá. Coordenação de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Azougue Editorial.

Published

2022-09-16

How to Cite

Marques Beato-Canato, A. P., Back, R., Lopes Cristovão, V. L., & Francescon, P. (2022). Voices from the Aboriginals: A Response from the South Aimed at Southing Language Education. Íkala, Revista De Lenguaje Y Cultura, 27(3), 744–762. https://doi.org/10.17533/udea.ikala.v27n3a09

Similar Articles

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 > >> 

You may also start an advanced similarity search for this article.