"The Master’s Tool will Never Dismantle the Master’s House”: Discourse Analysis of a Marginal Translation

Keywords: Language-intervention, Afrodiasporic literature, marginal translations, Black women, racism

Abstract

In her conference entitled “The Master’s Tool Will Never Dismantle The Master’s House” (1984), Afro-American writer Audre Lorde argues that we need to create new tools to help deconstruct racism, which has subalternized various social groups throughout history. Drawing from this approach, we take as a reference Maingueneau and Bakhtin’s discourse analysis, specifically Rocha’s language-intervention, and rely on Bassnett and Lefevere’s notion of translation as rewriting in order to reflect upon the effects of subjectivity in translations. According to these, when rendered by individuals belonging to marginalized groups, translations may be prone to subverting the rationale of translations delivered by big publishing houses. Thus, we analyze Lorde’s referred discourse, which was translated to Portuguese by Tatiana Nascimento —someone who was characterized as female, Black, and Lesbian—. The aim is to discuss new possibilities of building fresh realities and subjectivities which can be produced from the so-called “marginalized translations”.

|Abstract
= 114 veces | PDF (PORTUGUÊS (BRASIL))
= 94 veces|

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Roberta Calixto, CEFET/RJ

Doutoranda em Letras/Linguística, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, rj, Brasil.
Professora visitante, coordenadora pedagógica, Escola Latino Americana de História Política, elahp, Brasil.
robertasc.santos@gmail.com

Luisa Araujo Peixoto, CEFET/RJ

Mestra em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET), RJ, Brasil.
0.luisa.peixoto.0@gmail.com

Luciana de Mesquita Silva, CEFET/RJ

Doutora em Letras, Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil. Docente de Língua Inglesa e Língua Portuguesa no Mestrado em Relações Étnico-Raciais, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET), RJ, Brasil.
luciana.silva@cefet-rj.br

Maria Cristina Giorgi, CEFET/RJ

Doutora em Letras, Universidade Federal Fluminense, rj, Brasil.
Professora titular, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET), RJ, Brasil.
cristinagiorgi@gmail.com

References

Almeida, S. L. de (2018). O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento.

Arnold, M. (09 jul., 1971). Most Times Square Prostitutes Staying Off Street to Avoid Arrest. The New York Times.

Acesso em 27 de janeiro de 2020 de https://www.nytimes.com/1971/07/09/archives/most-times-square-prostitutes-staying-off-street-to-avoid-arrest.html

Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal. (4a. ed.; P. Bezerra, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1979)

Bakhtin, M. (2009). (VOLOCHINÓV). Marxismo e filosofia da linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. (13a. ed.; M. Lahud & Y. F. Vieira, Trads.). São Paulo: Hucitec. (Trabalho original publicado em 1929)

Bassnett, S., & Lefevere, A. (1990). Introduction: Proust’s Grandmother and the Thousand and One Nights: The “Cultural Turn” in Translation Studies. In:_____ (Orgs.) Translation, History and Culture (pp. 1-13). London: Pinter Publishers.

Branco, S. de O., & Maia, I. N. B. (2016). O entrelugar da tradução literária: as exigências do mercado editorial e suas implicações na formação de identidades culturais. Ilha do Desterro, 69(1), 213-221. https://doi.org/10.5007/2175-8026.2016v69n1p213

Caldwell, K L. (1999). Ethnographies of identity (Re)Constructing Race and Gender in Contemporary Brazil. Tese de doutorado, University of Texas, Austin, EUA.

Carneiro, S. A. (2005). A construção do outro como não ser como fundamento do ser. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Acesso em 20 de fevereiro de 2020 de https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-como-nc3a3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf

Césaire, A. (1978). Discurso sobre o colonialismo (1a ed.). Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.

Collins, P. H. (2018). Epistemologia feminista negra. In: Bernardino-Costa, J; Maldonado-Torres, N; Grosfoguel, R. (Orgs.) Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico (pp. 139-170; A. C. J. Pereira, Trad.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Collins, P. H. (2019). Sobre tradução e ativismo intelectual. (C. de G. S. Araújo, D. Silva-Reis, & L. de M. Silva, Trads.). Ártemis, 27(1), 25-32. https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2019v27n1.46697

Cuti. (2010). Autocensura: “eu” negro X “tigre” do silêncio. In: ______. Literatura negro-brasileira (pp. 31-46). São Paulo: Selo Negro.

Dalcastagnè, R. (2012). Um mapa de ausências. In: ______. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado (pp. 147-196). Vinhedo: Horizonte/Rio de Janeiro: UERJ.

Davis, A. (2013). Mulher, raça e classe. (Plataforma Gueto, Tradução Livre). Acesso em 27 de fevereiro de 2020 de https://we.riseup.net/assets/165852/mulheres-rac3a7a-e-classe.pdf

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas. (R. da Silveira, Trad.). Salvador: EDUFBA.

Foucault, M. (1999). História da sexualidade I: a vontade de saber. (13a. ed.; M. T. da C. Albuquerque & J. A. G. Albuquerque, Trads.). São Paulo: Edições Graal.

Foucault, M. (2000). A arqueologia do saber (6a. ed.; L. F. B. Neves, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Garcia, K., & Antunes, L. (15 jul., 2019). Dos 5 autores mais vendidos da FLIP, 4 são negros e 1 é indígena. Quem são eles e por que isso é tão revolucionário [Versão Eletrônica]. O Globo. Acesso em 20 de julho de 2019 de https://oglobo.globo.com/celina/dos-5-autores-mais-vendidos-da-flip-4-sao-negros-1-indigena-quem-sao-eles-por-que-isso-tao-revolucionario-23809609

Hall, S. (1995). Raça o significado flutuante. Acesso em 20 de janeiro de 2020 de http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/raca-o-significante-flutuante%EF%80%AA/

hooks, bell. (2013). A língua: ensinando novos mundos/novas palavras. In: _____. Ensinando a transgredir: educação como prática da liberdade (pp. 223-233; M. B. Cipolla, Trad.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

hooks, bell. (2018) Felicidade total. (Carol Correia, Trad.). Acesso em 27 de fevereiro de 2020 de https://medium.com/@solemgemeos/cap%C3%ADtulo-16-de-feminismo-%C3%A9-para-todos-por-bell-hooks-ba4cfcab64b8

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó.

Lefevere, A. (2014). Why Waste Our Time On Rewrites? The Trouble With Interpretation And The Role of Rewriting In An Alternative Paradigm. In: HERMANS, Theo. (Org.), The Manipulation of Literature: Studies in Literary Translation (pp. 215-243). New York: St. Martin's.

Lorde, A. (2013). The Master’s Tools Will Never Dismantle the Master’s House. Acesso em 28 de fevereiro de 2020 de https://collectiveliberation.org/wp-content/uploads/2013/01/Lorde_The_Masters_Tools.pdf

Lorde, A. (2018). As ferramentas do sinhô nunca vão derrubar a casa-grande (T. Nascimento, Trad.). Acesso em 28 de fevereiro de 2020 de https://traduzidas.wordpress.com/

Maingueneau, D. (2005/2016) Gênese dos discursos. (S. Possenti, Trad.). Curitiba: Criar Edições.

Martins, M. A. P. (2010). As contribuições de André Lefevere e Lawrence Venuti para a teoria da tradução.

Cadernos de Letras da UFRJ, 1(27), 59-72. Acesso em 18 de janeiro de 2020 de http://www.letras.ufrj.br/anglo_germanicas/cadernos/numeros/122010/textos/cl301220100marcia.pdf

Mathias, A. (2017). Traduções transgressoras: a importância da tradução não oficial social de textos de autoria negra para o ambiente acadêmico. Translatio, 1(13), 215-233. Acesso em 15 de janeiro de 2020 de https://seer.ufrgs.br/translatio/article/view/71539

Mbembe. A. (2018) Crítica da razão negra. (1a. ed.; S. Nascimento). São Paulo: n-1 edições.

Nascimento, T. (2014) Letramento e tradução no espelho de Oxum: teoria lésbica negra em auto/re/conhecimentos. Tese de doutorado, Departamento de Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Nascimento, T. (2017). Quem nomeou essas mulheres “de cor”? políticas feministas de tradução que mal dão conta das sujeitas negras traduzidas. Translatio, 1(13), 127-142. Acesso em 15 de janeiro de 2020 de https://seer.ufrgs.br/translatio/article/view/71586

Rocha, D. (2006). Representação e intervenção: produção de subjetividade na linguagem. Gragoatá, 1(21), 355-372. Acesso em 11 janeiro de 2020 de http://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33231/19218

Secretário da Cultura copia discurso de ministro de Hitler e gera polêmica [Versão Eletrônica]. (17 jan. 2020). Deutsche Welle. Acesso em 27 de fevereiro de 2020 de https://www.dw.com/pt-br/secret%C3%A1rio-da-cultura-copia-discurso-de-ministro-de-hitler-e-gera-pol%C3%AAmica/a-52040824

Silva, D.A. (2014). De epistemicídio, (in)visibilidade e narrativa: reflexões sobre a política de representação da identidade negra em Cadernos Negros. Ilha do desterro, 1(67), 51-62. https://doi.org/10.5007/2175-8026.2014n67p51

Silva-Reis, D., & Amorim, L. (2016). Negritude e tradução no Brasil: O legado do Barão de Jacuecanga. Cadernos de literatura em tradução, 1(16), 7-18. Acesso em 28 de fevereiro de 2020 de http://www.revistas.usp.br/clt/article/view/115265/112950

Published
2021-05-05
How to Cite
Roberta Calixto, Araujo PeixotoL., de Mesquita SilvaL., & GiorgiM. C. (2021). "The Master’s Tool will Never Dismantle the Master’s House”: Discourse Analysis of a Marginal Translation. Íkala, 26(2), 421-435. https://doi.org/10.17533/udea.ikala.v26n2a03
Section
Case Studies